Fazer ver, fazer cidade: o reemprego como desvio e invenção

Autores

  • Érico Araújo Lima Universidade Federal do Ceará
  • Aline Portugal Universidade Federal do Rio de Janeiro

DOI:

https://doi.org/10.11606/issn.2316-7114.sig.2020.160513

Palavras-chave:

Cinema brasileiro, Cidade, Visualidades, Reemprego, Desvio

Resumo

Este artigo busca sublinhar o íntimo contágio entre maneiras de elaborar o visível e formas de produzir uma cidade, a partir de dois filmes brasileiros realizados nos últimos anos: Nunca é noite no mapa (2016), de Ernesto de Carvalho, e Entretempos (2015), de Frederico Benevides e Yuri Firmeza. Com uma atenção aos modos singulares através dos quais esses filmes interrogam e confrontam determinadas representações visuais do espaço urbano, propomos uma reflexão acerca das relações que se estabelecem entre as tecnologias do visível e as tecnologias de controle e gestão das populações, com ênfase no gesto crítico dos filmes, que também atuam na composição das cidades.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Érico Araújo Lima, Universidade Federal do Ceará

Doutor em Comunicação pela Universidade Federal Fluminense (UFF) na Linha de Estudos do Cinema e do Audiovisual, e pela Paris 3 (Université Sorbonne Nouvelle) em Estudos Cinematográficos e Audiovisuais. Mestre em Comunicação pela Universidade Federal do Ceará (UFC) na linha de fotografia e audiovisual e graduado em Comunicação Social também pela UFC. Atualmente é professor substituto no Instituto de Cultura e Arte da UFC.

Aline Portugal, Universidade Federal do Rio de Janeiro

Doutoranda em Comunicação e Cultura pela UFRJ e mestre em Estudos de Cinema e Audiovisual pela UFF.

Referências

BARBOSA, M. Pulsando junto: caixeiras do Divino e sua música diaspórica. 2015. Dissertação (Mestrado em Música) – Departamento de Música, Universidade de Brasília, Brasília, DF, 2015.

BENEVIDES, R.; PASSOS, E. “Por uma política da narratividade”. In: PASSOS, E.; KASTRUP, V.; ESCÓSSIA, L. (org.). Pistas do método da cartografia: pesquisa-intervenção e produção de subjetividade. Porto Alegre: Sulina, 2015. p. 150-171.

BRENEZ, N. De la figure en général et du corps en particulier: l’invention figurative au cinéma. Bruxelles: De Boeck, 1998.

BRUNO, F. Máquinas de ver, modos de ser: vigilância, tecnologia e subjetividade. Porto Alegre: Sulina, 2013.

CRARY, J. Técnicas do observador: visão e modernidade no século XIX. Rio de Janeiro: Contraponto, 2012.

DANEY, Serge. A rampa: Cahiers du Cinéma, 1970-1982. São Paulo: Cosac Naïfy, 2007.

DELEUZE, G. Foucault. São Paulo: Brasiliense, 2005.

DIDI-HUBERMAN, G. Remontages du temps subi: l’oeil de l’histoire: tome 2. Paris: Les Éditions de Minuit, 2010.

FOUCAULT, M. Vigiar e punir: nascimento da prisão. Petrópolis: Vozes, 1987.

LIMA, T. A.; SENE, G. M.; SOUZA, M. A. T. “Em busca do Cais do Valongo, Rio de Janeiro, século XIX”. Anais do Museu Paulista, São Paulo, v. 24, n. 1, 2016.

MESQUITA, C. “A ruína na imagem, a imagem como ruína”. In: BASTOS, C. et al. (org.). O trabalho das ruínas: genealogias, ficções, (re)montagens. Fortaleza: Expressão Gráfica e Editora, 2019. p. 201-219.

MOREIRA, C. A cidade contemporânea entre a tábula rasa e a preservação: cenários para o porto do Rio de Janeiro. São Paulo: Editora Unesp, 2005.

PORTUGAL, A. “Um porto de tempos sincrônicos”. Alumbramento, [s.l.], 11 jul. 2014. Disponível em: https://bit.ly/2Uogs04. Acesso em: 8 jun. 2020.

Downloads

Publicado

2020-07-09

Como Citar

Lima, Érico A., & Portugal, A. (2020). Fazer ver, fazer cidade: o reemprego como desvio e invenção. Significação: Revista De Cultura Audiovisual, 47(54), 159-179. https://doi.org/10.11606/issn.2316-7114.sig.2020.160513