Investigações sobre a construção do fitônimo CAPOEIRA: aspectos do campo léxico-semântico e geolinguística indígenas

  • Carlos Alberto Rizzi Universidade de São Paulo - Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas.
Palavras-chave: Toponímia, geolinguística, lexicologia, espaço, tradição ocidental, wildernes.

Resumo

O termo capoeira é um vernáculo, uma sentença tupi no português do Brasil. De kaá-uêra procede a noção de “mato que já não é o mesmo que foi”. Essa sentença demonstra a elegante interpretação da tradição indígena acerca dos dados da paisagem. Atualmente, o termo capoeira é muito utilizado no discurso científico ao lado de seu homônimo da tradição ocidental: mata secundária. Pretendeu-se aqui desenvolver a seguinte indagação: porque há uma estranha diferença intelectual entre o sentido de capoeira e mata secundária? Essa estranheza reside no fato do termo capoeira possuir um campo léxico-semântico que abarca, não somente a formação vegetacional correspondente, como também ampla gama homóloga e complementar de fenômenos do ambiente, da fauna e da flora. Algo similar não ocorreu com o termo mata secundária. Para tentar entender o porquê dessa constatação, supôs-se que o primeiro termo é resultado de um pensamento totalizante, de uma tradição contínua repassada desde o passado ancestral, ao passo que o segundo termo é herdeiro de uma recente ruptura: a da fragmentação do pensamento helênico. No Ocidente, essa fragmentação possui um momento simbólico: o julgamento de Sócrates. Munidos dos estudos de Hannah Arendt, foram vistos elementos dessa fragmentação na “separação entre o filósofo e a vida na polis [que] significou a separação entre o pensamento e a ação” (Wagner 2002), o que teve como consequência a “separação entre pensamento e política [...] entre filósofo e realidade” (Wagner 2002). O resultado maior dessa cisão foi a instalação, na tradição ocidental, da dicotomia entre a vita activa e a vita contemplativa que oficializou a própria cisão entre pensamento e ação. Acreditou-se ser esse o cerne da diferenciação intelectual entre o termo capoeira e mata secundária, dicotomia linguística produzida pela consequente cisão do espaço em absoluto e relativo e em natureza e sociedade, questão observada por Smith (1988).

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Carlos Alberto Rizzi, Universidade de São Paulo - Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas.

Doutorando em Geografia pelo Programa de Pós-graduação do Departamento de Geografia (FFLCH-USP).

Doutorando em Geografia Humana pelo Programa de Pós-graduação do Departamento de Geografia (DGEO-FFLCH-USP); mestre em Geografia Humana (DGEO-FFLCH-USP), com dissertação indicada para publicação; graduação: Geografia Urbana (DGEO-FFLCH-USP); membro desde 2008 da equipe júnior da revista franco-brasileira Confins.

Publicado
2012-06-18
Como Citar
Rizzi, C. (2012). Investigações sobre a construção do fitônimo CAPOEIRA: aspectos do campo léxico-semântico e geolinguística indígenas. Tradterm, 19, 214-247. https://doi.org/10.11606/issn.2317-9511.tradterm.2012.47353
Seção
Artigos