http://www.revistas.usp.br/smad/issue/feed SMAD Revista Eletrônica Saúde Mental Álcool e Drogas (Edição em Português) 2020-03-31T19:07:54-03:00 Revista Eletrônica Saúde Mental, Álcool e Drogas - SMAD smad@eerp.usp.br Open Journal Systems <p><strong>SMAD. Revista Eletrônica Saúde Mental Álcool e Drogas</strong> é uma revista on line, de acesso aberto, avaliada por pares, que recebe manuscritos de pesquisas que abordam&nbsp; todos os aspectos da saúde mental, uso de álcool, tabaco e outras drogas psicotrópicas sob diversos enfoques (psicossocial e da neurociência).</p> <p>São aceitas contribuições de pesquisadores de diversas áreas do conhecimento cujo objeto de pesquisa se refira aos conteúdos apresentados.</p> <p><strong><em>Idioma de submissão</em></strong></p> <p>Português, inglês ou espanhol</p> <p><strong><em>Missão</em></strong></p> <p>Compartilhar experiências e conhecimento produzidos por trabalhadores e pesquisadores da área de saúde mental, álcool e drogas.</p> http://www.revistas.usp.br/smad/article/view/166931 Como as Mídias Sociais influenciam na Saúde Mental? 2020-03-31T19:07:54-03:00 Samir Antonio Rodrigues Abjaude lpereira@fcfrp.usp.br Lucas Borges Pereira lpereira@fcfrp.usp.br Maria Olívia Barboza Zanetti lpereira@fcfrp.usp.br Leonardo Régis Leira Pereira lpereira@fcfrp.usp.br 2020-02-20T00:00:00-03:00 ##submission.copyrightStatement## http://www.revistas.usp.br/smad/article/view/166935 Assistência dos profissionais de saúde às crianças e adolescentes em situações de violência 2020-03-31T19:07:54-03:00 Rodrigo Jácob Moreira de Freitas rojmflegal@hotmail.com Natana Abreu de Moura rojmflegal@hotmail.com Rúbia Mara Maia Feitosa rojmflegal@hotmail.com Deivson Wendell da Costa Lima rojmflegal@hotmail.com Livia Dayane Sousa Azevedo rojmflegal@hotmail.com Ana Ruth Macêdo Monteiro rojmflegal@hotmail.com <p>Objetivo: compreender a assistência realizada pelos profissionais de saúde às crianças e adolescentes que vivenciam situações de violência. Método: pesquisa fenomenológica por meio de entrevistas semiestruturadas, aplicadas de setembro a dezembro de 2015, com nove profissionais de saúde do Centro de Atenção Psicossocial Infantojuvenil da capital do Ceará, Brasil. As falas transcritas foram categorizadas e analisadas conforme o referencial teórico da Fenomenologia Social de Alfred Schütz. Resultados: os entrevistados realizaram consultas individuais e atividades de grupo para explorar os sentimentos, conflitos e percepções das vítimas. Além disso, assistiram a família e&nbsp;desenvolveram ações com profissionais de outros serviços em busca de resoluções das questões sociais dos casos de violência. Conclusão: os profissionais de saúde precisam conhecer as motivações e os significados que eles atribuem às suas experiências com vítimas de violência para embasar novas ações nos serviços de saúde.</p> 2020-02-20T00:00:00-03:00 ##submission.copyrightStatement## http://www.revistas.usp.br/smad/article/view/166938 O Centro de Atenção Psicossocial segundo familiares de usuários 2020-03-31T19:07:54-03:00 Ana Laura Pires Rodovalho rfpegoraro@yahoo.com.br Renata Fabiana Pegoraro rfpegoraro@yahoo.com.br <p>Objetivo: este artigo investigou, a partir do itinerário terapêutico do usuário, a percepção dos familiares sobre o tratamento nos Centros de Atenção Psicossocial. Método: foram entrevistados dez familiares de pessoas em tratamento em Centro de Atenção Psicossocial com ao menos uma internação psiquiátrica. Resultados: a internação psiquiátrica foi o primeiro serviço utilizado na rede de atenção psicossocial. O Centro de Atenção Psicossocial foi compreendido como um serviço com equipe acolhedora que, utilizando de diferentes ferramentas de cuidado, auxiliou a estabilização do quadro do usuário. Enfatizou-se o tratamento medicamentoso, visto como capaz de eliminar comportamentos indesejáveis à família. Conclusão: houve satisfação da família ao cuidado prestado pelo serviço. Alguns pontos ainda precisariam ser aprimorados para o oferecimento de cuidado mais efetivo.</p> 2020-02-20T00:00:00-03:00 ##submission.copyrightStatement## http://www.revistas.usp.br/smad/article/view/166985 Caracterização de pacientes intoxicados por drogas de abuso em terapia intensiva 2020-03-31T19:07:54-03:00 Cleiton José Santana cleitonjsantana@hotmail.com Anai Adario Hungaro cleitonjsantana@hotmail.com Rosangela Cristophoro cleitonjsantana@hotmail.com Indianathan de Kassia Santana Elvira cleitonjsantana@hotmail.com Aroldo Gavioli cleitonjsantana@hotmail.com Magda Lúcia Félix de Oliveira cleitonjsantana@hotmail.com <p>Objetivo: caracterizar o perfil epidemiológico de internações em terapia intensiva decorrentes de efeitos secundários do uso de álcool e outras drogas de abuso. Método: estudo transversal de 138 fichas de internados em terapia intensiva adulto de hospital escola com efeitos secundários à intoxicação por drogas de abuso. Utilizaram-se estatísticas descritivas e univariada. Resultados: a média anual de internações foi 27,6/mês, com maioria do sexo masculino (89,1%), idade média de 47,9 anos, usuários crônicos de álcool (92,75%) e com doença orgânica secundária ao uso de drogas (66,64%). O tempo médio de internação foi de 16,6 dias e 38,4% evoluíram a óbito. Conclusão: neste estudo, prevaleceram internados em estado crítico do sexo masculino, em idade economicamente ativa, por uso crônico de álcool e longo período de internação. Os óbitos foram estatisticamente associados à idade maior que 40 anos, a doenças do sistema digestivo e internações com duração até 17 dias.</p> 2020-02-21T00:00:00-03:00 ##submission.copyrightStatement## http://www.revistas.usp.br/smad/article/view/166988 A percepção dos profissionais de saúde sobre o cuidado ao idoso com transtorno mental 2020-03-31T19:07:54-03:00 Maria Giovana Borges Saidel mgsaidel@unicamp.br Claudinei José Gomes Campos mgsaidel@unicamp.br <p>Objetivo: compreender as percepções da equipe de um Centro de Atenção Psicossocial sobre o cuidado ao idoso com transtorno mental. Método: estudo qualitativo com referencial teóricometodológico: Teoria das Representações Sociais. O campo de estudo foi um Centro de Atenção Psicossocial no interior do estado de São Paulo. Amostra composta por conveniência,<br>fechada por exaustão, constituída por 12 profissionais. A coleta de dados foi realizada por meio da entrevista semiestruturada e estes foram analisados pela análise temática de conteúdo.<br>Resultados: emergiram três categorias que evidenciam contradições sobre a percepção dos profissionais acerca do papel do CAPS. Essas contradições podem estar ancoradas nas representações sobre as dificuldades relatadas na assistência ao idoso, que se sobrepõem às dificuldades no cuidado ao indivíduo com transtorno mental. A ausência de estratégias para o atendimento cotidiano é abordada e a educação profissional é apontada como importante, porém ausente. O desgaste do profissional em saúde mental emerge e a percepção sobre a falta de recursos humanos é revelada nos discursos. Essas problemáticas trazem uma representação de práticas insuficientes que refletirão no cuidado ao idoso com transtorno mental. Conclusão: o estudo contribui com esclarecimentos a serem abordados em estudos&nbsp;de intervenção para potencializar a transformação do cuidado.</p> 2020-02-21T00:00:00-03:00 ##submission.copyrightStatement## http://www.revistas.usp.br/smad/article/view/166989 Uso de álcool e tabaco entre universitários de Terapia Ocupacional de uma universidade pública 2020-03-31T19:07:54-03:00 Marina Coelho de Pinho marina.pinho@hotmail.com Rayane Cristina Faria de Souza marina.pinho@hotmail.com Flavia Batista Portugal marina.pinho@hotmail.com Marluce Mechelli de Siqueira marina.pinho@hotmail.com <p>Objetivo: traçar o perfil do uso de álcool e tabaco e seus fatores associados entre universitários de Terapia Ocupacional. Método: estudo transversal realizado com estudantes acima de 18 anos do primeiro ao último período do curso de Terapia Ocupacional de uma universidade pública. O instrumento de pesquisa utilizado foi o questionário proposto pela Secretaria Nacional de Políticas sobre Drogas para o I Levantamento Nacional sobre o Uso de Álcool e Outras Drogas entre Universitários das 27 Capitais Brasileiras. Para a análise estatística, foi utilizado o Statistical Package for the Social Science. Resultados: a prevalência de “binge drinking no ano” foi de 61,5% e de “binge drinking no mês” foi de 46,8%. O uso na vida de tabaco foi de 36% e no ano de 25,7%. A religião mostrou-se significativamente associada ao “binge drinking no ano” e ao uso na vida e no ano de tabaco. “Pegar carona com o motorista da vez” e “Pegar carona com motorista alcoolizado” associaram-se significativamente às variáveis “binge drinking no ano” e “binge drinking no mês”. Conclusão: os resultados contribuem para criar ações de prevenção ao uso indevido de álcool e tabaco, bem como à inclusão ou ampliação da abordagem do tema no currículo do curso.</p> 2020-02-21T00:00:00-03:00 ##submission.copyrightStatement## http://www.revistas.usp.br/smad/article/view/166990 Condições de vida e saúde de idosos com transtornos mentais de acordo com o sexo 2020-03-31T19:07:53-03:00 Maria Cássia Corrêa Mazzi Freire daniela.garcia22@yahoo.com.br Maria José Sanches Marin daniela.garcia22@yahoo.com.br Carlos Alberto Lazarini daniela.garcia22@yahoo.com.br Daniela Garcia Damaceno daniela.garcia22@yahoo.com.br <p>Objetivo: analisar as condições de vida e saúde de idosos usuários de ambulatório de saúde mental de acordo com o sexo. Método: estudo transversal realizado em Ambulatório de Saúde Mental do interior paulista, Brasil, com 138 idosos, por meio de entrevistas. As análises inferenciais foram realizadas por meio do teste de qui-quadrado de Pearson e da extensão do teste exato de Fisher. Resultados: as mulheres realizavam mais frequentemente prevenção de câncer, vacinação da gripe, uso de aparelhos auxiliares, quando necessários; apresentaram diagnósticos em saúde mental realizados na vida adulta, estado conjugal “vive só”, independência nas atividades de vida diária e transtornos de humor e de personalidade. Os homens tiveram diagnósticos em saúde mental mais tardios, uso pregresso de álcool e transtornos mentais e de comportamento decorrentes do uso de substâncias psicoativas. Conclusão: as condições de vida e saúde dos idosos com transtorno mental apresentaram características diferentes quando se comparou o sexo masculino com o feminino. Isto evidencia a necessidade da busca pelo conhecimento das diferenças, para quem os atende profissionalmente, considerando os contextos que acarretaram o adoecimento e as condições atuais de saúde.</p> 2020-02-21T00:00:00-03:00 ##submission.copyrightStatement## http://www.revistas.usp.br/smad/article/view/166991 Tentativa de suicídio e fatores associados ao padrão uso e abuso do álcool 2020-03-31T19:07:53-03:00 Eliana Lessa Cordeiro liniker_14@hotmail.com Liniker Scolfild Rodrigues da Silva liniker_14@hotmail.com Emmanuel Wagner Pereira Mendes liniker_14@hotmail.com Luiz Claudio Luna da Silva liniker_14@hotmail.com Vanessa Lacerda Duarte liniker_14@hotmail.com Évelyn Cristina Morais Pessôa Lima liniker_14@hotmail.com <p>Objetivo: este estudo teve como objetivo relacionar o padrão de uso, abuso e problemas relacionados ao álcool entre os pacientes que tentaram suicídio em Recife no ano de 2015. Método: trata-se de um estudo transversal, prospectivo, do tipo descritivo, epidemiológico, de abordagem quantitativa, no município do Recife-PE, realizado nas residências dos pacientes que tentaram suicídio e cujo nome consta em notificações compulsórias enviadas para a Vigilância de Atenção a Doenças não Transmissíveis da Secretaria Municipal do Recife. Para a coleta dos dados, aplicou-se o<br>teste AUDIT, por meio de entrevistas, sendo esses dados organizados com o programa EPI-7 e analisados no programa SPSS<sup>®</sup>, versão 21.0. Resultados: apresentou-se uma prevalência maior em mulheres jovens, com idade média de 38 anos, com 1º grau de escolaridade, cor parda, solteiras, desempregadas e pertencentes à classe social C. No teste AUDIT, 41,4% dos entrevistados encontram-se na zona I, necessitando de aconselhamento aos riscos do consumo&nbsp;de álcool, e 24,1% dos pacientes bebem. Conclusão: os&nbsp;comportamentos suicidas acentuam-se com o uso abusivo do álcool e, por isso, devem ser encarados pelas equipes de saúde com seriedade, respeito e compromisso, pois os agravos e as consequências dessas complicações se tornam ainda mais difíceis quando negligenciados.</p> 2020-02-21T00:00:00-03:00 ##submission.copyrightStatement## http://www.revistas.usp.br/smad/article/view/166992 Transtornos mentais comuns em estudantes universitários 2020-03-31T19:07:53-03:00 Carlos Fabiano Munir Gomes daniel.augustoo@live.com Ronaldo José Pereira Junior daniel.augustoo@live.com Josiane Viana Cardoso daniel.augustoo@live.com Daniel Augusto da Silva daniel.augustoo@live.com <p>Objetivo: identificar a ocorrência de transtornos mentais comuns em estudantes de uma instituição de Ensino Superior e associar com as características sociodemográficas e acadêmicas. Método: trata-se de uma pesquisa exploratória, descritiva e de abordagem quantitativa, de levantamento, realizada com 378 estudantes universitários de uma instituição do interior paulista, com a aplicação de questionário semiestruturado e do Self-Reporting Questionnaire. Os dados foram analisados com o uso de análise estatística descritiva e instruções respectivas para a análise do instrumento utilizado. Resultados: 151 (39,9%) dos estudantes universitários entrevistados apresentaram escore de classificação para caso suspeito de transtornos de humor, de ansiedade e de somatização. Das variáveis sociodemográficas, os maiores índices foram para mulheres&nbsp;(43,7%), homossexuais (50,0%), cor de pele preta (42,9%) e em união estável (50,0%). Das variáveis acadêmicas, destacam-se maiores índices entre estudantes do curso de Administração (57,5%) e estudantes no período matutino (44,0%). Conclusão: a necessidade de planejamento de estratégias de prevenção e recuperação relacionadas à ocorrência de transtornos mentais comuns nessa população é clara, tendo em vista a vulnerabilidade a qual está exposta.</p> 2020-02-21T00:00:00-03:00 ##submission.copyrightStatement## http://www.revistas.usp.br/smad/article/view/166993 Perfil lipídico e consumo de bebida alcoólica 2020-03-31T19:07:53-03:00 Ludmila Macêdo Naud ludmilanaud@gmail.com Isabela Judith Martins Bensenor ludmilanaud@gmail.com Paulo Andrade Lotufo ludmilanaud@gmail.com <p>Objetivo: investigar o efeito do consumo de álcool em geral e do tipo de bebida alcoólica consumida, em diferentes medidas lipídicas. Método: o efeito do consumo de álcool foi investigado, bem como do tipo de bebida alcoólica, em diferentes medidas lipídicas, em ambos os sexos de população do Estudo Longitudinal de Saúde do Adulto. Resultados: foram realizadas análises em relação ao tipo e quantidade de consumo de bebida alcoólica por sexo. O consumo baixo-amoderado de álcool, independentemente do tipo de bebida alcoólica consumida, resultou em níveis mais elevados de HDLcolesterol, HDL2-colesterol e HDL3-colesterol em homens e mulheres. Não houve participantes da pesquisa que consumiam quantidade baixa a moderada de bebidas alcoólicas destiladas. Os triglicerídeos tiveram efeitos inversos para homens e mulheres no perfil lipídico. Para homens, bebidas destiladas contribuíram para melhor perfil dos triglicerídeos, enquanto para mulheres foi o contrário. Homens que consumiam bebidas alcoólicas destiladas tiveram níveis menores de triglicerídeos e mulheres que consumiam bebidas alcóolicas destiladas<br>tiveram níveis maiores. Nossos resultados estão de acordo com os de estudos anteriores. Conclusão: o consumo de álcool resultou em níveis diferentes de medidas lipídicas séricas em homens e mulheres. Dessa forma, conclui-se que a resposta ao álcool tem diferenças biológicas.</p> 2020-02-21T00:00:00-03:00 ##submission.copyrightStatement## http://www.revistas.usp.br/smad/article/view/166995 Uso da mídia Facebook e persuasão interpessoal em massa 2020-03-31T19:07:53-03:00 Edna Idalia Paulina Navarro Oliva lrpuente88@hotmail.com María Magdalena Alonso Castillo lrpuente88@hotmail.com Francisco Rafael Guzmán Facundo lrpuente88@hotmail.com Javier Álvarez Bermúdes lrpuente88@hotmail.com Linda Azucena Rodríguez Puente lrpuente88@hotmail.com <p>Objetivo: analisar a influência de persuasão interpessoal massa através do uso de Facebook do consumo de álcool entre estudantes universitários. Método: desenho preditivo e transversal, foi<br>probabilística e estratificado para uma amostra de 730 estudantes universitários amostrados. Um Data Cédula Pessoal e Prevalência de álcool, Questionário Usando o Facebook, o Teste de Identificação de Alcohol Use Disorder, foi usado Listagem de pensamentos e um livro de códigos. Resultado: a persuasão correlacionou positiva e significativamente com o consumo de álcool<br>(rs=0.272, p&lt;0.001). Facebook utilização correlacionados positivamente e significativamente com o número de publicações que contenham álcool observada nas paredes ou páginas pessoais dos jovens (rs=0.165, p&lt;0.001) e de consumo de álcool (rs=.157, p &lt; 0.001). Verificou-se que o modelo foi significativa (F(9.429)=58.73, p=0.001) com uma variação estimada de 35.1%. Conclusão: verificou-se que o sexo, o número de publicações com teor alcoólico e persuasão mostram um efeito sobre o consumo de álcool dos jovens.</p> 2020-02-21T00:00:00-03:00 ##submission.copyrightStatement## http://www.revistas.usp.br/smad/article/view/167090 Características de usuários com diagnóstico de Transtorno Depressivo atendidos em um Centro de Atenção Psicossocial 2020-03-31T19:07:53-03:00 Lorraine Garbellini Barbosa Lima lorrainegbl@hotmail.com Ariana Elite dos Santos lorrainegbl@hotmail.com Bruna Lopes Cardoso dos Santos lorrainegbl@hotmail.com Luiz Jorge Pedrão lorrainegbl@hotmail.com <p>Objetivo: descrever o perfil de usuários diagnosticados com transtorno depressivo atendidos em um centro de atenção psicossocial de um município do interior do estado de São Paulo, Brasil. Método: quantitativo, descritivo, exploratório, de natureza epidemiológica. Os dados foram extraídos do prontuário de usuários atendidos dentro do período selecionado, compilados em planilha do Microsoft Excel 2016 e analisados no software estatístico Stata 16. Resultados: prevalência do sexo feminino, idade média de 48 anos, sem companheiro (a), sem variação significativa<br>do histórico familiar, um nível de escolaridade que permite o seu ingresso no mercado de trabalho, sem comorbidades, que não utilizam substâncias químicas e sem variação significativa à ideação suicida. Conclusão: com a análise das variáveis, foi possível compreender melhor as características&nbsp;dos usuários, o que poderá contribuir para planejamentos&nbsp;assistenciais mais adequados a essa população.</p> 2020-02-27T00:00:00-03:00 ##submission.copyrightStatement## http://www.revistas.usp.br/smad/article/view/167091 Perfil epidemiológico dos usuários de um Centro de Atenção Psicossocial 2020-03-31T19:07:53-03:00 Camila Gomes Barbosa camilagomesbarbosa95@gmail.com Paulo Roberto Marinho Meira camilagomesbarbosa95@gmail.com Joilda Silva Nery camilagomesbarbosa95@gmail.com Bruno Bezerra Gondim camilagomesbarbosa95@gmail.com <p>Objetivo: analisar as características clínicas e sociodemográficas dos usuários do Centro de Atenção Psicossocial II (CAPS II) do município de Paulo Afonso – Bahia. Método: trata-se de um estudo quantitativo e transversal, realizado a partir do levantamento de dados dos pacientes frequentadores do CAPS II de Paulo Afonso, no ano de 2018. Aspectos clínicos e sociodemográficos foram obtidos a partir dos prontuários médicos dos usuários ativos do serviço cujos anos de cadastramento variaram de 2006 a 2018.&nbsp;Resultados: prevaleceram o sexo feminino, o estado civil solteiro, o Ensino Fundamental incompleto e o analfabetismo, a faixa etária entre 40 e 49 anos, os indivíduos ocupados, a assistência não intensiva e a admissão por encaminhamento. O diagnóstico mais frequente foi do grupo dos transtornos esquizofrênicos, esquizotípicos e delirantes. Os diagnósticos&nbsp;associaram-se significativamente à variável “sexo”, sendo o gênero masculino com maior prevalência de transtornos nos grupos dos transtornos mentais orgânicos, esquizofrenia, transtornos esquizotípicos e delirantes e retardo mental. Já o feminino obteve maior proporção nos transtornos do humor e transtornos neuróticos relacionados com o estresse e somatoformes. Conclusão: os dados obtidos neste estudo possuem relevância para contribuir com o direcionamento de estratégias de aprimoramento e organização do Centro de Atenção Psicossocial de Paulo Afonso.</p> 2020-02-27T00:00:00-03:00 ##submission.copyrightStatement## http://www.revistas.usp.br/smad/article/view/167093 Ansiedade e depressão e uso de substâncias psicoativas em jovens universitários 2020-03-31T19:07:53-03:00 Leopoldo Nelson Fernandes Barbosa leopoldopsi@gmail.com Gabriela Catel Abrahamian Asfora leopoldopsi@gmail.com Marina Carvalho de Moura leopoldopsi@gmail.com <p>Objetivo: identificar a frequência de ansiedade, depressão e uso de substâncias psicoativas em universitários. Método: estudo transversal. Os dados foram coletados utilizando a Escala Hospitalar de Ansiedade e Depressão e questões sobre o uso de substâncias psicoativas. Resultados: foram entrevistados estudantes do primeiro ao sexto período de uma faculdade privada especializada em saúde no nordeste do Brasil. Foi utilizado um questionário sociodemográfico, para caracterizar a população e o uso de substâncias psicoativas, e a Escala Hospitalar de Ansiedade e Depressão. Participaram 116 estudantes e 51,72% responderam fazer uso de alguma substância psicoativa, principalmente do álcool. Sintomas de ansiedade estiveram presentes em 28,45% e de depressão em 16,38%. Conclusão: a pesquisa apresentou dados compatíveis com os de outros estudos com esse tipo de população, identificando maior frequência de uso de substâncias em estudantes com sintomas de ansiedade.</p> 2020-02-27T00:00:00-03:00 ##submission.copyrightStatement## http://www.revistas.usp.br/smad/article/view/167094 Depressão na gravidez 2020-03-31T19:07:53-03:00 Mônica Maria de Jesus Silva monicamjs@usp.br Gabriella Santos Lima monicamjs@usp.br Juliana Cristina dos Santos Monteiro monicamjs@usp.br Maria José Clapis monicamjs@usp.br <p>Objetivo: identificar fatores de risco associados à ocorrência da depressão na gravidez disponíveis na literatura científica. Método: trata-se de uma revisão integrativa de artigos publicados nas bases de dados eletrônicas MEDLINE via Pubmed, SCOPUS, CINAHAL, PsycINFO e LILACS, entre 2012 e 2016. Resultados: foram analisados 37 estudos. Os mesmos identificaram fatores de risco diversos associados à ocorrência da depressão na gravidez. Os fatores de risco mais relevantes foram os fatores socioeconômicos, obstétricos e/ou maternos, psíquicos e psicossociais. Conclusão:<br>a etiologia da depressão na gravidez é multifatorial e complexa. Os fatores de risco associados à ocorrência da depressão na gravidez são heterogêneos e sua identificação é crucial para a promoção da saúde materno-fetal.</p> 2020-02-27T00:00:00-03:00 ##submission.copyrightStatement## http://www.revistas.usp.br/smad/article/view/167097 Transtorno mental e risco de suicídio em usuários de substâncias psicoativas 2020-03-31T19:07:53-03:00 Roberta Magda Martins Moreira robertamoreiraenf@hotmail.com Eliany Nazaré Oliveira robertamoreiraenf@hotmail.com Roberlandia Evangelista Lopes robertamoreiraenf@hotmail.com Marcos Venícios de Oliveira Lopes robertamoreiraenf@hotmail.com Tamires Alexandre Félix robertamoreiraenf@hotmail.com Lycélia da Silva Oliveira robertamoreiraenf@hotmail.com <p>Objetivo: analisar as evidências científicas acerca da presença de transtornos mentais e o risco de suicídio em usuários de substâncias psicoativas. Método: revisão integrativa da literatura, realizada na LILACS, MEDLINE e SCOPUS, mediante os descritores: transtornos relacionados ao uso de substâncias, suicídio e transtornos mentais. Selecionaram-se os artigos completos disponíveis nos idiomas português, inglês ou espanhol, sem recorte temporal, todavia, foram excluídos os duplicados e que não responderam diretamente à pergunta norteadora, totalizando 17 artigos para análise. Resultados: os usuários de substâncias psicoativas apresentam qualidade de vida reduzida e maior comprometimento na saúde mental, que aumentam a probabilidade para comorbidades psiquiátricas associadas, como a depressão, esquizofrenia,&nbsp;transtorno bipolar e ansiedade, principalmente quando há o uso de múltiplas substâncias. Essa associação eleva as chances de os indivíduos cometerem suicídio em até 5,7 vezes. Conclusão: observa-se a relação direta entre os três fatores investigados, em que o uso de substâncias psicoativas aumenta a probabilidade de transtornos mentais e o risco de suicídio, tornando-se necessária a elaboração de estratégias eficazes em saúde para a identificação precoce dessas problemáticas e, assim, desenvolver intervenções a fim de minimizá-las.</p> 2020-02-27T00:00:00-03:00 ##submission.copyrightStatement##