Emprego doméstico e mudança social: reprodução e heterogeneidade na base da estrutura ocupacional brasileira

Palavras-chave: Emprego doméstico, Desigualdades raciais, Raça e gênero

Resumo

O objetivo do presente artigo é analisar mudanças no perfil das empregadas domésticas entre 2002 e 2012 considerando não apenas as alterações pontuais na legislação que antecedeu à pec das domésticas, mas também as transformações sociais ocorridas na base da pirâmide social brasileira. Apesar da reprodução das clivagens de raça e classe que definem o perfil geral dessas trabalhadoras, o artigo demonstra que esses marcadores operam também na diferenciação interna dessa ocupação. Além disso, os dados analisados demonstram que as mudanças na base da estrutura ocupacional e no perfil educacional da força de trabalho foram decisivas para o modo como o perfil do emprego doméstico se alterou ao longo do período.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Márcia Lima, Universidade de São Paulo. Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas

Professora do Departamento de Sociologia da FFLCH-USP e pesquisadora sênior do Cebrap.

Ian Prates, Universidade de São Paulo. Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas

Doutor em Sociologia pelo Programa de Pós-Graduação em Sociologia da FFLCH-USP e pesquisador do Cebrap.

Referências

Angelin, Paulo & Truzzi, Oswaldo. (2015), “Patroas e adolescentes trabalhadoras domésticas: Relações de trabalho, gênero e classes sociais”. Revista Brasileira de Ciências Sociais, 30 (89): 63-76.
Barros, R. P. B.; Mendonça, R.; Deliberalli, P. & Bahia, M. (2000), “O trabalho doméstico infantojuvenil no Brasil”. Nota Técnica Ipea. Brasília, pp. 1-10.
Bernardino-Costa, Joaze. (2015), “Decolonialidade e interseccionalidade emancipadora: a organização política das trabalhadoras domésticas no Brasil”. Sociedade e Estado. Brasília, 30 (1): 147-163.
Bruschini, Cristina; Lombardi, Maria Rosa. (2000). “A bipolaridade do trabalho feminino no Brasil contemporâneo”. Cadernos de Pesquisa, 110: 67-104.
Carneiro, Sueli & Santos, Thereza. (1995), Mulher negra. São Paulo, Nobel.
Burnham, Linda & Theodore, Nik. (2012), Home economics: the invisible and unregulated world of domestic work. Nova York, National Domestic Worker Alliance, Center for Urban Economic Development, University of Illinois at Chicago.
Damasceno, Caetana M. (1997), “Trabalhadoras cariocas: algumas notas sobre a polissemia da boa aparência”. Estudos Afro-Asiáticos, 31: 125-150.
Hasenbalg, Carlos & Silva, Nelson do Vale. (1998), Estrutura social, mobilidade e raça. São Paulo/Rio de Janeiro, Vértice/Iuperj.
Ipea. (2013), “Um retrato de duas décadas do mercado de trabalho brasileiro utilizando a PNAD”. Comunicados Ipea, 160: 1-31. Disponível em http://www.ipea.gov.br/portal/images/stories/PDFs/comunicado/131007_comunicadoipea160.pdf.
Lima, Márcia & Silva, Denise. (1992), “Raça, gênero e mercado de trabalho”. Estudos Afro-Asiáticos, 23: 97-113.
Oit. (2010), Trabalho doméstico no Brasil: rumo ao reconhecimento institucional. Brasília, Organização Internacional do Trabalho/Escritório Brasil.
Pinheiro, Luana; Gonzales, Roberto & Fontoura, Natália. (2012), Expansão dos direitos das trabalhadoras domésticas no Brasil. Nota Técnica. Brasília, Ipea.
Pinheiro, Luana; Fontoura, Natália & Pedroza, Cláudia. (2011), “Situação atual das trabalhadoras domésticas no país”. In: Bernardino-Costa, Joaze; Figueiredo, Angela & Cruz, Tânia (orgs.). A realidade do trabalho doméstico na atualidade. Brasília, Centro Feminista de Estudos e Assessoria.
Rezende, Cláudia & Lima, Márcia. (2004), “Linking gender, class and race in Brazil”. Social Identities, 10 (6): 757-773.
Rosemberg, Fulvia. (1994), “A educação de mulheres jovens e adultas”. In: Saffiot, Heleieth & Vargas, Monica. Mulher brasileira é assim. Rio de Janeiro/Brasília, Rosa dos Tempos/Nipas/Unicef.
Saffioti, Heleieth. (1979), Emprego doméstico e capitalismo. Petrópolis, Vozes.
Souza, Kenia; Domingues, Edson. (2014), “Mudanças no mercado de serviços domésticos: uma análise da evolução dos salários no período 2006-2012”. Economia Aplicada, 18 (2): 319-346.
Theodoro, Maria Isabel Accoroni & Scorzafave, Luís Guilherme. (2012), “Impacto da redução dos encargos trabalhistas sobre a formalização das empregadas domésticas”. Revista Brasileira de Economia, 65 (1): 93-109.
Tilly, Charles. (1998), Durable inequality. Califórnia, University of California Press.
Vidal, Dominique. (2009), “Empleo domestico, normas jurídicas y sociedad democrática en Brasil”. In: Araujo, Kathya (ed.). Se acata pero no se cumple? Estudios sobre las normas en America Latina. Santiago do Chile, lom Ediciones.
Publicado
2019-08-07
Como Citar
Lima, M., & Prates, I. (2019). Emprego doméstico e mudança social: reprodução e heterogeneidade na base da estrutura ocupacional brasileira. Tempo Social, 31(2), 149-171. https://doi.org/10.11606/0103-2070.ts.2019.149291
Seção
Artigos