"Gabriela, cravo e canela" e o degelo soviético: o apagamento da primeira obra escrita por Amado após "Os subterrâneos da liberdade"

Palavras-chave: Literatura Brasileira, Jorge Amado, stalinismo

Resumo

Este artigo aponta, com base em pesquisas nos arquivos soviéticos, para a existência de uma obra, nunca publicada, entre Os Subterrâneos da Liberdade e Gabriela, Cravo e Canela, e a transformação do posicionamento público de Amado com o discurso secreto de Khruschov - que possivelmente ocasionou o apagamento daquela.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Marina Fonseca Darmaros, Universidade de São Paulo

Marina Darmaros é doutoranda do Departamento de Cultura e Literatura Russa da Universidade de São Paulo (USP). Foi pesquisadora no Departamento de Filologia da Universidade Estatal de Moscou Lomonóssov e tem mestrado em Jornalismo pela Universidade Russa da Amizade dos Povos (Patrice Lumumba). Atualmente, pesquisa as conexões entre o escritor brasileiro Jorge Amado e a União Soviética, com foco nos arquivos soviéticos armazenados em Moscou e no gatekeeping e cotejo da obra original com suas traduções para o russo. Contato: marinadarmaros@gmail.com

Publicado
2018-12-13
Como Citar
Fonseca Darmaros, M. (2018). "Gabriela, cravo e canela" e o degelo soviético: o apagamento da primeira obra escrita por Amado após "Os subterrâneos da liberdade". Teresa, 1(19), 211-227. https://doi.org/10.11606/issn.2447-8997.teresa.2018.146115
Seção
Artigos