Portal da USP Portal da USP Portal da USP

Notícias

CHAMADA DE ARTIGOS / CALL FOR PAPERS: Dossiê 33: Queerizar o cânone luso-afro-brasileiro

 

Entre 2015 e 2017, três colóquios internacionais denominados «Queering luso-afro-brazilian studies», ocorridos na França, Suécia e Reino Unido, propuseram uma revisão radical dos cânones da Língua Portuguesa com leituras inéditas ou revisões de manifestações culturais canônicas (des) orientadas pela Teoria Queer. Neste volume, pretende-se assim queerizar obras e seus criadores canónicos, ou ainda ressuscitar @s esquecid@s e outr@s minoritári@s, sem «nenhum critério preconcebido, temática explícita ou biografia de autor, preferindo à celebração de uma diferença a insinuação de uma dúvida constante, a erosão insaciável, lúdica e política, das fronteiras convencionais entre homo e hetero.» (CUSSET, 2002, p. 9-10).

Linhas propostas

  1. Manifestações do “gender trouble”.
  2. Leituras queer de textos literários ou produções artísticas canónicas.
  3. Análise das “tecnologias do género” em textos e produções artísticas.
  4. Novas formas de identidades de género e desconstrução dos papéis de género.
  5. O kitsch, o camp, o queer, o melodrama, a “arte bicha e butch”, o excesso, a subversão.
  6. Modos de vida e/ou olhares limítrofes (bordlines).
 
Publicado: 2017-07-10 Mais...
 

CHAMADA DE ARTIGOS / CALL FOR PAPERS: Dossiê 32: Literatura e Política nos países de língua portuguesa

 

PRORROGAÇÃO DO PRAZO PARA ENVIO DE ARTIGOS

Por razões históricas, a literatura produzida nos países de língua portuguesa pode ser compreendida como um instrumento de resistência, enfrentamento e luta política. No caso de Portugal, pode-se pensar tanto em autores do neorrealismo, que deram representação às opressões vividas pelas classes subalternas, quanto naquela produção contemporânea que procura rever criticamente o processo de colonização e seus desdobramentos na vida social. Na literatura brasileira, as formas de resistência ao Estado Novo, à ditadura civil-militar e as obras que procuram dar expressão a setores marginalizados constituem um vigoroso corpus no qual sobressai o embate da arte com as instâncias de poder. Já nos países africanos de língua oficial portuguesa, a literatura constitui um espaço fundamental para as lutas contra o poder colonial e também para a reflexão sobre os impasses do pós-independência.

Considerando-se tais aspectos, a Via Atlântica no. 32 convida à discussão em torno das relações entre literatura e política nos países de língua portuguesa. Assim, aceitam-se artigos e resenhas que contemplem esse tema tanto na produção em prosa quanto na poética dos séculos XX e XXI.

Organização: Rosangela Sarteschi e Fábio César Alves

PRAZO PARA ENVIO DE ORIGINAIS: 08 de junho de 2017.

 
Publicado: 2017-02-08 Mais...
 
1 a 2 de 2 itens