Apresentação

  • Eduardo Vicente Universidade de São Paulo
  • Rosana de Lima Soares Universidade de São Paulo
  • Eduardo Victorio Morettin Universidade de São Paulo
Palavras-chave: Apresentação, editorial.

Resumo

A partir desta edição, Significação – Revista da Cultura Audiovisual traz uma novidade: ela passa a contar com dossiês temáticos, organizados por pesquisadores convidados. Para o primeiro deles, o tema escolhido foi o rádio, e Eduardo Vicente, professor do Curso Superior do Audiovisual e do Programa de Pós-Graduação em Meios e Processos Audiovisuais da Escola de Comunicações e Artes da Universidade de São Paulo, foi o convidado para a sua organização. Intitulado O rádio além das fronteirase formado por seis artigos, o dossiê se propõe a reunir trabalhos que discutam tanto as perspectivas de utilização quanto as novas possibilidades de experimentação estética que estão sendo potencializadas para o veículo, especialmente a partir das novas tecnologias digitais e da convergência tecnológica. Ele também busca apresentar trabalhos que ofereçam reflexões originais e abordagens teóricas capazes de renovar o nosso olhar sobre essa mídia já centenária. Ampliando o sentido do “além das fronteiras”, quatro autores estrangeiros foram convidados para participar do dossiê. Eles estão sendo publicados pela primeira vez no país e, em todos os casos, com textos produzidos em português ou traduzidos para a língua.

O dossiê é aberto por “O rádio está morto... Viva o som!”, transcrição de uma provocativa palestra de Armand Balsebre (Universidade Autônoma de Barcelona) — um dos mais influentes autores do mundo na área de rádio — sobre os desafios colocados diante do veículo para que ele se converta “numa nova mídia sonora, no contexto da nova ‘sonosfera’, para os novos radiouvintes”. Andrew Dubber (Birmingham City University), diante dos desafios propostos pela era digital, defende uma abordagem do estudo do rádio através da ecologia midiática, em que busca considerar a forma e o discurso do veículo como uma negociação entre potencialidades e efetividades mais do que como um conjunto de características essenciais fixas. Luiz Artur Ferraretto (UFRGS), a partir de uma proposta de categorização do conteúdo radiofônico em quatro níveis de planejamento (segmento, formato, programação e conteúdoem si), busca “aproximar o que é praticado nas emissoras comerciais do Brasil dos processos adotados no rádio dos Estados Unidos, mercado tido como referencial para o empresariado nacional, e contrastá-los”. Madalena Oliveira (Universidade do Minho), debruçando-se sobre o estágio atual das pesquisas de comunicação em Portugal, reflete sobre os desafios do estudo de uma cultura do ouvir em tempos dominados pelo olhar. Marko Ala-Fossi, (Universidade de Tampere), partindo da consideração de que “a evolução do rádio depende em grande parte não apenas dos contextos culturais de um país mas também do desenvolvimento social, político e econômico geral das sociedades”, oferece uma perspectiva do seu desenvolvimento no mundo ao longo das próximas décadas. E, encerrando o dossiê, Rafael Duarte Oliveira Venancio (FMU), partindo da hipótese de que o rádio, em sua definição, é uma linguagem, e não um aparelho, procura entendê-lo enquanto recorte e modelo operacional dessa linguagem em sua intersecção com o mundo.

Outros seis artigos, não vinculados ao dossiê, completam a edição. Fernando de Tacca discute a categoria de “fotofilmes” a partir da análise de três produções espanholas recentes. Gustavo Souza busca pensar a possibilidade de um ponto de vista no documentário, num debate que articula a materialidade da imagem e do som com a subjetividade decorrente da interpretação. Vinicius Bandera reflete sobre a duplicidade espacial do cinema, que se estabelece entre o que é e o que não é abarcado pela câmera. Neide Jallageasse propõe a pensar o designda comunicação por imagens desde as suas primeiras modelizações, dedicando-se em especial às propostas radicais das vanguardas do início do século XX. Gilson Schwartz discute o impacto causado pela difusão dos videogames enquanto prática cultural hegemônica na sociedade do espetáculo, e Christian Pelegrini e Rogério de Almeida analisam as formas de representação da personagem Rose Nadler, da série televisiva norte-americana Lost.

Os editores agradecem a confiança e disponibilidade dos autores, bem como o trabalho de toda a equipe de profissionais envolvida na produção dessa revista — especialmente Andrea Limberto, que traduziu do inglês os textos de Marko Ala-Fossi e Andrew Dubber, e Eduardo Vicente, organizador do dossiê e tradutor do espanhol do texto de Armand Balsebre.

Boa leitura!

 

Os Editores

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Eduardo Vicente, Universidade de São Paulo
Editor especial do dossiê O rádio além das fronteiras
Rosana de Lima Soares, Universidade de São Paulo
Editora da Revista Significação
Eduardo Victorio Morettin, Universidade de São Paulo
Editor da Revista Significação
Publicado
2013-06-11
Como Citar
Vicente, E., Soares, R., & Morettin, E. (2013). Apresentação. Significação: Revista De Cultura Audiovisual, 40(39), 1-13. https://doi.org/10.11606/issn.2316-7114.sig.2013.59948
Seção
Apresentação