Acesso a posições de poder pela elite estancieira gaúcha: trajetórias sociais e investimentos escolares

Autores

  • Marcos Botton Piccin Universidade Federal de Santa Maria; Departamento de Educacao Agricola e Extensao Rural; programa de Pos-graduacao em Extensao Rural e do programa de Pos-graduacao em Ciencias Sociais

DOI:

https://doi.org/10.1590/0103-20702015214

Resumo

O artigo analisa os significados dos investimentos em relações sociais e em títulos escolares da elite estancieira - grande proprietária de terras - no Rio Grande do Sul, entre 1930 e 1980. Ao contrário das principais elites agrárias no país, os estancieiros possuem uma trajetória coletiva de ascensão tanto econômica como política no período em questão. Nesse contexto, tais investimentos foram uma estratégia de aumento do capital simbólico e não uma estratégia para fugir do descenso social e reconverter trajetórias por causa da crise econômica dos domínios fundiários de suas famílias. Nessa investigação se fez uso da observação direta para geração de dados etnográficos, entrevistas e pesquisa documental e genealógica.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Downloads

Publicado

2015-12-01

Como Citar

Piccin, M. B. (2015). Acesso a posições de poder pela elite estancieira gaúcha: trajetórias sociais e investimentos escolares . Tempo Social, 27(2), 305-328. https://doi.org/10.1590/0103-20702015214

Edição

Seção

Artigos