Chamada de trabalhos para o número 21

A revista Teresa, publicação do Programa de Pós-Graduação em Literatura Brasileira da Universidade de São Paulo, espera receber contribuições para o seu próximo número, conforme especificações abaixo. Solicitamos aos autores que, ao enviarem os manuscritos, observem e respeitem rigorosamente as normas de publicação expostas neste site, na seção “Submissões”. O prazo para envio de trabalhos é 16 de setembro de 2019. Aceitamos artigos e resenhas de doutores, doutorandos e mestres. Aceitamos resenhas de mestrandos.

250 anos de O Uraguay

O Uraguay, de Basílio da Gama (1741-1795), publicado originalmente em 1769, é decerto uma das obras mais relevantes de nosso período colonial, e tem provocado, desde sua aparição, um interesse vívido da crítica. É sempre difícil precisar o porquê de uma obra apresentar tal poder de irradiação, assim como a capacidade de manter esse vigor ao longo de gerações. Neste caso, se deve certamente ao engenho poético de Basílio da Gama, que aos 28 anos escreveu o seu melhor e mais complexo poema. O despojamento estilístico bem ao gosto do tempo, amparado aqui pelo uso dos decassílabos brancos e pela limpidez da escrita, nunca descai em mero prosaísmo e os elogios ao acabamento estético de O Uraguay têm sido a regra desde o início de sua recepção. Considere-se, como exemplo, o elogio de Lourenço Kaulen, já em 1786: “Senhor Gama, grande poeta a meu ver”; em um texto, no entanto, que se pretende o mais adverso possível às ideias do poema.

Mas a permanência de O Uraguay se deve também em grande parte à sua matéria, aberta às polêmicas mais ásperas, tanto as do próprio tempo do poeta (antijesuitismo e iluminismo, por exemplo), quanto a outras, de alcance mais amplo, como, por excelência, o dramático encontro de culturas entre o europeu e o índio – uma experiência muito particular de humanidade, que está na raiz do processo de constituição do Brasil, com as tremendas consequências que conhecemos.

Este número da Teresa será organizado pelos professores Augusto Massi (USP), Murilo Marcondes de Moura (USP) e pela professora Vania Pinheiro Chaves (Universidade de Lisboa – ULisboa). Os editores têm interesse em receber ensaios que abordem especificamente o poema O Uraguay, mas também estão abertos a textos que explorem outros aspectos da obra de Basílio da Gama. Entre as abordagens possíveis, assinalamos (como meras sugestões):

  1. Leituras críticas de O Uraguay (e de outras obras do poeta);

  2. A recepção crítica de O Uraguay (e de outras obras do poeta);

  3. Aproximações entre O Uraguay e a épica greco-latina, assim como com Os LusíadasGerusalemme liberata, La AraucanaCandideVila RicaO caramuruA confederação dos Tamoios;

  4. Aproximações entre o poema e o filme A missão (1983), de Roland Joffé;

  5. A tradução inglesa de Richard Burton, publicada pela primeira vez em 1982;

  6. O poema e a ideologia pombalina;

  7. Fundamentos históricos do poema;

  8. Figuração do índio em O Uraguay.