Racionalismo e reificação em ​História e consciência de classe

Autores

DOI:

https://doi.org/10.11606/0103-2070.ts.2018.145907

Palavras-chave:

Georg Lukács, História e consciência de classe, Teoria crítica, Racionalismo, Reificação

Resumo

História e consciência de classe é considerado, consensualmente, como um dos marcos de fundação do marxismo ocidental. Sua contribuição para a gênese da teoria crítica tampouco pode ser desprezada. O presente artigo procura mostrar como alguns conceitos decisivos do arcabouço teórico da Escola de Frankfurt foram desenvolvidos em 1923 por Georg Lukács. Destaca, sobretudo, os conceitos de reificação e racionalismo. História e consciência de classe considera a reificação, seguindo uma trilha aberta por Karl Marx, o fenômeno central da sociedade capitalista. O racionalismo é exposto em duas dimensões articuladas, na esfera do pensamento – em especial na ciência e na filosofia –, e no âmbito da vida material, como racionalidade econômica.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Ricardo Musse, Universidade de São Paulo

Professor do Departamento de Sociologia da Universidade de São Paulo

Referências

Boella, Laura. (1977), Intellettuali e coscienza di classe. Il dibattito su Lukács 1923-24. Milano, Feltrinelli.
Colletti, Lucio. (1976), Il marxismo e Hegel: materialismo dialettico e irrazionalismo. Roma-Bari, Laterza.
Engels, Friedrich. (1977), Ludwig Feuerbach e o fim da filosofia clássica alemã. São Paulo, Edições Sociais, 1977.
Hegel, G. W. F. (1971), Vorlesungen über die Geschichte der Philosophie, band iii. Frankfurt am Main, Suhrkamp.
Hegel, G. W. F. (1988), Enciclopédia das ciências filosóficas em epítome. Lisboa, Edições 70.
Hegel, G. W. F. (1992), Fenomenologia do espírito. Petrópolis, Vozes.
Kant, Immanuel. (1985), Crítica da razão pura. São Paulo, Nova Cultural.
Kant, Immanuel. (2003), Crítica da razão prática. São Paulo, Martins Fontes.
Lichtheim, George. (1973), Lukács. São Paulo, Cultrix.
Lukács, Georg. (2003), História e consciência de classe. São Paulo, Martins Fontes.
Marx, Karl & Engels, Friedrich. (2010), Manifesto comunista. São Paulo, Hedra.
Marx, Karl. (1990), “Ad Feuerbach”. In: Labica, Georges (org.). As “teses sobre Feuerbach” de Karl Marx. Rio de Janeiro, Jorge Zahar, pp. 21-25.
Marx, Karl. (2005), Crítica da filosofia do direito de Hegel. São Paulo, Boitempo.
Marx, Karl. (2013) O capital. Crítica da economia política, vol. 1. São Paulo, Boitempo.
Merleau-Ponty, Maurice. (1955), Les aventures de la dialectique. Paris, Gallimard.
Musse, Ricardo. (1993), “Lukács e o racionalismo moderno”. Discurso. Revista do Departamento de Filosofia da usp. São Paulo, 21: 137-149.
Rubin, Isaak Illich. (1987), A teoria marxista do valor. São Paulo, Polis.
Weber, Max. (2013), “Reflexão intermediária: Teoria dos níveis e direções da rejeição religiosa do mundo”. In: Botelho, André (org.). Essencial sociologia. São Paulo, Penguin, pp. 506-552.
Weber, Max. (2002), “A psicologia social das religiões mundiais”. In: ______. Ensaios de sociologia. Rio de Janeiro, ltc, pp. 189-211.

Downloads

Publicado

2018-12-13

Como Citar

Musse, R. (2018). Racionalismo e reificação em ​História e consciência de classe. Tempo Social, 30(3), 5-24. https://doi.org/10.11606/0103-2070.ts.2018.145907

Edição

Seção

Dossiê: Teoria crítica