O DESENCANTO NA POESIA DE ARMÉNIO VIEIRA

Palavras-chave: literatura, poesia, Cabo Verde, desencanto

Resumo

A multiplicidade de discussões e referências na poesia do escritor caboverdiano Arménio Vieira traz ao leitor certa desorientação e angústia, como marca da lírica moderna (FRIEDRICH, 1991). Logo, o presente artigo é resultado de nossa angústia e vontade de decifrar os seus códigos discursos, a partir da leitura do livro MITOgrafias (VIEIRA, 2006), em que é possível observar o desencanto como mote para a construção de alguns poemas.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Larissa Souza, Universidade de São Paulo
Formada em Letras pela Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP), Especialista em Educação para as Relações Étnico-raciais (UFSCar), Mestra em Estudos Literários (UFSCar), atualmente é doutoranda em Estudos Comparados de Literaturas de Língua Portuguesa pelo Departamento de Letras Clássicas e Vernáculas (DLCV) - Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas (FFLCH) da Universidade de São Paulo (USP), Brasil.
Simone Caputo Gomes, Universidade de São Paulo
Professora Doutora, Universidade de São Paulo, Departamento de Letras Clássicas e Vernáculas da Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas. Membro da Academia Cabo-verdiana de Letras e da
Cátedra Eugénio Tavares da Universidade de Cabo Verde. Pós-Doutora em Literaturas Africanas de Língua Portuguesa pelas Universidades de Coimbra, Lisboa e Aveiro. Pós-Doutora em Poesia Portuguesa Contemporânea pela Universidade de Lisboa.
Publicado
2017-12-21
Como Citar
Souza, L., & Gomes, S. (2017). O DESENCANTO NA POESIA DE ARMÉNIO VIEIRA. Via Atlântica, (32), 325-334. https://doi.org/10.11606/va.v0i32.126112
Seção
Dossiê 32: A Poesia no Limite