Monitorar, negociar e confrontar: as (re)definições na gestão dos ilegalismos em favelas “pacificadas”

Autores

  • Palloma Valle Menezes Universidade Federal Fluminense

DOI:

https://doi.org/10.11606/0103-2070.ts.2018.133202

Palavras-chave:

Ilegalismos, Favela, Pacificação, Tráfico de drogas, Polícia

Resumo

O objetivo deste artigo é analisar as (re)definições que ocorreram na gestão diferencial dos ilegalismos em favelas cariocas a partir da inauguração das Unidades de Polícia Pacificadoras. Com base em uma pesquisa etnográfica realizada nas duas primeiras favelas “pacificadas”, mapeio os impactos da upp nas modalidades de presença, nos modos de ação e de interação entre policias e jovens que atuam no comércio varejista de drogas ilegais. Defendo a hipótese de que monitorar, negociar e confrontar são as principais modalidades da gestão dos ilegalismos em favelas cariocas. E sugiro que analisar as variações e combinações entre essas modalidades é fundamental para compreender os campos de forças presentes em favelas “pacificadas” e, consequentemente, analisar o processo de ascensão e queda das UPPs.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Palloma Valle Menezes, Universidade Federal Fluminense

Professora adjunta do Departamento de Ciências Sociais da Universidade Federal Fluminense

Referências

Abbott, Andrew. (2001), Time matters: on theory and method. Chicago, University of Chicago Press.
Barbosa, Antonio Rafael. (1998), Um abraço para todos os amigos: algumas considerações sobre o tráfico de drogas no Rio de Janeiro. Niterói, eduff.
Barbosa, Antonio Rafael. (2012), “Considerações introdutórias sobre territorialidade e mercado na conformação das Unidades de Polícia Pacificadora no Rio de Janeiro”. Revista Brasileira de Segurança Pública, 6 (2): 256-265.
Bautès, Nicolas & Gonçalves, Rafael Soares. (2011), “Sécuriser l’espace des pauvres/Improving Security in Poor Areas”. Revue Justice Spatiale/Spatial Justice, Paris, 4: 1-20, dez.
Beltrame, José Mariano. (2014), Todo dia é segunda-feira. Rio de Janeiro, Sextante.
Boltanski, Luc. (1990), L’amour et la justice comme compétences: trois essais de sociologie de l’action. Paris, Métailié.
Boltanski, Luc & Thévenot, Laurent. (1991), De la justification: les économies de la grandeur. Paris, Gallimard.
Burgos, Marcelo; Pereira, Luiz Fernando Almeida; Cavalcanti, Mariana; Brum, Mario & Amoroso, Mauro (2012), “O efeito upp na percepção dos moradores das favelas”. Desigualdade & Diversidade, 11: 49-97.
Cano, Ignacio; Borges, Doriam & Ribeiro, Eduardo. (2012), Os donos do morro: uma análise exploratória do impacto das Unidades de Polícia Pacificadora no Rio de Janeiro. São Paulo, Forum Brasileiro de Segurança Pública.
Corrêa, Diogo Silva. (2015), Anjos de fuzil: uma etnografia da relação entre Igreja e tráfico na Cidade de Deus. Rio de Janeiro, tese de doutorado em sociologia, Universidade do Estado do Rio de Janeiro.
Cunha, Neiva Vieira da & Mello, Marco Antonio da Silva. (2012), “A upp e o processo de urbanização na favela Santa Marta”. In: Mello, Marco Antonio da Silva et al. Favelas cariocas: ontem e hoje. Rio de Janeiro, Garamond.
Das, Veena & Poole, Deborah. (2004), Anthropology in the margins of the State. New Delhi, Oxford University Press.
DeLanda, Manuel. (2010), “Extensive and intensive cartography”. In: DeLanda, Manuel. Deleuze: history and science. Nova York, Atropos, pp. 115-140.
Dewey, John. (1938), Logic: the theory of inquiry. New York, Henry Holt.
Douglas, Mary. (1976), Pureza e perigo. São Paulo, Perspectiva.
Foucault, Michel. (1987), Vigiar e punir: nascimento da prisão. Petrópolis, Vozes.
Gibson, James. (1979), The ecological approach to visual perception. Boston, Houghton Mifflin Company.
Goffman, Erving. (1967), Interaction Ritual. Garden City, ny, Anchor Books.
Grillo, Carolina Christoph. (2013), Coisas da vida no crime: tráfico e roubo em favelas cariocas. Rio de Janeiro, tese de doutorado. Instituto de Filosofia e Ciências Sociais da Universidade Federal do Rio de Janeiro.
Grillo, Carolina Christoph. (mimeo.), “Fronteiras Tácitas: confronto e acordo em favelas do Rio de Janeiro”.
Ingold, Tim. (2000), The perception of the environment: essays in livelihood, dwelling, and skill. Londres/Nova York, Routledge.
Leite, Márcia Pereira. (2014), “Entre a ‘guerra’ e a ‘paz’: Unidades de Polícia Pacificadora e gestão dos territórios de favela no Rio de Janeiro”. Dilemas, 7: 625-642.
Machado Da Silva, Luiz Antonio (org.). (2008), Vida sob cerco: violência e rotina nas favelas do Rio de Janeiro. Rio de Janeiro, Nova Fronteira.
Machado Da Silva, Luiz Antonio. (2010), “‘Violência urbana’, segurança pública e favelas: o caso do Rio de Janeiro atual”. Caderno CRH, 23 (59): 283-300.
Machado Da Silva, Luiz Antonio. (2015), “A experiência das upps: uma tomada de posição”. Dilemas, 8: 7-24.
Menezes, Palloma. (2014), “Os rumores da ‘pacificação’: a chegada da upp e as mudanças nos problemas públicos no Santa Marta e na Cidade de Deus”. Dilemas, 7: 665-683.
Menezes, Palloma. (2015), Entre o “fogo cruzado” e o “campo minado”: uma etnografia do processo de “pacificação” de favelas cariocas. Rio de Janeiro, tese de doutorado em sociologia, Instituto de Estudos Sociais e Políticos da Universidade do Estado do Rio de Janeiro.
Menezes, Palloma. (2016), “La ‘pacification’ et ses rumeurs: les incidences des Unités de Police Pacificatrices sur les problèmes publics dans les favelas de Rio de Janeiro”. Contextes, 28: 1-16.
Menezes, Palloma & Corrêa, Diogo (no prelo). “From disarmament to rearmamento: elements for a sociology of critique of Pacifying Police Unit”. Vibrant.
Menezes et al. (2017), “A pobreza turística no mercado de pacificação: reflexões a partir da experiência da Favela Santa Marta”. Cadernos do crh, 29: 571-586.
Misse, Michel. (2006), Crime e violência no Brasil contemporâneo: estudos de sociologia do crime e da violência urbana. Rio de Janeiro, Lumen Juris.
Misse, Michel. (2007), “Mercados ilegais, redes de proteção e organização local do crime no Rio de Janeiro”. Estudos Avançados, 21: 139-157.
Musumeci, Leonarda; Mourão, Barbara M.; Lemgruber, Julita & Ramos, Silvia (2013), “Ser policial de upp: Aproximações e resistências”. Boletim Segurança e Cidadania, 14: 1-28.
Shibutani, Tamotsu. (1966), Improvised news, a sociological study of rumor. Indianapolis/Nova York, The Bobbs-Merrill Co Inc.
Siqueira, Raíza & Rodrigues, André. (2012), “As unidades de Polícia Pacificadora e a segurança pública no Rio de Janeiro”. Comunicações do iser, 67 (31): 9-45.
Soares, Luiz Eduardo. (2011), “Além do bem e do mal na cidade sitiada”. O Estado de S. Paulo, caderno Aliás, 20 nov.
Thévenot, Laurent. (1990), “L’action qui convient”. Raisons Pratiques, 1: 39-69.
Telles, Vera. (2010), A cidade nas fronteiras do legal e ilegal. Belo Horizonte, Fino Traço.
Telles, Vera da Silva & Hirata, Daniel Veloso. (2010), “Ilegalismos e jogos de poder em São Paulo”. Tempo Social, 22 (2): 39-59.
Valladares, Lícia do Prado. (2005), A invenção da favela: do mito de origem a favela.com. Rio de Janeiro, fgv.
Vigh, Henrik. (2009), “Motion squared: a second look at the concept of social navigation”. Anthropological Theory, 9: 419-438.
Zaluar, Alba. (1996), Condomínio do diabo. Rio de Janeiro, Editora da ufrj / Revan.

Downloads

Publicado

2018-12-13

Como Citar

Menezes, P. V. (2018). Monitorar, negociar e confrontar: as (re)definições na gestão dos ilegalismos em favelas “pacificadas”. Tempo Social, 30(3), 191-216. https://doi.org/10.11606/0103-2070.ts.2018.133202

Edição

Seção

Artigos