Rebeliões urbanas e a desestruturação das classes populares (França, 2005)

Autores

  • Stéphane Beaud Universidade de Nantes
  • Michel Pialoux CNRS; Centro de Sociologia Européia

DOI:

https://doi.org/10.1590/S0103-20702006000100003

Palavras-chave:

Rebeliões urbanas na França, Decomposição da classe operária, Ruptura de gerações, Degradação da condição operária, Dessolidarização das classes populares

Resumo

Tomando como ponto de partida a rebelião urbana ocorrida na França em outubro-novembro de 2005, os autores chamam a atenção para o que consideram novidade em relação às outras ocorridas na França nas últimas décadas: a participação de jovens "ordinários", por vezes bem situados no sistema de ensino e integrados no mercado de trabalho, porém quase sempre em situações precárias e instáveis, sem chances de evoluir socialmente. Evidência primeira de uma profunda degradação das condições de trabalho nos últimos anos, os autores tecem um quadro social em que se articulam desemprego, trabalho precário e fechamento de horizontes de futuro, situações de fracasso escolar e agravamento da segregação urbana, junto com formas abertas de racismo que atingem diretamente os jovens filhos de famílias imigrantes, em boa parte moradores dos conjuntos habitacionais. A questão proposta pelos autores é a necessidade de inscrever esses acontecimentos no quadro mais amplo da desestruturação das classes populares francesas, ou seja: a questão importante a ser compreendida é a condição operária "após a classe operária". Os autores retomam discussões de seu livro Retour sur la condition ouvrière (1999), com o agravamento da condição operária nos anos mais recentes, da qual os sinais de racismo no meio operário são ao mesmo tempo sintoma e efeito.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Downloads

Publicado

2006-06-01

Como Citar

Beaud, S., & Pialoux, M. (2006). Rebeliões urbanas e a desestruturação das classes populares (França, 2005) . Tempo Social, 18(1), 37-59. https://doi.org/10.1590/S0103-20702006000100003

Edição

Seção

Dossiê - Sociologia da Condição Operária