A “lógica da intervenção” e a questão da circulação: as remoções de favelas como forma de gerir o espaço urbano no Rio de Janeiro dos Jogos Olímpicos

Palavras-chave: Favelas, Remoção, Intervenção, Circulação, Jogos Olímpicos

Resumo

As remoções de favelas no Rio de Janeiro voltaram à agenda estatal. Desde 2009, aproximadamente 21 mil famílias foram retiradas de seus locais originais de moradia. Neste artigo busco apresentar, com base na descrição etnográfica, duas dimensões interconectadas que estruturam esse processo: a da “lógica da intervenção” e a questão da circulação. Tal empreendimento analítico se apoiará na experiência dos moradores de uma favela da Zona Oeste da cidade, removida entre os anos de 2010 e 2011 em função da construção de uma obra (uma via segregada para ônibus) incluída no rol daquelas que preparariam a cidade para os Jogos Olímpicos de 2016.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Alexandre Magalhães, Universidade Federal do Rio Grande do Sul

Mestre em sociologia pelo Iuperj, doutor em sociologia pelo Iesp-Uerj, realizou pós-doutorado em antropologia social no Museu Nacional/UFRJ. Atualmente é professor adjunto da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS).

Referências

Azevedo, L. & Faulhaber, L. (2015), smh 2016: remoção no Rio Olímpico. Rio de Janeiro, Mórula.
Barbosa, Karina Junqueira. (2013), Giorgio Agamben: entre o poder soberano e a biopolítica – um diálogo crítico com o pensamento de Carl Schmitt e Michel Foucault. Rio de Janeiro, tese de doutorado, Escola de Serviço Social da Universidade Federal do Rio de Janeiro.
Cardoso, Adauto Lúcio; Mello, Irene de Queiroz & Jaenisch, Samuel Thomas. (2015), “A implementação do Programa Minha Casa Minha Vida na Região Metropolitana do Rio de Janeiro: agentes, processos e contradições”. In: Amore, Caio Santo, Shimbo, Lúcia Zanin & Rufino, Maria Beatriz Cruz (orgs.). Minha casa... e a cidade? Avaliação do programa minha casa minha vida em seis estados brasileiros. Rio de Janeiro, Letra Capital, pp. 73-102.
Costa, Pedro D´Angelo. (2014), O sentido atribuído ao conceito de “interesse público” sob a ótica das disputas de poder na sociedade: um estudo de caso. Rio de Janeiro, monografia, Faculdade Nacional de Direito da Universidade Federal do Rio de Janeiro.
Das, Veena. (2007), Life and words: violence and the descent into the ordinary. Berkeley, University of California Press.
Das, Veena & Poole, Deborah. (2004), Anthropology in the margins of the State. New Delhi, Oxford University Press.
Davies, Frank Andrew. (2017), Deodoro: formas de governo para uma “região olímpica”. Rio de Janeiro, tese de doutorado, Instituto de Ciências Sociais da Universidade do Estado do Rio de Janeiro.
Faulhaber, Lucas. (2013), Rio Maravilha: práticas, projetos políticos e intervenção no território no início do século xxi. Niterói, monografia, Faculdade de Arquitetura e Urbanismo da Universidade Federal Fluminense.
Fernandes, Adriana. (2013), Escuta ocupação: arte do contornamento, viração e precariedade no Rio de Janeiro. Rio de Janeiro, tese de doutorado, Instituto de Filosofia e Ciências Humanas da Universidade do Estado do Rio de Janeiro.
Foucault, Michel. (2008), Segurança, território, população: curso dado no Collège de France (1978-1979). São Paulo, Martins Fontes.
Freire, Letícia de Luna & Silva, Mariana T. (2016), “O que está em jogo na cidade olímpica? Conflitos e resistências acerca de remoção de assentamentos populares no Rio de Janeiro”. In: Cunha, Neiva Vieira da; Freire, Leticia de Luna; Machado-Martins Maíra & Veiga, Felipe Berocan (org.). Antropologia do conflito urbano: conexões Rio-Barcelona. Rio de Janeiro, Lamparina, vol. 1, p. 51-74.
Gonçalves, Rafael Soares. (2015), “Políticas públicas e o retorno das remoções de favelas por ocasião das chuvas de abril de 2010 no Rio de Janeiro”. In: Kant de Lima, Roberto; Mello, Marco Antonio da Silva & Freire, Letícia de Luna (orgs.). Pensando o Rio: políticas públicas, conflitos urbanos e modos de habitar. Niterói, Intertexto.
Gonçalves, Rafael Soares. (2013), Favelas do Rio de Janeiro: história e direito. Rio de Janeiro, Pallas.
Gros, Frédéric. (2009), Estados de violência: ensaio sobre o fim da guerra. Aparecida, sp, Ideias & Letras.
Gutterres, Anelise dos Santos. (2014), A resiliência enquanto experiência de dignidade: antropologia das práticas políticas em um cotidiano de lutas e contestações junto a moradoras ameaçadas de remoção nas cidades sede da Copa do Mundo 2014. Porto Alegre, tese de doutorado, Instituto de Filosofia e Ciências Humanas da Universidade Federal do Rio Grande do Sul.
Magalhães, Alexandre. (2017), “Críticas e denúncias: a configuração da ação coletiva contra a remoção de favelas do Rio de Janeiro”. Dados – Revista de Ciências Sociais, 60 (1): 209-238.
Magalhães, Alexandre. (2016), “´A remoção foi satanizada, mas não deveria`: o retorno da remoção como forma de intervenção estatal nas favelas do Rio de Janeiro”. Dilemas: Revista de Estudos de Conflito e Controle Social, 9 (2): 293-315.
Magalhães, Alexandre. (2013), “O ‘legado’ dos megaeventos esportivos: a reatualização da remoção de favelas no Rio de Janeiro”. Revista Horizontes Antropológicos, 40: 89-118.
Mendes, Alexandre. (2016), “O debate em torno do risco, da moradia e das remoções em um ano de tragédias”. In: Mendes, Alexandre & Cocco, Giuseppe (orgs.). A resistência à remoção de favelas no Rio de Janeiro: instituições do comum e resistências urbanas: a história do Núcleo de Terras e Habitação (2007-2011), Rio de Janeiro, Revan, pp. 181-208.
Mendiola, Ignacio. (2017), “De la biopolítica a la necropolítica: la vida expuesta a la muerte”. Eikasia: Revista de Filosofia, 75, maio.
Naback, Clarissa Pires. (2015), Remoções biopolíticas: o habitar e a resistência da Vila Autódromo. Rio de Janeiro, dissertação de mestrado, Departamento de Direito da Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro.
Petti, Daniela. (2016), “Não tem preço, ninguém esquece sua vida assim”: uma etnografia sobre a “luta” contra as remoções de favelas no Rio de Janeiro. Rio de Janeiro, trabalho de conclusão de curso, Escola de Ciências Sociais da Fundação Getúlio Vargas.
Rolnki, Raquel. (2015), Guerra dos lugares: a colonização da terra e da moradia na era das finanças. São Paulo, Boitempo.
Tanaka, Giselle; Sánchez, Fernanda; Monteiro, Poliana; Oliveira, Fabrício Leal (orgs.). (2016), Planejamento e conflitos urbanos: experiências de luta. Rio de Janeiro, Letra Capital, vol. 1.
Telles, Vera. (2010), As cidades nas fronteiras do legal e do ilegal. Belo Horizonte, Argumentum.
Publicado
2019-08-07
Como Citar
Magalhães, A. (2019). A “lógica da intervenção” e a questão da circulação: as remoções de favelas como forma de gerir o espaço urbano no Rio de Janeiro dos Jogos Olímpicos. Tempo Social, 31(2), 221-242. https://doi.org/10.11606/0103-2070.ts.2019.143694
Seção
Artigos