Atrações e prazeres visuais em um pornô feminino

  • Mariana Baltar UFF
Palavras-chave: Pornografia, Atrações, Estudos de gênero

Resumo

Este artigo correlaciona os conceitos de excesso e atrações como estratégicos para refletir sobre processos de engajamento e afetação no campo da pornografia que desestabilizam morais tradicionais em direção a uma política de gêneros. Nesse sentido, mobiliza-se uma lógica de excesso de atrações que estabelece um jogo ambivalente de recusa e adesão aos códigos genéricos mais básicos da pornografia. Os argumentos são empreendidos a partir da análise de Dirty Diaries, um projeto declaradamente associado ao campo da pornografia feminista empreendido com apoio do Swedish Film Institut.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Mariana Baltar, UFF
Professora da graduação em Cinema e audiovisual/UFF e do PPGCom/UFF. Doutora em Análise da Imagem e do Som pelo Programa de Pós-graduação em Comunicação/UFF, com passagem pela New York University. Sua pesquisa mais recente envolve o universo dos gêneros que compartilham a mesma matriz cultural do excesso, tais como o melodrama, a pornografia e o horror.

Referências

ABREU, Nuno Cesar. O olhar pornô: a representação do obsceno no cinema e no vídeo. Campinas: Mercado das letras, 1996.

ATTWOOD, F. ‘No Money Shot? Commerce, Pornography and New Sex Taste Cultures’. In. Sexualities, vol 10 (4): 441-456, 2007.

BALTAR, Mariana. Realidade lacrimosa: diálogos entre o universo do documentário e a imaginação melodramática. Orientador: Prof. Dr. João Luiz Vieira. Tese (Doutorado), Universidade Federal Fluminense, Curso de Pós-Graduação em Comunicação, 2007.

_______________. Evidência invisível – BlowJob, vanguarda, documentário e pornografia. In. Revista FAMECOS: mídia, cultura e tecnologia, Vol. 18, No 2 (2011).

BUKATMAN, Scott. Spectacle, attractions and visual pleasure. In. STRAUVEN, Wanda (org). Cinema of attractions reloaded. Amsterdam University Press, 2006.

BUTLER, Judith. Problemas de Gênero: feminismo e subversão da identidade. Civilização Brasileira, 2003.

DEL RÍO, Elena. Deleuze and the cinemas of performance. Powers of affection. Edinburg: Edinburg University Press, 2012.

DENNIS, Kelly. Art/Porn. A history of seeing and touching. Oxford/NY, Berg, 2009.

VIEIRA Jr, Erly. Marcas de um realismo sensório no cinema contemporâneo. Tese de Doutorado (Orientador: Denilson Lopes). ECO - Programa de Pós-graduação em Comunicação da UFRJ, 2012

FOUCAULT. Michel. História da Sexualidade 1. A Vontade do Saber. Rio de Janeiro, Graal, 1979.

GUNNING, Tom. The cinema of attractions: early film, its spectator and the avant-garde. In. STRAUVEN, Wanda (org). Cinema of attractions reloaded. Amsterdam University Press, 2006.

____________. Attractions: how they came into the world. In. STRAUVEN, Wanda (org). Cinema of attractions reloaded. Amsterdam University Press, 2006.

HUNT, Lynn A. Invenção da Pornografia. Ed. Hedra, 1999.

JANCOVICH, Mark. Naked Ambitions: Pornography, Taste and the Problem of the Middlebrow. In. Scope, 2001.

KENDRICK, Walter. The Secret Museum. Pornography in modern culture. Berkely, University of California Press, 1996.

MARTIN-BARBERO, Jesús. Dos meios às mediações – comunicação, cultura e hegemonia. Rio de Janeiro: EdUFRJ, 2001, 2ª ed.

MARKS, Laura. The Skin of Film. Durham, Duke University Press, 2000.

MELENDEZ, Franklin. Video Pornography, Visual Pleasure and the return of the sublime. In. WILLIAMS, Linda (org). Porn Studies. Duke University Press, 2004.

MULVEY, Laura. Visual and other pleasures: language, discourse, society. Londres, MacMillan, 1989.

NICHOLS, Bill. Pornography, ethnography and the discourses of power. In. Representing Reality. Bloomington, Indianapolis, Indiana University Press, 1991.

PAASONEN, Sussana. Labors of love: netporn, Web 2.0 and the meanings of amateurism. In. New Media & society, 12(8) 1297–1312, 2010.

PRECIADO, Beatriz. Manifiesto Contra-sexual, Editorial Ópera Prima, Madrid, 2002

RYBERG, Ingrid. Imagining Safe Space. The Politics of Queer, Feminist and Lesbian Pornography. Stockholm University Library/Acta Universitatis Stockholmiensis, 2012

ROUNTHWAITE, Adair. From This Body to Yours: Porn, Affect, and Performance Art Documentation. In. Camera Obscura Volume 26, Number 3(78) p.63-93, 2011

SABO, Anne G. After Pornified. How women are transforming pornography and why it really matters. Zero Books, 2012

SINGER, Ben. Melodrama and modernity. Early Sensational Cinema and Its contexts. New York, Columbia University Press, 2001.

SONTAG, Susan. A imaginação pornográfica. In: A vontade radical. Rio de Janeiro: Cia. das Letras, 1987.

STÜTTGEN, Tim. Post/Porn/Politics. Queer_feminist Perspective on the Politcs of Porn Performance and Sex-Work as Cultural Production. B_Books, Berlim, 2009.

THOMPSON, Kristin. The concept of cinematic excess. In: BAUDRY, Leo. e COHEN, Marshall (org). Film Theory and criticism. NY/Oxford, Oxford Universty Press, 2004.

WILLIAMS, Linda. Hard Core. Power, pleasure and the frenzy of the visible. University of California Press, 1999

_____________. (org). Porn Studies. Duke University Press, 2004.

_____________. Film Bodies: gender, genre and excess. In. BRAUDY, Leo e COHEN, Marshall (eds). Film Theory and criticism. Oxford University Press, 2004b

Publicado
2015-08-07
Como Citar
Baltar, M. (2015). Atrações e prazeres visuais em um pornô feminino. Significação: Revista De Cultura Audiovisual, 42(43), 129-145. https://doi.org/10.11606/issn.2316-7114.sig.2015.89868
Seção
Artigos