Revista Mexicana de Literatura: autonomia literária e crítica da sociedade

  • Leonardo Martinez Carrizales Universidad Autónoma Metropolitana-Azcapotzalco Departamento de Humanidades
Palavras-chave: Revista Mexicana de Literatura, Carlos Fuentes, Nacionalismo cultural no Mexico, Identidade social do escritor

Resumo

Este artigo tem como objetivo o estudo do momento inicial da Revista Mexicana de Literatura (1955-1957), dirigida por Carlos Fuentes e Emmanuel Carballo, as figuras mais notáveis do grupo habitualmente conhecido como a Generación de Medio Siglo: uma nova geração determinada por diferentes raízes socioculturais com relação aos escritores dos anos de 1920 e 1940. A aparição desta revista no campo cultural mexicano representa a articulação de uma nova ordem social da
literatura, que substituiu a anterior, a qual resultara do nacionalismo revolucionário cultural. A crítica da inserção do escritor no domínio simbólico do Estado mexicano, a ação independente e o caráter crítico do escritor, assim como a formulação de uma identidade autônoma, constituem as ideias-chave dessa nova situação. A identidade autônoma do escritor implica a construção de um discurso no qual o sujeito letrado é o possuidor exclusivo de um patrimônio simbólico excepcionalmente elaborado. A Revista Mexicana de Literatura representou o primeiro esforço coletivo das novas orientações e é a única publicação do período que reúne a agenda social de índole crítica e a autonomia artística do novo sujeito letrado.

Downloads

Não há dados estatísticos.
Publicado
2016-12-07
Como Citar
Martinez Carrizales, L. (2016). Revista Mexicana de Literatura: autonomia literária e crítica da sociedade. Tempo Social, 28(3), 51-76. https://doi.org/10.11606/0103-2070.ts.2016.111580
Seção
Dossiê: Sociologia, cultura e política no México