Flexibilidade à francesa: trabalhadores na Peugeot Citroën brasileira

Autores

  • José Ricardo Ramalho UFRJ
  • Marco Aurélio Santana Unirio

DOI:

https://doi.org/10.1590/S0103-20702006000100007

Palavras-chave:

PSA Peugeot Citroën, Trabalhadores, Relações de trabalho, Sindicato

Resumo

A proposta deste artigo é discutir os efeitos do processo recente de flexibilização da produção industrial (automotiva) sobre as relações de trabalho e sobre os operários e seus sindicatos. A partir do exemplo da primeira unidade brasileira da montadora francesa PSA Peugeot Citroën, instalada no município de Porto Real, Rio de Janeiro, em 2001, pretende-se argumentar que a construção de uma fábrica "enxuta" e reestruturada, com um projeto de superação da organização fordista e integrante de uma cadeia produtiva global, reconfigura as relações com os trabalhadores (e com o sindicato) no espaço fabril por meio da exigência de mais escolaridade, maior capacidade de adaptação às novas tecnologias e novas formas de organização da produção. No entanto, mantém práticas gerenciais autoritárias e evita a reprodução de experiências anteriores de resistência operária. O debate beneficia-se dos trabalhos sobre esta empresa na França realizados por Michel Pialoux e Stéphane Beaux, que nas últimas décadas analisaram suas transformações gerenciais e os desdobramentos sobre o modo de vida de diferentes gerações de operários.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Downloads

Publicado

2006-06-01

Como Citar

Ramalho, J. R., & Santana, M. A. (2006). Flexibilidade à francesa: trabalhadores na Peugeot Citroën brasileira . Tempo Social, 18(1), 115-132. https://doi.org/10.1590/S0103-20702006000100007

Edição

Seção

Diálogos com Pialoux e Beaud