Felipe Recondo. Tanques e togas: o STF durante a ditadura.

Palavras-chave: Supremo Tribunal Federal, Ditadura, Poder Judiciário

Resumo

Resenha do livro de Felipe Recondo, Tanques e togas: o STF durante a ditadura, São Paulo, Companhia das Letras, 2018.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Carlos Artur Gallo, Universidade Federal de Pelotas

Doutor em ciência política pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul, com estágio doutoral realizado na Universidade Complutense de Madri. Professor do Departamento de Sociologia e Política e do Programa de Pós-graduação em Ciência Política da Universidade Federal de Pelotas.

Referências

Bohoslavsky, Juan Pablo (ed.). (2015), ¿Usted también, Doctor? Complicidad de jueces, fiscales y abogados
durante la dictadura. Buenos Aires, Siglo Veintiuno.
Carvalho, Alexandre Douglas Zaidan de. (2017), “Entre o dever da toga e o apoio à farda: independência
judicial e imparcialidade no stf durante o regime militar”. Revista Brasileira de Ciências Sociais, 32 (94).
Chueiri, Vera Karam de & Câmara, Heloísa Fernandes. (2015), “(Des)ordem constitucional: engrenagens
da máquina ditatorial no Brasil pós-64”. Lua Nova, 95: 259-288.
Del Río, Andrés. (2014), “Dictadura, democracia y justicia transicional en Brasil: trayectoria y legados del Supremo Tribunal Federal”. Dados – Revista de Ciências Sociais, 57(4): 1169-1201.
Ferreira, Siddharta Legale & Fernandes, Eric Baracho Dore. (2013), “O stf nas ‘Cortes’ Victor Nunes Leal,
Moreira Alves e Gilmar Mendes”. Revista Direito GV, 9(1): 22-45.
Pereira, Anthony W. (2010), Ditadura e repressão: o autoritarismo e o estado de direito no Brasil, no Chile e na Argentina. Rio de Janeiro, Paz e Terra.
Publicado
2019-08-07
Como Citar
Gallo, C. (2019). Felipe Recondo. Tanques e togas: o STF durante a ditadura. Tempo Social, 31(2), 295-302. https://doi.org/10.11606/0103-2070.ts.2019.149079
Seção
Resenhas