O uso da contradição no discurso do historiador Gilfrancisco para reescrever a literatura sergipana

  • Thiago Martins Prado Universidade do Estado da Bahia
Palavras-chave: Gilfrancisco, Historiografia literária, Uso da contradição.

Resumo

O artigo mapeia os projetos de historiografia literária sergipana destacando as diferenças propostas pela escrita do crítico Gilfrancisco, que sugere o elogio ao caráter acidental da história, com o reconhecimento de sua inevitável característica contraditória, de sua condição fragmentária e de suas potenciais lacunas. Ao serem entendidos os estudos de história da literatura de Gilfrancisco como apresentações da fortuna crítica, da documentação e de demais fontes dos autores em Sergipe por meio de uma perspectiva multidirecional que não elimina a pluralidade de interpretações e as contradições manifestas, objetiva-se mostrar como o crítico problematiza noções como personalidade literária. Para isso, descrições do método de análise da historiografia literária de Gilfrancisco são realizadas neste artigo e, como resultado, discute-se como as técnicas desenvolvidas pelo crítico se articulam com as tendências atuais sobre estudos de documentação.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Thiago Martins Prado, Universidade do Estado da Bahia
é Professor Adjunto da Universidade do Estado da Bahia.
Publicado
2018-03-08
Como Citar
Prado, T. (2018). O uso da contradição no discurso do historiador Gilfrancisco para reescrever a literatura sergipana. Teresa, (18), 217-226. https://doi.org/10.11606/issn.2447-8997.teresa.2016.143697