A hora dos amadores

notas sobre a estética da imperfeição no audiovisual contemporâneo

  • Rodrigo Carreiro Universidade Federal de Pernambuco
Palavras-chave: Amador, Efeito de real, Lo-fi

Resumo

Este artigo descreve e examina algumas influências exercidas nas fases de produção, circulação e recepção da indústria do audiovisual, de tecnologias e práticas de trabalho considerados amadores. Estes novos procedimentos têm desafiado o modo como indivíduos, tecnologias e interfaces não profissionais estão provocando uma mudança do paradigma de clareza e legibilidade que tem constituído a estética hegemônica da indústria do audiovisual. O artigo procura demonstrar alguns aspectos estilísticos do que chamamos de estética da imperfeição, que parece ser uma forte tendência na cultura audiovisual contemporânea.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Rodrigo Carreiro, Universidade Federal de Pernambuco

Professor do Programa de Pós-Graduação em Comunicação e do Bacharelado em Cinema e Audiovisual da Universidade Federal de Pernambuco, onde cursou Mestrado e Doutorado em Comunicação. É jornalista formado na Universidade Católica de Pernambuco. Atualmente pesquisa sobre cinema de horror e sound design.

Referências

BOURDIEU, P. A distinção: crítica social do julgamento. Porto Alegre: Zouk, 2007.

BUHLER, J.; NEUMEYER, D.; DEEMER, R. Hearing the Movies: Music and Sound in Film History. New York: Oxford University Press, 2010.

GAUDREAULT, A.; MARION, P. O fim do cinema? Uma mídia em crise na era digital. Campinas: Papirus, 2016.

HELLER-NICHOLAS, A. Found footage horror films: fear and the appearence of reality. London: McFarland, 2014.

KERINS, M. Beyond Dolby (Digital): Cinema in the digital sound age. Bloomington: Indiana University Press, 2010.

LUCA, T. “Realismo dos sentidos: uma tendência no cinema mundial contemporâneo”. Realismo fantasmagórico (org. Cecília Mello). São Paulo: Pró-Reitoria de Cultura e Extensão Universitária da USP, pp. 61-93, 2015.

SOUZA, J.B.G. Procedimentos de trabalho na captação de som direto nos longas-metragens brasileiros Contra todos e Antônia: a técnica e o espaço criativo. Tese de doutorado. São Paulo: Universidade de São Paulo, 2010.

VIEIRA JR, E. “Por uma exploração sensorial e afetiva do real: esboços sobre a dimensão háptica do cinema contemporâneo”. Realismo fantasmagórico (org. Cecília Mello). São Paulo: Pró-Reitoria de Cultura e Extensão Universitária da USP, pp. 93-113, 2015.

BAECQUE, A. Cinefilia. São Paulo: Cosac & Naify, 2011.

BELLOUR, R. La querelle des dispositifs: Cinéma - Installations, expositions. Paris: P.O.L. Trafic, 2012.

BENJAMIN, W. Passagens. Belo Horizonte: Editora da UFMG, 2006.

BORDWELL, D. Pandora’s Digital Box: Films, Files, and the Future of Movies. Madison, WI: Irvington Way Institute Press, 2012.

CASETTI, F. The Lumière Galaxy: Seven Key Words for the Cinema to Come. New York: Columbia University Press, 2015.

ELLIS, J. Visible Fictions: Cinema, Television, Video. London: Routledge, 1992.

FELDMAN, I. “O apelo realista”. Revista Famecos (Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul), v. 15, n. 36, Porto Alegre, agosto de 2008.

HENNION, A. “Reflexividades: a atividade do amador”. Estudos de Sociologia [revista do Programa de Pós-Graduação em Sociologia da UFPE], Recife, v. 16, n. 1. pp. 33-58, 2010.

ACKER, A.M. O dispositivo do olhar no cinema de horror found footage. Tese de Doutorado em Comunicação e Informação. Porto Alegre: Universidade Federal do Rio Grande do Sul, 218p, 2017.

ANDACHT, F. “Duas variantes na representação do real na cultura midiática: o exorbitante Big Brother Brasil e o circunspecto Edifício Master”. Revista Contemporânea (UFBA), Salvador, v. 3, n. 1, p. 95-122, 2005.

ANDERSON, C. A cauda longa: do mercado de massa para o mercado de nicho. São Paulo: Elsevier, 2006.

BARBUTO, A. “Western spaghetti e o Techniscope”. Revista Universitária do Audiovisual (UFSCar), São Carlos, junho de 2009. Disponível em http://www.rua.ufscar.br/western-spaghetti-e-o-techniscope/. Acesso em 19 de junho de 2016.

BARTHES, R. O rumor da língua. São Paulo: Martins Fontes, 1972.

BRAGANÇA, K.N. Realidade Perturbada: choques corporais, espectros domésticos e a tecnofobia da vigilância no found footage de horror. Tese de Doutorado em Comunicação – Instituto de Artes e Comunicação Social, Universidade Federal Fluminense, Niterói, 2016.

BRASIL, A. “Formas de vida na imagem: da indeterminação à inconstância”. Revista Famecos (Unisinos), v. 17, n. 3, pp. 190-198, Porto Alegre, 2010.

BRASIL, A; MIGLIORIN, César. “Biopolítica do amador: generalização de uma prática, limites de um conceito”. Revista Galáxia, São Paulo, nº 20, p. 84-94, dez 2010.

CÁNEPA, L.L.; FERRARAZ, R. “Fantasmagorias das imagens cotidianas: o estranho e a emulação do registro videográfico doméstico no cinema de horror contemporâneo”. Visualidades hoje (org. André Brasil, Eduardo Morettin, Maurício Lissosvky). Salvador: Edufba, 2013, p. 79-99.

CÁNEPA, L.L.; CARREIRO, R. “Câmera intradiegética e maneirismo em obras de George A. Romero e Brian De Palma”. Revista Contracampo, v. 31, n. 1 , pp. 101-121, ed. dezembro-março 2014. Niterói: Contracampo, 2014.

CONTER, M.B. Lo-fi: música pop em baixa definição. Curitiba: Appris, 2016.

ELSAESSER, T. “Cinema mundial: realismo, evidência, presença”. Realismo fantasmagórico (org. Cecília Mello). São Paulo: Pró-Reitoria de Cultura e Extensão Universitária da USP, pp. 37-61, 2015.

FOUCAULT, M. A Arqueologia do Saber. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2004.

INGLE, Z. “George A. Romero’s Diary of the Dead and the rise of the diegetic camera in recent horror films”. Revista Ol3Media (Università Roma Tre), Ano 4, nº 9, p. 31-36, jan 2011.

KALINAK, K. (org.). Sound: Dialogue, Music, and Effects. New Jersey: Rutgers University Press, 2015.

JENKINS, H. Cultura da convergência. 2ª edição. São Paulo: Aleph, 2009.

KELLNER, D. A cultura da mídia. Bauru: Edusc, 2001.

LEAL, B.S. “As imagens como arquivo do real: reflexões sobre o realismo contemporâneo”. Revista Comunicação Mídia e Consumo (ESPM), São Paulo, v. 9, n. 25, p. 215-230, 2012.

NICHOLS, B. Introdução ao documentário. 6ª edição. Campinas: Papirus, 2016.

ODIN, R. (Org.). Le film de famille: usage privé, usage public. Paris: Méridiens-Klincksieck, 1995.

ROMBES, N. Cinema in the digital age. New York: Columbia University Press, 2006.

SCHOLLHAMMER, K.E. “Realismo afetivo: evocar realismo além da representação”. Estudos de literatura brasileira contemporânea, Rio de Janeiro, n. 39, jan./jun. 2012, pp. 129-148.

SIBILIA, P. O show do eu: a intimidade como espetáculo. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 2008.

TOFFLER, A. A terceira onda: a morte do industrialismo e o nascimento de uma nova civilização. Rio de Janeiro: Record, 1980.

WEST, A. “Caught on tape: the legacy of low-tech reality”. The Spectacle of the Real: from Hollywood to reality TV and beyond (org. Geoff King). Bristol: Intellect, 2005, p. 86-92.

Publicado
2018-12-20
Como Citar
CARREIRO, R. A hora dos amadores. RuMoRes, v. 12, n. 24, p. 153-172, 20 dez. 2018.
Seção
Dossiê