Um mito exótico? A recepção crítica de Orfeu Negro de Marcel Camus (1959-2008)

  • Anaïs Fléchet Universidade Paris IV-Sorbonne
Palavras-chave: Intercâmbios culturais, Crítica cinematográfica, Música popular, Brasil, França, Estados Unidos.

Resumo

Palma de Ouro em 1959, Orfeu Negro, do cineasta Marcel Camus, conhecido também como Orfeu do carnaval e Black Orpheus, teve uma recepção crítica ambígua desde então. Se, por um lado, o sucesso do filme deu um impulso fundamental à divulgação do cinema e da música brasileira no exterior nos anos 1960, foi também denunciado em nome da autenticidade da própria cultura brasileira. A análise dos documentos da produção, bem como dos artigos publicados nas revistas européias e norte-americanas, permite repensar o papel do filme nas relações interculturais entre Brasil, França e Estados Unidos. A hipótese defendida é que, apesar das críticas formais e ideológicas, Orfeu Negro constitui um documento de primeira ordem para o estudo da paisagem cultural carioca do final dos anos 1950 e da história das transferências culturais.

Downloads

Não há dados estatísticos.
Publicado
2009-12-23
Como Citar
Fléchet, A. (2009). Um mito exótico? A recepção crítica de Orfeu Negro de Marcel Camus (1959-2008). Significação: Revista De Cultura Audiovisual, 36(32), 43-62. https://doi.org/10.11606/issn.2316-7114.sig.2009.68091
Seção
Artigos