Brasília em Nicolas Behr: amnésia colossal e desastrada

  • Filipe Bitencourt Manzoni Universidade Federal de Santa Catarina
Palavras-chave: Nícolas Behr, Memória Urbana, Brasília

Resumo

Nosso trabalho propõe uma investigação do caráter amnéstico inerente ao projeto modernista de Brasília e suas subversões operadas pela poesia de Nícolas Behr. Nos interessa observar o quanto a poesia de Nícolas ironiza a pretensão à ausência de memória do projeto urbanista da capital ao mesmo tempo em que busca brechas para a constituição de uma memória urbana alternativa. Perpassaremos, para tanto, alguns aspectos “desastrados” negligenciados na história da cidade (a sua pedra fundamental, sua monumentalidade e a origem de suas cidades-satélites) buscando flagrar aberturas possíveis para a fundação de uma memória e de uma história “não planejada”.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Filipe Bitencourt Manzoni, Universidade Federal de Santa Catarina
Doutor em Literatura pela Universidade Federal de Santa Catarina, possui interesse nas áreas de poesia contemporânea, história e urbanismo.
Publicado
2018-12-13
Como Citar
Manzoni, F. (2018). Brasília em Nicolas Behr: amnésia colossal e desastrada. Teresa, 1(19), 89-105. https://doi.org/10.11606/issn.2447-8997.teresa.2018.146092
Seção
Artigos