Orgulho e Preconceito e Zumbis: Uma versão de Jane Austen para o público juvenil contemporâneo

  • Fabiane Verardi Burlamaque Universidade de Passo Fundo
  • Bianca Deon Rossato Universidade Federal do Rio Grande do Sul
Palavras-chave: Literatura juvenil, Orgulho e Preconceito, Derivativos, Cultura participatória, Orgulho e Preconceito e Zumbis

Resumo

A profusão de derivativos da obra de Jane Austen e a transformação na relação entre público receptor e a produção cultural mundial são fatos de grande relevância para a literatura juvenil e para jovens. Este artigo visa investigar, através das teses de Henry Jenkins (2006) sobre cultura participatória, e de Teresa Colomer (2003) sobre literatura juvenil, como se dá a recriação da obra Orgulho e preconceito na versão Orgulho e Preconceito e Zumbis (2010) de Seth Grahame-Smith e como tal derivativo pode ser um meio para aproximar os jovens leitores dos clássicos.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Fabiane Verardi Burlamaque, Universidade de Passo Fundo
Doutor em Letras (PUCRS). Professor Titular I da Universidade de Passo Fundo. Professor do Curso de Letras e do Programa de Pós-Graduação em Letras da UPF. Coordenador desde 2011 do PPGL/UPF.
Bianca Deon Rossato, Universidade Federal do Rio Grande do Sul
Doutoranda em Letras UFRGS. Professora do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Sul - IFRS.
Publicado
2014-11-04
Como Citar
Burlamaque, F., & Rossato, B. (2014). Orgulho e Preconceito e Zumbis: Uma versão de Jane Austen para o público juvenil contemporâneo. Via Atlântica, (26), 201-215. https://doi.org/10.11606/va.v0i26.88981
Seção
Dossiê 26: Literatura, cultura e juventude