Réquiem: uma alegoria literária do pós-independência

  • Fabiana Miraz de Freitas Grecco UNESP
Palavras-chave: contos, pós-independência, Cabo Verde

Resumo

O obra de Orlanda Amarílis reunida em três livros de contos Cais-do-Sodré té Salamansa, 1975, Ilhéu dos Pássaros, 1982 e A Casa dos Mastros, 1989 não soma todas as narrativas da autora, sendo necessária a busca em antologias e revistas literárias da época para contabilizar sua obra. Um exemplo disso encontra-se no conto Alegoria, versão manuscrita do conto “Réquiem”, publicado em 1982 em Ilhéu dos Pássaros. Trataremos neste artigo da comparação entre a versão manuscrita presente na antologia O Texto Manuscrito, 1975, e a publicada em livro, com a finalidade de discutir a situação da escrita literária do pós-independência proposta pela autora no conto.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Fabiana Miraz de Freitas Grecco, UNESP
Possui graduação em Letras pela Universidade Estadual Paulista (2005) é doutora em Literaturas Comparadas de Língua Portuguesa (2014), tem mestrado em Literatura Comparada Brasil/ África (2010) e especialização em Língua Portuguesa (2009) pela mesma Universidade. Tem experiência na área de Educação, com ênfase em Língua Portuguesa e Literaturas de Língua Portuguesa, atuando principalmente nos seguintes temas: língua portuguesa e literaturas de língua portuguesa.
Publicado
2015-06-21
Como Citar
Grecco, F. (2015). Réquiem: uma alegoria literária do pós-independência. Via Atlântica, (27), 147-161. https://doi.org/10.11606/va.v0i27.98381
Seção
Dossiê 27: Literaturas Africanas de Língua Portuguesa e o Pós-Independência