“Sou brasileiro, democrata e editor”

Ênio Silveira e a repressão à Editora Civilização Brasileira (1963-1970)

Palavras-chave: Ditadura militar, Intelectuais, Mercado editorial, Comunismo

Resumo

O artigo discute o problema da censura a livros durante a primeira fase do regime militar no Brasil e de que forma editores e empresários do ramo editorial criaram estratégias comerciais para a comercialização de obras classificadas como subversivas pelos órgãos de controle da ditadura. Para tanto, a Editora Civilização Brasileira assim como seu proprietário, Ênio Silveira, tornam-se aqui objetos centrais da análise para que possamos compreender as dinâmicas que se operaram no campo das esquerdas intelectualizadas, formado a partir da associação ambivalente entre engajamento e mercado.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Rodrigo Czajka, Universidade Federal do Paraná (UFPR)

Professor do Departamento de Sociologia e do Programa de Pós-graduação em Sociologia da UFPR

Referências

Brasil. (1970), Decreto-lei n. 1.077. Dispõe sobre a execução do artigo 153 § 8º, parte final, da República Federativa do Brasil. Brasília, 26 jan. 1970. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/decreto-lei/1965-1988/Del1077.htm, consultado em 3/7/2019.
Brasil. (1969), Emenda Constitucional n. 1. Edita novo texto da Constituição Federal de 24 de janeiro de 1967. Brasília, 17 out. 1969. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/constituicao/Emendas/Emc_anterior1988/emc01-69.htm, consultado em
10/9/2019.
Brasil. (1953), Lei n. 1.802. Define os crimes contra o Estado e a Ordem Política e Social, e dá outras providências. Rio de Janeiro, 5 jan. 1953a. Disponível em: https://www2.camara.leg.br/legin/fed/lei/1950-1959/lei-1802-5-janeiro-1953-367324-publicacaooriginal-1-pl.html, consultado em 12/9/2019.
Brasil. (1953b), Lei n. 2.083. Regula a liberdade de imprensa. Rio de Janeiro, 12 nov. 1953b. Disponível em: https://www2.camara.leg.br/legin/fed/lei/1950-1959/lei-2083-12-novembro-1953-366187-normaatualizada-pl.html, consultado em 12/9/2019.
Brasil. (1967), Lei n. 5.250. Regula a liberdade de manifestação de pensamento e de informação. Brasília, 9 fev. 1967. Disponível em: https://www2.camara.leg.br/legin/fed/lei/1960-1969/
lei-5250-9-fevereiro-1967-359026-publicacaooriginal-1-pl.html, consultado em 12/9/2019.
Castro, Ana Caroline Silva de. (2014), “Ênio Silveira: edição, repressão e redes de sociabilidade”. ExtraPrensa, 8 (14): 34-40.
Czajka, Rodrigo. (2013), “Ênio Silveira, o epistolário a Castelo Branco e o delito de opinião”. V Simpósio Internacional Lutas Sociais na América Latina, 2013. Universidade Estadual de Londrina. Anais... Londrina, 2013. Disponível em: http://www.uel.br/grupo-pesquisa/gepal/v10_rodrigo1_GVIII.pdf, consultado em 11/9/2019.
Czajka, Rodrigo. (2005), Páginas de resistência: intelectuais e cultura na Revista Civilização Brasileira. Campinas, São Paulo, dissertação de mestrado em sociologia, Instituto de Filosofia e Ciências Humanas da Universidade Estadual de Campinas.
Czajka, Rodrigo. (2009), Praticando delitos, formando opinião: intelectuais, comunismo e repressão no Brasil (1958-1968). Campinas, São Paulo, tese de doutorado em sociologia, Instituto de Filosofia e Ciências Humanas da Universidade Estadual de Campinas.
Fragoso, Heleno. (1970), Agravo em Mandado de Segurança n. 54/286 do advogado de Ênio Silveira enviado ao ministro do Tribunal Federal de Recursos, Jarbas Nobre. Brasília, 19 jun. 1970. Acervo pessoal de Ênio Silveira.
Galucio, Andréa Lemos Xavier. (2009), Civilização Brasileira e Brasiliense: trajetórias editoriais, empresários e militância política. Niterói, tese de doutorado em história social, Universidade Federal Fluminense.
Garcia, Miliandre. (2014), “Quando a moral e a política se encontram: a centralização da censura de diversões públicas e a prática da censura política na transição dos anos 1960 para os 1970”. Dimensões, 32: 79-110.
Garcia, Miliandre. (2019), “Teatro, censura e ‘supercensura’ na ditadura militar”. In: Fontana, Fabiana & Gusmão, Henrique Buarque. O palco e o tempo: estudos de história e historiografia do teatro. Rio de Janeiro, Gramma.
Gaspari, Elio. (2002), A ditadura envergonhada: as ilusões armadas. São Paulo, Companhia das Letras.
Hallewell, Laurence. (1985), O livro no Brasil: sua história. São Paulo, T. A. Queiroz/Edusp.
Inquérito Policial-Militar n. 481. (1966), Histórico pessoal dos indiciados.ipm do Iseb. Brasília, stm/SeArq, vol. 1.
Marcelino, Douglas Attila. (2011), Subversivos e pornográficos: censura de livros e diversões públicas nos anos 1970. Rio de Janeiro, Arquivo Nacional.
Maués, Flamarion. (2014), “Livros, editoras e oposição à ditadura”. Estudos Avançados, São Paulo, 28 (80): 91-104. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0103-40142014000100009&lng=en&nrm=iso.
Maués, Flamarion. (2005), “Ter simplesmente este livro nas mãos já é um desafio: livros de oposição no regime militar, um estudo de caso”. Revista em Questão, 11 (2).
Napolitano, Marcos. (2017), Coração civil: a vida cultural brasileira sob o regime militar (1964-1985) – ensaio histórico. São Paulo, Intermeios/usp – Programa de Pós-graduação em História Social.
Neves, Ozias Paese. (2006), Revista Civilização Brasileira (1965-1968): uma cultura de esquerda no cenário político ditatorial. Curitiba, dissertação de mestrado em história, Universidade Federal do Paraná.
Reimão, Sandra. (2011), Repressão e resistência: censura a livros na ditadura militar. São Paulo, Edusp.
Santos, Wanderley Guilherme dos. (1978), Poder e política: crônica do autoritarismo brasileiro. Rio de Janeiro, Forense Universitária.
Schwarz, Roberto. (2008), “Cultura e política: 1964-1969”. In: O pai de família e outros estudos. São Paulo, Companhia das Letras.
Silveira, Ênio. (1970a), Carta do editor ao ex-ministro da Justiça do governo Castello Branco, Juracy Magalhães. Rio de Janeiro, 14 jul. 1970a. Acervo pessoal de Ênio Silveira.
Silveira, Ênio. (1970b), Carta do editor ao ministro do Exército do governo Costa e Silva, Aurélio de Lira Tavares. Rio de Janeiro, 8 mai. 1970b. Acervo pessoal de Ênio Silveira.
Silveira, Ênio. (1963), Carta do editor ao secretário de Segurança Pública do Estado de São Paulo, Aldevio Barbosa de Lemos. Rio de Janeiro, 29 jul. 1963. Acervo pessoal de Ênio Silveira.
Silveira, Ênio. (1965), “Editorial”. Reunião, Rio de Janeiro, n. 1, p. 2, 20.
Vieira, Luiz Renato. (1996a), Consagrados e malditos: intelectuais e a editora Civilização Brasileira. Brasília, tese de doutorado em Sociologia, Universidade de Brasília.
Vieira, Luiz Renato. (1996b), “Ênio Silveira e a Civilização Brasileira: notas para uma sociologia do mercado editorial”. Revista de Biblioteconomia, 20 (2): 139-192.
Williams, Raymond. (2011a), “Base e superestrutura na teoria da cultura marxista”. In: Cultura e materialismo. São Paulo, Edunesp, pp. 43-68.
Williams, Raymond. (2011b), “Linguagem e vanguarda”. In: Política do modernismo: contra os novos conformistas. São Paulo, Edunesp, pp. 49-72.
Publicado
2020-08-05
Como Citar
Czajka, R. (2020). “Sou brasileiro, democrata e editor”. Tempo Social, 32(2), 149-174. https://doi.org/10.11606/0103-2070.ts.2020.168574
Seção
Dossiê - Trajetórias de consagração cultural: entre a autonomia e a heteronomia