Il biennio nero: fascismo, antifascismo e violência política

Palavras-chave: Gramsci, Hegemonia, Violência política, Arditismo, Arditi del popolo

Resumo

Logo após a experiência operária das lutas do chamado Biennio rosso (Biênio vermelho) na Itália entre 1919 e 1920, surgiram várias organizações armadas de ex-combatentes da Grande Guerra, trabalhadores e trabalhadoras com o objetivo de resistir às violentas incursões dos esquadrões fascistas contra os setores populares tanto na cidade quanto do campo. O Biennio nero (1921-1922), que marcaria a ascensão fascista até a Marcha sobre Roma e a chegada ao poder de Benito Mussolini, conheceria, no entanto, alguns episódios de vitória popular em armas contra o fascismo num ambiente de guerra civil. A organização protagonista dessa resistência operária armada pelo território italiano foram os Arditi del popolo. O artigo pretende acompanhar esse período de forma sucinta, com a ajuda de recente historiografia italiana, para contextualizar e apresentar a análise de Gramsci sobre tal experiência histórica, tanto em seus textos publicados à época no L’Ordine Nuovo, quanto posteriormente, em suas reflexões carcerárias. A hipótese é que, embora tenha aprofundado, no cárcere, sua análise teórica das relações político-militares de classe, Gramsci nunca mudou de ideia sobre a necessidade de os grupos subalternos organizarem formas de resistência “ilegais”, fora da institucionalidade vigente, como parte da luta de hegemonias.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Leandro Galastri, Universidade Estadual Paulista "Júlio de Mesquita Filho". Campus Marília

Professor de Ciência Política da Unesp-Marília.

Referências

Antonioli, Maurizio. (1997), Il sindacalismo italiano: dalle origini al fascismo. Pisa, bfs.
Bianchi, Alvaro. (2008), O laboratório de Gramsci: filosofia, história e política. São Paulo, Alameda.
Ciccarelli, Roberto. (2009), “Guerra”. In: Liguori, G. & Voza, P. Dizionario gramsciano. Roma, Carocci, pp. 376-379.
Clausewitz, Claus Von. (2007), On war. Nova York, Oxford University Press.
Colarizi, Simona. (2000), Storia del novecento italiano. Milão, bur.
Dias, Edmundo F. (2004), Do giolittismo à guerra mundial: primeira parte. Campinas, ifch/Unicamp (Textos Didáticos, 39).
Dias, Edmundo F. (2000), Gramsci em Turim. A construção do conceito de hegemonia. São Paulo, Xamã.
Engels, Friedrich. (2012), “Prefácio”. In: Marx, Karl. As lutas de classes na França. São Paulo, Boitempo, pp. 9-31.
Francescangeli, Eros. (2008), Arditi del popolo: argo Secondari e la prima organizzazione antifascista (1917-1922). Roma, Odradek.
Francescangeli, Eros. (2011), “Il petardo dell’adunata”. In: Rossi, Marco. Arditi, non gendarme! Dalle trincee alle barricate: arditismo di guerra e arditi del popolo (1917-1922). Pisa, Biblioteca Franco Serantini, pp. 7-14.
Garofalo, Damiano. (s/d), Arditi del popolo: storia dela prima lotta armata al fascismo (1917-1922), pp. 1-15. Disponível em http://www.comunismoecomunita.org/wp-content/uploads/2010/04/Arditi_del_popolo.pdf, consultado em 7/1/2017.
Gentili, Valerio. (2010), Roma combatente: Dal “biennio rosso” agli Arditi del Popolo, la storia mai raccontata degli uomini e delle organizzazioni che inventarono la lotta armata in Italia. Roma, Castelvecchi.
Gianinazzi, Willy. (2006), “Le syndicalisme révolutionnaire em Italie (1904-1925): les hommes et les luttes”. Mil Neuf Cent, 24: 95-121.
Gramsci, Antonio. (2001), Quaderni del carcere (a cura de Valentino Gerratana). Turim, Giulio Einaudi.
Gramsci, Antonio. (1967), Socialismo e fascismo. L’Ordine Nuovo 1921-1922. Torino, Giulio Einaudi.
Hobbes, Thomas. (1999), O Leviatã. São Paulo, Nova Cultural.
Lênin, Vladimir. (1968), Opere complete xlii (ottobre 1917-marzo 1923). Discorsi alla riunioni dei membri dele delegazioni tedesca, polacca, cecoslovacca, ungherese e italiana. Roma, Riuniti.
Lênin, Vladimir. (1987), Imperialismo, fase superior do capitalismo. São Paulo, Global.
Maquiavel, Nicolau. (2008), O príncipe. São Paulo, Martins Fontes.
Marcuse, Herbert. “Prólogo”. (2011), In: Marx, Karl. O 18 de brumário de Luís Bonaparte. São Paulo, Boitempo, pp. 9-16.
Marx, Karl. (2011), O 18 de brumário de Luís Bonaparte. São Paulo, Boitempo.
Pirocchi, Angelo. (2004), Italian Arditi: elite Assault Troops 1917-1920. Oxford, Osprey.
Przeworski, Adam. (1991), Capitalismo e social-democracia. São Paulo, Companhia das Letras.
Rossi, Marco. (2011), Arditi, non gendarmi! Dalle trincee alle barricate: arditismo di guerra e arditi del popolo (1917-1922). Pisa, Biblioteca Franco Serantini Edizioni.
Secco, Lincoln. (2017), “Questões táticas”. In: Lole, Ana; Gomes, Victor L. C. & Del Roio, Marcos. Gramsci e a Revolução Russa. Rio de Janeiro, Mórula, pp. 195-206.
Spriano, Paolo. (1976), Storia del Partito Comunista Italiano: da Bordiga a Gramsci. Torino, Giulio Einaudi.
Staid, Andrea. (2015), Gli arditi del popolo: la prima lotta armada al fascismo 1921-1922. Milão, Milieu Edizioni.
Tasca, Angelo. (2003), Naissance du fascisme. Paris, Gallimard.
Weber, Max. (2011), Ciência e política: duas vocações. São Paulo, Cultrix.
Publicado
2019-08-07
Como Citar
Galastri, L. (2019). Il biennio nero: fascismo, antifascismo e violência política. Tempo Social, 31(2), 123-148. https://doi.org/10.11606/0103-2070.ts.2019.157702
Seção
Dossiê - Gramsci hoje: novas agendas de pesquisa