Simondon e o construtivismo: uma contribuição recursiva à teoria da concretização

  • Andrew Feenberg Simon Fraser University

Resumo

ResumoEste artigo defende que a teoria da concretização de Gilbert Simondon é útil tanto para os estudos sobre ciência e tecnologia (ECT) quanto para a teoria política. Por "concretização", Simondon compreende o processo de multiplicação de funções propiciadas pelas estruturas de um dispositivo. Ele oferece o exemplo do motor com resfriamento a ar, que combina resfriamento e contenção em uma única estrutura, a caixa do motor. A concretização contrasta com projetos "abstratos", que acrescentam estruturas para cada função, complicando o dispositivo e reduzindo sua eficiência. De acordo com Simondon, a evolução normal das tecnologias pode ser acompanhada através de suas sucessivas concretizações. O propósito deste artigo é concretizar em um único sistema de referência conceitual as noções funcionalmente distintas de "concretização" em Simondon e de "atores" nos ECT. Essa combinação tem aplicações políticas importantes. Ela mostra como demandas aparentemente contraditórias podem ser reconciliadas através de inovação. Por exemplo, diz-se frequentemente que acrescentar novas funções ambientais a tecnologias existentes implicará na troca da eficiência pela ideologia. Ao invés disso, o novo sistema de referência conceitual abre-nos uma perspectiva de transformação radical da tecnologia requerida pela modernização e sustentabilidade ecológicas. Ao fazer isso, ele sugere um modo de reconstruir a "crítica racional da razão" da Escola de Frankfurt e a noção de "racionalidade tecnológica" de Marcuse.
Publicado
2015-06-01
Como Citar
Feenberg, A. (2015). Simondon e o construtivismo: uma contribuição recursiva à teoria da concretização. Scientiae Studia, 13(2), 263-281. https://doi.org/10.1590/S1678-31662015000200002
Seção
Artigos