A Fotografia e seus duplos

mulheres invisíveis e retratos impossíveis

Autores

  • Maurício Lissovsky Universidade Federal do Rio de Janeiro

DOI:

https://doi.org/10.11606/issn.2316-7114.sig.2020.155349

Palavras-chave:

fotografia feminina, fotografia científica, cultura visual

Resumo

Desde fins do século XIX e durante as primeiras décadas do século XX, mulheres e fotografias são figuras-chave em uma cultura em que as fronteiras entre público e privado, visível e invisível, revelado e oculto estão sendo borradas ou rapidamente modificadas. Este ensaio procura desenvolver essa premissa, discutindo trajetórias de fotógrafas e explorando imagens, provenientes dos mais diferentes campos, que colocam em cena essa correlação.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Maurício Lissovsky, Universidade Federal do Rio de Janeiro

Historiador, redator e roteirista. Possui graduação em História pela Universidade Federal Fluminense (1981), mestrado em Comunicação pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (1995), doutorado em Comunicação pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (2002) e estágio de pós-doutorado no Birkbeck College, da Universidade de Londres (2007). Desenvolve pesquisas no campo dos estudos visuais, com ênfase em fotografia, cinema, memória e política. É professor associado da Universidade Federal do Rio de Janeiro. Foi pesquisador visitante na Universidade de Princeton (2015) e coordenador da área de Comunicação e Informação junto à Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (Capes) (2014-2018). Membro do conselho consultivo do Centre for Iberian and Latin American Visual Studies, da Universidade de Londres. Pesquisador do Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq).

Referências

AQUINO, L. Picture ahead: a Kodak e a construção do turista-fotógrafo. São Paulo: Edição do autor, 2016.

ARENDT, H. Sobre la Revolución. Madrid: Revista de Occidente, 1967.

BARTHES, R. A câmara clara. Lisboa: Edições 70, 1989.

BENJAMIN, W. “Pequena história da fotografia”. In: Obras escolhidas I. São Paulo: Brasiliense, 1985. p. 91-107.

BIRO, M. “Hannah Höch’s New Woman: photomontage, distraction, and visual literacy in the Weimar Republic”. In: OTTO, E.; ROCCO, V. (ed.) The New Woman international: representation in photography and film from the 1870s through the 1960s. Ann Arbor: University of Michigan Press, 2011.

BYERS, N.; WILLIAMS, G. Out of the shadows: contributions of twentieth-century women to physics. Cambridge: Cambridge University Press, 2006.

DEL PICCHIA, M. A conferência do dr. Menotti Del Picchia no Municipal em 15/02/1922 Literalmeida, [S. l.], 28 jan. 2008. Disponível em: https://bit.ly/2G6Vmfs. Acesso em: 27 dez. 2016.

DIDI-HUBERMAN, G. Invention of hysteria. Cambridge: MIT Press, 2003.

FISCHER, A. “‘The most disreputable Camera in the world’: spirit photography in the United Kingdom in the early twentieth century”. In: CHEROUX, C. et al. The perfect medium: photography and the occult. New Haven: Yale University Press, 2005. p. 72-79.

FOSTER, H. O retorno do real: a vanguarda no final do século XX. São Paulo: Cosac Naify, 2014.

FOUCAULT, M. História da sexualidade II: o uso dos prazeres. Rio de Janeiro: Graal, 1984.

GIBNEY, E. “Entangled photons make a picture from a paradox”. Nature (news), New York, 27 ago. 2014. Disponível em: https://go.nature.com/2sENWMm. Acesso em: 2 mar. 2019.

GROJNOWSKI, M. D. “Sortilèges photographiques, de Villiers à Strindberg”. Romantisme, Paris, n. 105, p. 71-83, 1999.

GUNNING, T. “Phantom images and modern manifestations”. In: PETRO, P. (ed.) Fugitive images: from photography to video. Indianapolis: Indiana University Press, 1995, p. 42-71.

HEDSTROM, P. et al. Strindberg, painter and photographer. New Haven: Yale University Press, 2001.

HERMAN, E. “This is the new woman” [1929]. GHDI, Berlin, 1 abr. 2002. Disponível em: http://ghdi.ghi-dc.org/sub_document.cfm?document_id=3887. Acesso em: 10 jul. 2019.

KRAUSS, R. The optical unconscious. Cambridge: MIT Press, 1996.

LEMOS, G. B. et al. “Quantum imaging with undetected photons”. Nature, n. 512, p. 409-412, 2014. Disponível em: https://www.nature.com/articles/nature13586. Acesso em 2 mar. 2019.

LISSOVSKY, M. “Quatro mais uma dimensões do arquivo”. In: MATTAR, E. (org.). Acesso à informação e política de arquivos. Rio de Janeiro: Arquivo Nacional, 2003. p. 47-63.

LISSOVSKY, M. A máquina de esperar: origem e estética da fotografia moderna. Rio de Janeiro: Mauad X, 2008.

LISSOVSKY, M. “A fotografia e seus duplos: tão breve quanto possível”. Ícone, Recife, v. 14, n. 1, 2012.

LISSOVSKY, M. Pausas do destino: teoria, arte e história da fotografia. Rio de Janeiro: Mauad X, 2014.

LISSOVSKY, M. “O sumiço da senzala: tropos da raça na fotografia brasileira”. Devires, Belo Horizonte, v. 1, n. 13, p. 34-65, 2016.

MEDEIROS, M. Fotografia e verdade: uma história de fantasmas. Lisboa: Assírio & Alvim, 2010.

MINAS, J. de. A datilógrafa loura: romance da mulher proletária em São Paulo. Rio de Janeiro: Calvino Filho, 1934.

MITCHELL, M. K. Recollections: ten women of photography. New York: Vicking Press, 1979.

MUNK, J. Não existe problema! Rio de Janeiro: Edição da autora, 2007.

POOLE, D. “A one-eyed gaze: gender in 19th century illustration of Peru”. Dialectical Anthropology, New York, v. 13, n. 4, p. 333-364, 1988.

RANDOLPH, M. “Mary had a Little Kodak”. St. Louis & Canadian Photographer, Saint Louis, v. 8, n. 2, p. 75, 1890.

ROBERTS, J. The art of interruption: realism, photography and the everyday. Manchester: Manchester University Press, 1998.

SANTOS, C. J. dos. “Os olhos, o espelho, o outro”. In: HUVEN, P. Devastação. Belo Horizonte: Edição do autor, 2016.

SOUZA, D. E. de; VIDAL, P. E. “Devastação: entre mal-estar e sintoma: o sofrimento relacionado ao feminino irrepresentável”. Revista Subjetividades, Fortaleza, v. 17, n. 3, p. 130-142, 2017.

STEIN, S. “The graphic ordering of desire: modernization of a middle-class women’s magazine, 1919-1939”. In: BOLTON, R. (org.). The contest of meaning: critical histories of photography. Cambridge: MIT Press, 1992. p. 145-161.

TAUSSIG, M. Mimesis and alterity: a particular history of the senses. New York: Routledge, 1993.

TUCKER, A. The woman’s eye. New York: Alfred A. Knoff, 1975.

VALERO JUAN, E. M. “Otra perspectiva urbana para la historia literaria del Perú: la ‘tapada’ como símbolo de la Lima colonial”. América sin nombre, Alicant, n. 15, p. 69-78, 2010.

VIEIRA, C. L.; VIDEIRA, A. A. P. “Carried by History: cesar lattes, nuclear emulsions, and the discovery of the pi-meson”. Physics in Perspective, New York, v. 16, p. 3-36, 2014.

WALUSINSKI, O. “Albert Londe (1858-1917), le photographe de Jean-Martin Charcot à La Salpêtrière”. Histoire des Sciences Médicales, Paris, v. 4, n. 1, p. 16-27, 2018.

Downloads

Publicado

2020-05-04

Como Citar

Lissovsky, M. (2020). A Fotografia e seus duplos: mulheres invisíveis e retratos impossíveis. Significação: Revista De Cultura Audiovisual, 47(53), 297-322. https://doi.org/10.11606/issn.2316-7114.sig.2020.155349