Os três tempos do romance de 30

  • Luís Bueno Universidade Federal do Paraná
Palavras-chave: romance social, década de 30, Literatura Brasileira

Resumo

O romance brasileiro de 30 assistiu a um movimento mais complexo do que a simples predominância do romance social, que tem sido considerada a face do período. O início do decênio de 30 é marcado por uma necessidade de superar a dúvida tida como gratuita do ceticismo anatoliano do início do século. Em 1933, o fenômeno do “romance proletário” veio dar cabo de vez da possibilidade de duvidar: um clima de polarização política e literária se estabelece, criando, aí sim, uma clara predominância do romance social. A partir de 1937, no entanto, há claros sinais de esgotamento do chamado romance social. É o tempo de uma nova dúvida, que não se confunde com o ceticismo, sendo antes fruto do impasse que traz uma guerra anunciada para decidir os rumos — fascismo ou comunismo — de um Ocidente que se imagina superando o liberalismo

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Luís Bueno, Universidade Federal do Paraná
é professor de Literatura Brasileira da Universidade Federal do Paraná
Publicado
2002-12-26
Como Citar
Bueno, L. (2002). Os três tempos do romance de 30. Teresa, (3), 254-283. Recuperado de http://www.revistas.usp.br/teresa/article/view/121151
Seção
Ensaios