Limites da experiência estética

as cores e cinema narrativo

Palavras-chave: Experiência, Cinema, Cores, Atenção, Excesso

Resumo

Oos estudos narratológicos das obras audiovisuais frequentemente concentram suas análises em abstrações teóricas. Às vezes, a busca pela explicação hermenêutica, como reclama Hans Gumbrecht, se assemelha a um exagero semântico no qual a base material (imagens e sons) é reduzida a mero vetor de conhecimento abstrato, a história. Dentre os temas negligenciados surge a cor, elemento costumeiramente estranho às análises acadêmicas. Este artigo propõe a cor como estrategicamente alocada com intenção de gerir algum grau de experiência estética nos espectadores. Sua presença, entretanto, surtirá diferentemente aos espectadores a depender de seu grau de atenção e conhecimento.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Wanderley Anchieta, Universidade Federal Fluminense

Doutorando e mestre pelo Programa de Pós-Graduação em Comunicação da Universidade Federal Fluminense (UFF). Desenvolve pesquisas sobre visualidade, atenção e fabulação narrativa, ademais de atmosferas e cores em games e no audiovisual. É membro do Grupo de Pesquisa em Análise da Fotografia e de Narrativas Visuais e Gráficas (Grafo/Navi – UFF/CNPq).

Referências

ARNHEIM, R. Visual thinking. Berkeley, CA: University of California Press, 1997.
AUMONT, J.; BERGALA, A.; MARIE, M.; VERNET, M. A estética do filme. Campinas: Papirus, 2009.
BARONI, R.; REVAZ, F. (Ed.). Narrative sequence in contemporary narratology. Columbus, OH: The Ohio State University Press, 2016.
BATCHELOR, D. The luminous and the grey. London: Reaktion, 2014.
BORDWELL, D. Narration in the fiction film. Madison, WI: University of Wisconsin Press, 1985.
______. “Intensified continuity: visual style in contemporary American film”. Film Quarterly, Berkeley, CA, v. 55, n. 3, p. 16-22, 2002.
BORDWELL, D; STAIGER, J.; THOMPSON, K. The classical Hollywood cinema: film style and mode of production to 1960. London: Routledge, 2005.
BORDWELL, D.; THOMPSON, K. Film art: an introduction. 9. ed. New York: McGraw-Hill, 2010.
BOYD, B. On the origin of stories: evolution, cognition and fiction. Cambridge, MA: Belknap Press of Harvard University Press, 2009.
CHATMAN, S. B. Story and discourse: narrative structure in fiction and film. Ithaca, NY: Cornell University Press, 1978.
______. Coming to terms: the rhetoric of narrative in fiction and film. Ithaca, NY: Cornell University Press, 1990.
CURRIE, G. The nature of fiction. Cambridge, UK: Cambridge University Press, 2008.
DAMÁSIO, A. R. O erro de Descartes: emoção, razão e o cérebro humano. São Paulo: Companhia das Letras, 2012.
DONDIS, D. A. Sintaxe da linguagem visual. 2. ed. São Paulo: Martins Fontes, 2003.
ECO, U. Seis passeios pelo bosque da ficção. São Paulo: Companhia das Letras, 2009.
FAHY, T. R. (Ed.). Alan Ball: conversations. Jackson, MS: University Press of Mississippi, 2013.
FELINTO, E. “Flusser e Warburg: gesto, imagem, comunicação”. Eco-Pós, Rio de Janeiro, v. 19, n. 1, p. 20-28, 2016.
GAUDIN, A. “L’image-espace : propositions théoriques pour la prise en compte d’un « espace circulant » dans les images de cinéma”. Miranda, Paris, n. 10, p. 1-27, 2014.
GENETTE, G. Discurso da narrativa. 2. ed. Lisboa: Vega, 1995.
______. The aesthetic relation. Ithaca, NY: Cornell University Press, 1999.
GOMES, W. “La poética del cine y la cuestión del método en el análisis fílmico”. Significação, São Paulo, v. 31, n. 21, p. 85-105, 2004.
GUMBRECHT, H. U. Produção de presença: o que o sentido não consegue transmitir. Rio de Janeiro: Contraponto; Editora PUC-Rio, 2010.
______. Atmosphere, mood, stimmung: on a hidden potential of literature. Stanford, CA: Stanford University Press, 2012.
LATOUR, B. “‘Não congelarás a imagem’, ou: como não desentender o debate ciência-religião”. Mana, Rio de Janeiro, v. 10, n. 2, p. 349-376, 2004.
MARKOVIĆ, S. “Components of aesthetic experience: aesthetic fascination, aesthetic appraisal, and aesthetic emotion”. i-Perception, Thousand Oaks, CA, v. 3, n. 1, p. 1-17, 2012.
MARTEL, F. Mainstream: a guerra global das mídias e das culturas. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2012.
MOURA, E. 50 anos luz, câmera e ação. São Paulo: Senac, 2002.
PENAFRIA, M. “Análise de filmes: conceitos e metodologia(s)”. In: CONGRESSO DA ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA DE CIÊNCIAS DA COMUNICAÇÃO, 6., 2009, Lisboa. Anais… Lisboa: Universidade Lusófona de Humanidades e Tecnologia, 2009. p. 1-10.
PRINCE, S. “The discourse of pictures: iconicity and film studies”. In: BRAUDY, L.; COHEN, M. (Ed.). Film theory and criticism: introductory readings. 7. ed. Oxford: Oxford University Press, 2009. p. 96-114.
SINNERBRINK, R. “Stimming: exploring the aesthetics of mood”. Screen, Oxford, v. 53, n. 2, p. 148-163, 2012.
SONTAG, S. Against interpretation. In: ______. Against interpretation and other essays. New York: Farrar, Straus and Giroux, 1966. p. 5-10.
THOMPSON, K. “The concept of cinematic excess”. Ciné-tracts, Quebéc, v. I, n. 2, 1977. Disponível em . Acesso em: 20 nov. 2016.

Referências audiovisuais
AMERICAN beauty (Beleza americana). Sam Mendes, Estados Unidos da América, 1999.
Publicado
2019-01-31
Como Citar
Anchieta, W. (2019). Limites da experiência estética. Significação: Revista De Cultura Audiovisual, 46(51). https://doi.org/10.11606/issn.2316-7114.sig.2019.150259