Experiência política e cinema brasileiro contemporâneo

  • Cíntia Langie Universidade Federal de Pelotas
Palavras-chave: Experiência política, Cinema brasileiro, Processos de subjetivação

Resumo

Este texto objetiva agenciar a noção de política a um tipo específico de experiência cultural: as sessões de cinema brasileiro em universidades. Buscamos investigar os processos de subjetivação possíveis no encontro com obras de arte independentes, aquelas que não possuem espaço de circulação nas janelas tradicionais. Nessa trama de pensamento, uma experiência política pode ocorrer no estar-junto com o comum compartilhável que é o filme. Assim, propomos que projetos que profanam dispositivos na atualidade podem formar microcomunidades de partilha, para além de modelos capitalísticos hegemônicos.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Cíntia Langie, Universidade Federal de Pelotas

Professora do curso de Cinema e Audiovisual da Universidade Federal de Pelotas (UFPel). Doutora em Educação pelo Programa de Pós-Graduação da UFPel.

Referências

AGAMBEN, G. O que é o contemporâneo e outros ensaios. Chapecó: Argos, 2009.

ANCINE. Distribuição em salas de exibição: informe anual 2016. Brasília, DF: Observatório brasileiro do Cinema Audiovisual, 2017. Disponível em: https://bit.ly/3bBNpfp. Acesso em: 15 maio 2020.

BARBALHO, A. Política cultural e desentendimento. Fortaleza: IBDCult, 2016.

DELEUZE, G.; GUATTARI, F. O que é a filosofia? São Paulo: Editora 34, 2010.

GOMES, P. E. S. Uma situação colonial? São Paulo: Companhia das Letras, 2016.

GUATTARI, F. Caosmose: um novo paradigma estético. São Paulo: Editora 34, 1992.

GUATTARI, F.; ROLNIK, S. Micropolítica: cartografias do desejo. Rio de Janeiro: Vozes, 2011.

MIGLIORIN, C. Inevitavelmente cinema: educação, política e mafuá. Rio de Janeiro: Beco do Azougue, 2015.

MIGLIORIN, C.; LIMA, É. A. Estética e comunidade: ocupar o inacabado. In: O que nos faz pensar, Rio de Janeiro, v. 26, n. 40, p. 203-221, 2017.

RANCIÈRE, J. O desentendimento. São Paulo: Editora 34, 1996.

RANCIÈRE, J. A partilha do sensível: estética e política. São Paulo: EXO experimental; Editora 34, 2009.

ROLNIK, S. Esferas da insurreição: notas para uma vida não cafetinada. São Paulo: N-1, 2018.

SAFATLE, V. O circuito dos afetos. São Paulo: Cosac Naify, 2016.

Referências Audiovisuais

MENINO 23. Belisário Franca, Brasil, 2016.

Publicado
2020-07-09
Como Citar
Langie, C. (2020). Experiência política e cinema brasileiro contemporâneo. Significação: Revista De Cultura Audiovisual, 47(54), 218-232. https://doi.org/10.11606/issn.2316-7114.sig.2020.159929