Micro-história italiana e jornalismo em Expectativa de vida: vinte anos e Mães vivas de uma geração morta

Autores

DOI:

https://doi.org/10.11606/issn.1982-677X.rum.2021.169026

Palavras-chave:

Eliane Brum, Micro-história, Jornalismo, O olho da rua

Resumo

O presente artigo é resultado das discussões desenvolvidas na tese intitulada “Brechas da narrativa e profundezas do cotidiano: micro-história italiana e jornalismo em O olho da rua, de Eliane Brum”2. A investigação busca refletir sobre a prática jornalística de Eliane Brum em O olho da rua. O estudo propõe a aproximação entre a metodologia micro-histórica e os pressupostos do jornalismo, visando discutir a presença dos sujeitos comuns nas reportagens Expectativa de vida: vinte anos e Mães vivas de uma geração morta. Para tanto, a pesquisa ancora-se nos estudos de Carlo Ginzburg (2007), Carlo Ginzburg e Poni (1991), Jacques Revel (2010), Giovanni Levi (1992, 2016) e Henrique Espada Lima (2006).

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Francisco Aquinei Timóteo Queirós, Universidade Federal do Acre

Doutor em Ciências da Comunicação pela Universidade do Vale do Rio dos Sinos (Unisinos). Mestre em Letras: Linguagem e Identidade pela Universidade Federal do Acre (Ufac). Professor do Programa de Pós-Graduação em Letras: Linguagem e Identidade e do curso de Jornalismo da Ufac. Líder do grupo de pesquisa Narrativa, Literatura e Jornalismo (Nalijor). Editor da revista Tropos: Comunicação, Sociedade e Cultura.

Referências

BRUM, E. A vida que ninguém vê. Porto Alegre: Arquipélago Editorial, 2006.

BRUM, E. O olho da rua: uma repórter em busca da literatura da vida real. São Paulo: Globo, 2008.

BHABHA, H. K. O local da cultura. Tradução de Myriam Ávila, Eliana Lourenço de Lima Reis e Gláucia Renate Gonçalves. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2013.

GINZBURG, C. O fio e os rastros: verdadeiro, falso, fictício. Tradução de Rosa Freire d’Aguiar e Eduardo Brandão. São Paulo: Companhia das Letras, 2007.

GINZBURG, C.; PONI, C. O nome e o como: troca desigual e mercado historiográfico. In: GINZBURG, C.; PONI, C.; CASTELNUOVO, E. (org.). A micro-história e outros ensaios. Tradução de António Narino. Rio de Janeiro: Difel-Bertrand Brasil, 1991. p. 169-178.

LEVI, G. 30 anos depois: repensando a micro-história. In: VENDRAME, M. I.; KARSBURG, A.; MOREIRA, P. R. S. Ensaios de micro-história: trajetória e imigração. São Leopoldo: Oikos, 2016. p. 18-31.

LEVI, G. Sobre a micro-história. In: BURKE, P. (org.). A escrita da história: novas perspectivas. São Paulo: Editora Unesp, 1992. p. 133-161.

LIMA, H. E. A micro-história: escalas, indícios e singularidades. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2006.

MORETZSOHN, S. Pensando contra os fatos: jornalismo e cotidiano – do senso comum ao senso crítico. Rio de Janeiro: Revan, 2007.

QUEIRÓS, F. A. T. Brechas da narrativa e profundezas do cotidiano: micro-história italiana e jornalismo em O olho da rua, de Eliane Brum. 2020. Tese (Doutorado em Ciências da Comunicação) – Universidade do Vale do Rio dos Sinos, Vale do Rio dos Sinos, 2020.

REVEL, J. Micro-História, macro-história: o que as variações de escala ajudam a pensar em um mundo globalizado. Revista Brasileira de Educação, Rio de Janeiro, v. 15, n. 45, p. 434-444, 2010. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/rbedu/v15n45/03.pdf. Acesso em: 20 jan. 2018.

SACRAMENTO, I. A biografia do ponto de vista comunicacional. Revista Matrizes, São Paulo, v. 8, n. 2, p. 153-173, 2014. Disponível em: https://doi.org/10.11606/issn.1982-8160.v8i2p153-173. Acesso em: 29 mar. 2017.

SANTOS, A. C. A contribuição da micro-história para o campo da comunicação: uma abordagem historiográfica a partir da trajetória de homens comuns. In: CONGRESSO BRASILEIRO DE CIÊNCIAS DA COMUNICAÇÃO, 38., 2014, Foz do Iguaçu. Anais […]. Foz do Iguaçu, 2014. Disponível em: http://www.intercom.org.br/papers/nacionais/2014/resumos/R9-2443-1.pdf. Acesso em: 19 fev. 2019.

SANTOS, B. S. Para além do pensamento abissal: das linhas globais a uma ecologia de saberes. In: SANTOS, B. S.; MENESES, M. P. (org.). Epistemologias do Sul. São Paulo: Cortez, 2010. p. 31-83.

VENTURA, M. S.; ABIB, T. A. Sensibilidade, dialogia e afetos no jornalismo: articulações para a ampliação do horizonte de compreensão do Outro. Razón y Palabra, Quito, v. 20, n. 2-93, p. 333-345, 2016. Disponível em: https://www.revistarazonypalabra.org/index.php/ryp/article/view/21. Acesso em: 15 jul. 2017.

Downloads

Publicado

2021-08-02

Como Citar

QUEIRÓS, F. A. T. Micro-história italiana e jornalismo em Expectativa de vida: vinte anos e Mães vivas de uma geração morta. RuMoRes, [S. l.], v. 15, n. 29, p. 235-256, 2021. DOI: 10.11606/issn.1982-677X.rum.2021.169026. Disponível em: https://www.revistas.usp.br/Rumores/article/view/169026. Acesso em: 29 nov. 2021.

Edição

Seção

Artigos