O Livro do desassossego, de Fernando Pessoa, no cinema: a distribuição e exibição do filme de João Botelho

Autores

  • Teresa Duarte Martinho Universidade de Lisboa; Instituto de Ciencias Sociais

DOI:

https://doi.org/10.1590/0103-20702015212

Resumo

O objetivo desse artigo é analisar o plano de distribuição e exibição doFilme do desassossego, do cineasta português João Botelho, com base no Livro do desassossego, de Fernando Pessoa. A iniciativa configurou um sistema incomum de difusão cinematográfica, por assentar-se na exibição do filme em cineteatros e auditórios municipais em uma itinerância nacional por Portugal e pela diversidade de papéis que o realizador assumiu em um projeto concertado com a produtora da obra. A abordagem pretende contribuir para aprofundar o conhecimento dos processos e das dinâmicas de circulação da arte em moldes não estandardizados. O texto evidencia o caráter de interdependência no trabalho cinematográfico e, logo, a menor capacidade de controle por parte dos cineastas na gestão de diversos recursos de produção e difusão. Ilustra ainda os efeitos de uma conjugação particular entre arte e comércio, que surgiu da vontade de arriscar e fazer um gesto dissidente. Sendo empresário do seu próprio trabalho, João Botelho procurou firmar sua obra com mais autonomia e chamar atenção para o filme no sentido de estar proporcionando uma experiência singular.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Downloads

Publicado

2015-12-01

Como Citar

Martinho, T. D. (2015). O Livro do desassossego, de Fernando Pessoa, no cinema: a distribuição e exibição do filme de João Botelho . Tempo Social, 27(2), 255-278. https://doi.org/10.1590/0103-20702015212

Edição

Seção

Artigos