MULHERES ENGAIOLADAS EM TEMPOS DE FARDAS: REPRESENTAÇÕES DA MULHER COMO SER À MARGEM EM “O PARDAL É UM PÁSSARO AZUL” DE HELONEIDA STUDART

  • Evelyn Caroline de Mello UNESP - Faculdade Júlio de Mesquita - Araraquara
Palavras-chave: feminismo, personagens femininas, Heloneida Studart

Resumo

O presente trabalho pretende problematizar a construção das personagens femininas na obra “O pardal é um pássaro azul”, de Heloneida Studart, escrito e publicado no período referente ao Regime Militar no Brasil, estabelecido em 1 de abril de 1964, cuja vigência se deu até o ano de 1985. Para tanto, dialoga-se com a teoria feminista, uma vez que juntamente ao protesto contra a ditadura, assume-se uma postura de contestação à situação de opressão feminina e à desigualdade de gênero, explicitada especialmente na construção das personagens e na manipulação do foco narrativo.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Evelyn Caroline de Mello, UNESP - Faculdade Júlio de Mesquita - Araraquara

Doutoranda pelo programa de Estudos Literários da UNESP - FCLar e Mestre em Estudos Literários pelo mesmo programa.

área: Literatura Brasileira Contemporânea; crítica literária.

Publicado
2018-09-11
Como Citar
de Mello, E. (2018). MULHERES ENGAIOLADAS EM TEMPOS DE FARDAS: REPRESENTAÇÕES DA MULHER COMO SER À MARGEM EM “O PARDAL É UM PÁSSARO AZUL” DE HELONEIDA STUDART. Via Atlântica, (33), 301-310. Recuperado de http://www.revistas.usp.br/viaatlantica/article/view/139914
Seção
Dossiê 33: Queerizar o cânone luso-afro-brasileiro