Mise-en-abyme da cultura: a exposição do “antecampo” em, Pi’õnhitsi e Mokoi Tekoá Petei Jeguatá

  • André Brasil UFMG
Palavras-chave: Pi’õnhitsi, Mokoi Tekoá Petei Jeguatá, cinema indígena, cultura com aspas, reversibilidade.

Resumo

 Dedicando-se à análise de dois documentários — Pi’õnhitsi e Mokoi Tekoá Petei Jeguatá —, o artigo sugere a natureza constituinte do antecampo em filmes indígenas. Trata-se do espaço no qual o realizador encena um duplo e intercambiável papel: dentro da cena, como membro da comunidade, e fora da cena, como cineasta. Em seguida, desdobramos a hipótese de que, por meio da exposição do antecampo, o cinema indígena expressa, em mise-en-abyme, o engendramento entre cultura e “cultura”.

 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

André Brasil, UFMG

Professor e pesquisador do Programa de Pós-Graduação em Comunicação Social da Universidade Federal de Minas Gerais. Doutor pela Universidade Federal do Rio de Janeiro. E-mail: agbrasil@uol.com.br

Publicado
2013-12-25
Como Citar
Brasil, A. (2013). <i>Mise-en-abyme</i> da cultura: a exposição do “antecampo” em, <i>Pi’õnhitsi</i> e <i>Mokoi Tekoá Petei Jeguatá</i&gt;. Significação: Revista De Cultura Audiovisual, 40(40), 245-267. https://doi.org/10.11606/issn.2316-7114.sig.2013.71683
Seção
Artigos