A guerra como tema e a escrita como arma: A juventude de“A geração da utopia” de Pepetela

Palavras-chave: Literatura, Guerra colonial, Angola, Pepetela

Resumo

Este artigo pretende discutir de que maneira a juventude angolana de década de 60 se preparou para a guerra que gerou a libertação de Angola. Dois elementos essenciais norteiam o texto, são eles: a guerra como acontecimento histórico que rege a narrativa, e a função da literatura durante este período. 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Glaucia Regina Fernandes, Universidade de São Paulo
Mestranda do Programa de Estudos Comparados de Literaturas de Língua Portuguesa da USP.
Fabiana Carelli, Universidade de São Paulo
Docente-pesquisadora do Departamento de Letras Clássicas e Vernáculas e do Programa de Pós-Graduação em Estudos Comparados de Literaturas de Língua Portuguesa da Universidade de São Paulo. Doutora em Letras - Teoria Literária e Literatura Comparada pela Universidade de São Paulo. Mestre em Letras - Teoria Literária e Literatura Comparada pela Universidade de São Paulo. Pós-Doutora em Portuguese Studies - Lusophone African Cinema pela University of Maryland, USA. Coordenadora do GENAM - Grupo de Estudos em Narrativa e Medicina da Universidade de São Paulo. Diretora do Centro de Estudos de Literaturas e Culturas de Língua Portuguesa - CELP-USP.
Publicado
2014-11-04
Como Citar
Fernandes, G., & Carelli, F. (2014). A guerra como tema e a escrita como arma: A juventude de“A geração da utopia” de Pepetela. Via Atlântica, (26), 275-286. https://doi.org/10.11606/va.v0i26.82603
Seção
Outros Textos