Mal de Nabuco: paisagem, crônica e crítica

Autores

  • Guilherme Simões Gomes Júnior PUC-SP; Departamento de Antropologia

DOI:

https://doi.org/10.1590/0103-20702015210

Resumo

Nos paradoxos do nacional e do estrangeiro que marcaram o modernismo, o mal de Nabuco foi uma espécie de emblema com alto teor de significação cultural. Quase sempre é tratado sob a ótica da importação em matéria artística ou literária, mas pouco se fala do problema da paisagem e do fundo histórico, que estão no centro do que Nabuco exprimiu na famosa passagem de sua obra. Este é o primeiro prisma do artigo, que gira em torno do valor de ancianidade na experiência da paisagem, que se desdobra em reflexão sobre o papel da crônica de viagem na transfiguração real e imaginária do Brasil, na primeira metade do século XX. Por fim, o artigo trata da crítica e, sobretudo, da maneira como a geração lidou com a atração do mundo e o desejo da originalidade cultural brasileira.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Downloads

Publicado

2015-12-01

Como Citar

Gomes Júnior, G. S. (2015). Mal de Nabuco: paisagem, crônica e crítica . Tempo Social, 27(2), 201-230. https://doi.org/10.1590/0103-20702015210

Edição

Seção

Artigos