Léxicos urbanos e arenas públicas: tempos e espaços no Centro de Fortaleza

Palavras-chave: Tempo, Espaço, Léxicos urbanos, Cidade

Resumo

O presente artigo referencia-se nas classificações, representações e propostas de intervenção urbana como matéria relevante para o registro da cidade como prática e linguagem. O centro de Fortaleza oferece aporte empírico para a questão por constituir local exemplar de acionamento de classificações, reformas e intervenções feitas em diversos momentos. Basendo-se nos aportes metodológicos da ritmoanálise, sugeridos por Henri Lefebvre, a pesquisa registra os vários movimentos, lentos ou fortes, que permeiam as relações sociais cotidianas no centro. Inclui as percepções e classificações de atores e porta-vozes que contribuem para conformar um léxico urbano acionado, sobretudo através de arenas públicas que adquirem realce em determinadas conjunturas.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Irlys Alencar F. Barreira, Universidade Federal do Ceará

Professora titular do Programa de Pós-graduação em Sociologia da Universidade Federal do Ceará e pesquisadora do CNPq.

Referências

Augé, Marc. (1994), Não-lugares: introdução a uma antropologia da supermodernidade. Campinas, Papirus.
Barreira, Irlys. (2003), “Linguagens do passado e patrimônio”. Revista usp, 58: 213-224, jun.-ago.
Barreira, Irlys. (2007), “Usos da cidade: conflitos simbólicos em torno da memória e imagem de um bairro”. Análise Social, 182 (42): 163-180, mar.-maio.
Bezerra, Roselane Gomes (2009). O bairro Praia de Iracema entre o “adeus” e a “boemia”. Fortaleza, Edições Leo.
Boltanski, Luc. (1990), L´amour et la justice comme compétences. Paris, Éditions Métailé.
Bresciani, Maria Stella Martins. (2004), “Améliorer la ville (São Paulo 1850-1950)”. In: Topalov, Christian. Les divisions de la ville. Paris, Unesco/Maison des Sciences de l’Homme, pp. 169-192.
Caldeira, Tereza Pires. (2008), Cidade de muros: crime segregação e cidadania em São Paulo. São Paulo, Editora 34/Edusp.
Castro, Celso. (2006), Narrativas e imagens do turismo no Rio de Janeiro. Rio de Janeiro, Jorge Zahar Editor.
Certeau, Michel de. (2003), A invenção do cotidiano: morar, cozinhar. Rio de Janeiro, Vozes, vol. 2.
Dantas, Eustógio. (2009), “O centro de Fortaleza na contemporaneidade”. In: Dantas, Eustógio; Lustosa, Clélia & Borzacciello, José (orgs.). De cidade a metrópole: transformações urbanas em Fortaleza. Fortaleza, Edições ufc, pp. 187-227.
Fórum Adolfo Herbster. (1994), “Pensando o futuro do coração de Fortaleza” [folder]. Fortaleza, Prefeitura Municipal de Fortaleza.
Frehse, Fraya. (2005). O tempo das ruas na São Paulo de fins do Império. São Paulo, Edusp.
Habermas, Jürgen. (1984), Mudança estrutural da esfera pública. Rio de Janeiro, Tempo Brasileiro.
Jacobs, Jane. (2011), Morte e vida de grandes cidades. São Paulo, Martins Fontes.
Kowarick, Lucio. (2009), Viver em risco: sobre a vulnerabilidade socioeconômica e civil. São Paulo, Editora 34.
Lefebvre, Henri. (1992), Éléments de rythmanalyse, introduction à la connaissance des rythmes. Paris, Éditions Syllepse.
Lopes, Francisco Wiliams Ribeiro. (2013), A “requalificação” do patrimônio: intervenções, estratégias e práticas na Praça dos Mártires (passeio público) de Fortaleza. Fortaleza, dissertação de mestrado, Faculdade de Ciências Sociais da Universidade Federal do Ceará.
Lopes, Marciano. (2011), Royal Briar: a Fortaleza dos anos 40. Fortaleza, Armazém da Cultura.
Lustosa, Clélia. (2009). “Desigualdade socioespacial e vulnerabilidade na região metropolitana de Fortaleza”. In: Pequeno, Luiz Renato Bezerra. (org.), Como anda Fortaleza. Rio de Janeiro, Observatório das Metrópoles/Letra Capital, pp. 179- 191.
Magnani, José Guilherme Cantor. (2002), “De perto e de dentro: notas para uma etnografia urbana”. Revista Brasileira de Ciências Sociais, São Paulo, 49 (17): 11-29.
Meneguello, Cristina. (2009), “Espaços e vazios urbanos”. In: Fortuna, Carlos & Leite, Rogério (orgs.). Plural de cidade: novos léxicos urbanos. Coimbra, Almedina, pp. 127-135.
Parente, Lia & Assouka, Adhemar. (2015), Fortaleza 2040, 4.
Ponte, Sebastião Rogério. (1993), Fortaleza Belle Époque: reformas urbanas e controle social 1860-1930. Fortaleza, Fundação Demócrito Rocha.
Rubino, Silvana. (2009), “Enobrecimento Urbano”. In: Fortuna, Carlos & Leite, Rogério Leite (orgs.). Plural de cidade: novos léxicos urbanos. Coimbra, Almedina, pp. 25-40.
Salmito Filho, João. (2015), Pacto por Fortaleza: a cidade que queremos até 2020. Fortaleza, Câmara Municipal de Fortaleza.
Sennett, Richard. (1999), O declínio do homem público: as tiranias da intimidade. São Paulo, Companhia das Letras.
Telles, Vera da Silva. (2010), A cidade nas fronteiras do legal e ilegal. Belo Horizonte, Fino Traço.
Topalov, Christian. (2002), Les divisions de la ville. Paris, Unesco/ Maison des Sciences de l’Homme.
Vasconcelos, Lelia Mendes de & Mello, Maria Cristina Fernandes. (2006), “Re: atrás de, depois de...”. In: Vargas, Heliana Comin et al. (orgs.). Intervenções em centros urbanos: objetivos, estratégias e resultados. Barueri, Manole, pp. 53-65.
Vasconcelos, Leonardo Costa de. (2008), Um centro para uma cidade pós-moderna: a requalificação do centro histórico de Fortaleza. Fortaleza, dissertação de mestrado, Faculdade de Ciências Sociais da Universidade Federal do Ceará.
Weber, Max. (1979), “Conceito e categorias da cidade”. In: Velho, Guilherme Otávio (org.). O fenômeno urbano. Rio de Janeiro, Zahar, pp. 69-89.
Publicado
2019-04-17
Como Citar
Barreira, I. (2019). Léxicos urbanos e arenas públicas: tempos e espaços no Centro de Fortaleza. Tempo Social, 31(1), 71-90. https://doi.org/10.11606/0103-2070.ts.2019.151260
Seção
Dossiê: Pensar a cidade (no Brasil): Espaços e tempos