Casas com rio atrás: Jorge Amado em África

  • Fabiana Carelli Universidade de São Paulo (USP) Departamento de Letras Clássicas e Vernáculas Programa de Pós Graduação em Estudos Comparados de Literaturas de Língua Portuguesa http://orcid.org/0000-0002-2160-9339
Palavras-chave: Jorge Amado, A vida verdadeira de Domingos Xavier, Luandino Vieira, Sambizanga, Sarah Maldoror

Resumo

Citado como modelo por escritores da África de língua portuguesa, diz Tania Macêdo que “[a]o afirmar a singularidade brasileira e ao denunciar as desigualdades locais […], Jorge Amado agiu como um catalizador para os escritores africanos […]” (Macêdo, 2008: 145). Este artigo busca apontar possíveis motivos estéticos, temáticos e políticos para essa reverência ao escritor baiano em África, demonstrando reverberações de seu estilo no romance A vida verdadeira de Domingos Xavier (1961), de Luandino Vieira, e em sua adaptação fílmica Sambizanga (1972), de Sarah Maldoror.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Fabiana Carelli, Universidade de São Paulo (USP) Departamento de Letras Clássicas e Vernáculas Programa de Pós Graduação em Estudos Comparados de Literaturas de Língua Portuguesa
Docente-pesquisadora do Departamento de Letras Clássicas e Vernáculas e do Programa de Pós-Graduação em Estudos Comparados de Literaturas de Língua Portuguesa da Universidade de São Paulo. Doutora em Letras - Teoria Literária e Literatura Comparada pela Universidade de São Paulo. Mestre em Letras - Teoria Literária e Literatura Comparada pela Universidade de São Paulo. Pós-Doutora em Portuguese Studies - Lusophone African Cinema pela University of Minnesota, USA. Coordenadora do GENAM - Grupo de Estudos em Narrativa e Medicina da Universidade de São Paulo. Diretora do Centro de Estudos de Literaturas e Culturas de Língua Portuguesa - CELP-USP.
Publicado
2015-06-21
Como Citar
Carelli, F. (2015). Casas com rio atrás: Jorge Amado em África. Via Atlântica, (27), 112-145. https://doi.org/10.11606/va.v0i27.97299
Seção
Dossiê 27: Literaturas Africanas de Língua Portuguesa e o Pós-Independência