“Homens de vergonha não levam desaforo para casa”: estrutura e história em uma etnografia sobre brigas de família no sertão pernambucano

Autores

  • Leonardo Vilaça Dupin Universidade Estadual de Campinas
  • Sheila Maria Doula Universidade Federal de Viçosa

DOI:

https://doi.org/10.11606/0103-2070.ts.2018.118089

Palavras-chave:

Família, Estado, Violência

Resumo

Em um pequeno município pernambucano, os sujeitos de disputas históricas locais têm despertado a atenção pela transformação dos modos característicos de socialização diante de novas configurações que chegam ao local. Conflitos que marcaram profundamente tantas biografias e a própria história da cidade, agora parecem ficar subentendidos em meio a mudanças nas configurações sociais alavancadas por políticas públicas de origem externa. Considerando a importância dos valores e práticas locais diante de influências externas e macrossociais, tais atores sociais têm desafiado leituras analíticas sobre seus modos de dialogar com tradições e modernizações. Sob essa perspectiva, esta pesquisa propõe analisar, de um lado, as relações sociais “nativas” e, de outro, a forma como essa estrutura simbólica local reage às intervenções exógenas.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Leonardo Vilaça Dupin, Universidade Estadual de Campinas

Doutorando em ciências sociais na Unicamp e bolsista Capes

Sheila Maria Doula, Universidade Federal de Viçosa

Professora do Programa de Pós-graduação em Extensão Rural da Universidade Federal de Viçosa e bolsista do CNPq

Referências

Aaron, Ansell. (2014), Zero Hunger: political culture and antipoverty policy in Northeast Brazil. Chapel Hill, University of North Carolina Press.
Aaron, Ansell. (2015), “A transformação ambivalente da subjetividade política no sertão brasileiro”. Revista de @ntropologia da ufscar, 7 (2): 39-56.
Barth, Fredrik. (2000), “Os grupos étnicos e suas fronteiras”. In: Barth, Frederik. O guru, o iniciador e outras variações antropológicas. Rio de Janeiro, Contra Capa.
Bressan, L. M. (2015), “A rua, o mato e a foto: antropologia e imagem no sertão pernambucano”. Revista de @ntropologia da ufscar, 7 (2): 11-38.
Comerford, John Cunha. (2003), Como uma família: sociabilidade, territórios de parentesco e sindicalismo rural. Rio de Janeiro, Relume Dumará/Núcleo de Antropologia da Política da ufrj.
Costa Pinto, Luis de Aguiar. (1980), Lutas de família no Brasil: introdução ao seu estudo. São Paulo, Editora Nacional.
Dupin, Leonardo Vilaça & Doula, Sheila Maria. (2013), “Duas formas de fazer justiça: a atuação em uma Comissão Parlamentar de Inquérito (cpi) como mediadora de um acordo de paz no sertão pernambucano”. Soc. Estado, 28 (3): 691-712.
Dupin, Leonardo Vilaça & Doula, Sheila Maria. (2014), “Famílias em questão: aspectos descritivos no sertão pernambucano”. Política e Sociedade: Revista de Sociologia Política, 12 (25): 131-155.
Fabian, Johannes. (2013), O tempo e o outro: como a antropologia estabelece seu objeto. Rio de Janeiro, Vozes.
Godoi, Emília. (1999), O trabalho da memória: cotidiano e história no sertão do Piauí. Campinas, Editora da Unicamp.
Leal, Vitor Nunes. (1975), Coronelismo, enxada e voto. 2. ed. São Paulo, Alfa-Ômega.
Marques, Ana Cláudia Duarte Rocha. (2002), Intrigas e questões: vingança de família e tramas sociais no sertão de Pernambuco. Rio de Janeiro, Relume Dumará/Núcleo de Antropologia da Política da ufrj.
Marques, Ana Cláudia (org.). (2007), Conflitos, política e relações pessoais. Fortaleza/Campinas, Universidade Federal do Ceará/Funcap/cnpq-Pronex/Pontes Editores.
Marques, Ana Cláudia; Comerford, John Cunha & Chaves, Christine de Alencar. (2007), “Traições, intrigas, fofocas, vinganças: notas para uma abordagem etnográfica do conflito”. In: Marques, Ana Cláudia (org.). Conflitos, política e relações pessoais. Fortaleza/Campinas, Universidade Federal do Ceará/Funcap/cnpq-Pronex/Pontes Editores.
Sahlins, Marshall. (1994), Ilhas de história. Rio de Janeiro, Zahar.
Sahlins, Marshall. (2000), “Introdução e conclusão de Historical Metaphors and Mythical Realities”. Cadernos de Campo, 9 (9): 135-144.
Schwarcz, Lilia Moritz. (2000), “Marshall Sahlins ou por uma antropologia estrutural e histórica”. Cadernos de Campo, 9 (9): 125-133.
Vilaça, Marcos Vinicius & Albuqueruqe, Roberto C. de. (1965), Coronel, coronéis. Rio de Janeiro, Tempo Brasileiro.
Villela, Jorge Mattar. (2004), O povo em armas: violência e política no sertão de Pernambuco. Rio de Janeiro, Relume Dumará/Núcleo de Antropologia da Política da ufrj.
Villela, Jorge Mattar. (2007), “Violência e mediação de vingança no sertão de pernambuco, Nordeste do Brasil”. In: Marques, Ana Cláudia (org.) Conflitos, política e relações pessoais. Fortaleza/Campinas, Universidade Federal do Ceará/Funcap/cnpq-Pronex/Pontes Editores.

Downloads

Publicado

2018-12-13

Como Citar

Dupin, L. V., & Doula, S. M. (2018). “Homens de vergonha não levam desaforo para casa”: estrutura e história em uma etnografia sobre brigas de família no sertão pernambucano. Tempo Social, 30(3), 249-269. https://doi.org/10.11606/0103-2070.ts.2018.118089

Edição

Seção

Artigos