Maldito bem dito, Bendito mal dito: construções discursivas a partir da trajetória de Itamar Assumpção

Autores

  • Larissa Caldeira Universidade Federal da Bahia
  • Jorge Cardoso Filho Universidade Federal do Recôncavo da Bahia

DOI:

https://doi.org/10.11606/issn.1982-677X.rum.2021.173055

Palavras-chave:

Maldito, Crítica, Formações discursivas, Disputas, Contextualização radical

Resumo

Este artigo analisa as disputas valorativas estabelecidas nas críticas culturais brasileiras acerca da noção de “maldito”, tendo como ponto de partida a carreira musical de Itamar Assumpção, levando em conta os processos de contextualização radical (GROSSBERG, 2010) e as formações discursivas (FOUCAULT, 1987) da crítica cultural. Considerando as nuances e as complexidades do sentido do termo “maldito” a partir das experiências e expectativas, conforme Koselleck (2006), como uma tentativa de demonstrar a emergência de valores e valorações, discursos e sensibilidades, e relações de poder diante dos regimes de verdade, é possível notar como as articulações estético-políticas do termo se reorganizam em função de temporalidades e historicidades.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Larissa Caldeira, Universidade Federal da Bahia

Jornalista graduada na Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia (UESB). Mestra e Doutoranda em Comunicação e Cultura contemporânea no PósCom UFBA.

Jorge Cardoso Filho, Universidade Federal do Recôncavo da Bahia

Docente do Centro de Artes, Humanidades e Letras da Universidade Federal do Recôncavo da Bahia, onde leciona em cursos de graduação e pós-graduação. Professor permanente do Programa de Pós-Graduação em Comuncação da Universidade Federal da Bahia.

Referências

“ARTISTAS malditos não existem mais”, diz curados de colóquio da USP sobre o tema. Folha de S. Paulo, São Paulo, 22 maio 2013. Disponível em: https://www1.folha.uol.com.br/ilustrada/2013/05/1282406-artistas-malditos-nao-existem-mais-diz-curador-de-coloquio-da-usp-sobre-o-tema.shtml. Acesso em: 20 jun. 2019.

ASSUMPÇÃO, I. Antônio Abujamra entrevista Itamar Assumpção. [Entrevista cedida a Antônio Abujamra]. Programa Provocações, TV Cultura, São Paulo, 2001. Disponível em: https://www.youtube.com/watch?v=TC_2dOZE2Kc. Acesso em: 10 set. 2018.

CALDEIRA, L. Estudando Tom Zé: crítica musical e o estético-político. 2018. Dissertação (Mestrado em Comunicação e Cultura Contemporânea) – Faculdade de Comunicação, Universidade Federal da Bahia, Salvador, 2018.

CALDEIRA, L.; FARIAS, D. Disputas valorativas de críticos e fãs a partir das trajetórias de Jards Macalé e Elza Soares. In: ENECULT – ENCONTRO MULTIDISCIPLINARES EM CULTURA, 15., 2019, Salvador. Anais […]. Salvador: UFBA, 2019. Disponível em: http://www.enecult.ufba.br/modulos/submissao/Upload-484/111802.pdf. Acesso em: 15 ago. 2019.

CARDOSO FILHO, J.; JANOTTI JÚNIOR, J. A música popular massiva, o mainstream e o underground: trajetórias e caminhos da música na cultura midiática. In: CONGRESSO BRASILEIRO DE CIÊNCIAS DA COMUNICAÇÃO, 29., 2006, Brasília, DF. Anais […]. Brasília, DF: Intercom, 2006.

GROSSBERG, L. Cultural studies in the future tense. Durhan: Duke University Press, 2010.

GROSSBERG, L. Dancing in Spite of Myself. Duke University Press, 1997.

GROSSBERG, L. Lutando com anjos: os estudos culturais em tempos sombrios. MATRIZes, São Paulo, v. 9, p. 13-46, 2015.

FERRAZ, I. Música como missão: experiência e expressão em Itamar Assumpção. 2013. Dissertação (Mestrado em Filosofia) – Escola de Filosofia, Letras e Ciências Humanas, Universidade Federal de São Paulo, Guarulhos, 2013.

FOUCAULT, M. A ordem do discurso. São Paulo: Loyola, 2014.

FOUCAULT, M. A arqueologia do saber. Rio de Janeiro: Forense, 1987.

FOUCAULT, M. A arqueologia do saber. Tradução de Luiz Felipe Baeta Neves, 7. ed. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2008.

HARTOG, F. Regimes de historicidade: presentismo e experiências do tempo. Belo Horizonte: Autêntica, 2019.

HOFFMANN, B. Itamar Assumpção: maldito, não. Revolucionário. Bruno Hoffmann, Brasil, 2014. Disponível em: https://brunohoffmann.wordpress.com/2014/08/05/maldito-nao-revolucionario/. Acesso em: 7 maio 2019.

KALIK, A. Benedito João dos Santos Siva Beleléu, Vulgo Nego Dito, maldito bendito, Itamar. Çaravá, Brasil, 2017. Disponível em: https://caravaculture.wordpress.com/2015/09/02/benedito-joao-dos-santos-siva-beleleu-vulgo-nego-dito-maldito-bendito-itamar/. Acesso em: 27 jun. 2019.

KOSELLECK, R. Futuro passado: contribuição à semântica dos tempos históricos. Rio de Janeiro: Contraponto, 2006.

NEGO Dito Cascavé já não é mal-dito. Folha de S.Paulo, São Paulo, 20 dez. 1989.

RIBEIRO, A. P. G.; LEAL, B. S.; GOMES, I. M. M. A historicidade dos processos comunicacionais: elementos para uma abordagem. In: MUSSE, C. F.; VARGAS, H.; NICOLAU, M. (ed.). Comunicação, mídias e temporalidades. Salvador: Edufba, 2017. p. 37-58.

ROCHA, C. O obscuro músico que influenciou Alceu Valença e Fagner. Jornal Nexo, São Paulo, 2019. Disponível em: https://www.nexojornal.com.br/expresso/2019/08/21/O-obscuro-m%C3%Basico-que-influenciou-Alceu-Valen%C3%A7a-e-Fagner. Acesso em: 20 ago. 2019.

SANCHES, P. A. Artistas têm fama de "difíceis e exigentes". Folha de S. Paulo, São Paulo, 25 abr. 1995. Disponível em: https://www1.folha.uol.com.br/fsp/1995/4/25/ilustrada/7.html. Acesso em: 13 set. 2018.

STROUD, S. Música popular brasileira experimental: Itamar Assumpção, a vanguarda paulista e a tropicália. Revista USP, São Paulo, n. 87, p. 86-97, 2010.

TYRANNUS MELANCHOLICUS. A gente nunca sabe o que. Tyrannus Melancholicus, Cuiabá, 2019. Disponível em: http://www.tyrannusmelancholicus.com.br/cronicas/1274/a-gente-nunca-sabe-o-que. Acesso em: 15 jul. 2019.

VANGUARDA PAULISTA. Bendito Itamar!. Vanguarda Paulista, São Paulo, 2013. Disponível em: http://www.vanguardapaulista.com.br/bendito-itamar/. Acesso em: 7 maio 2019.

VIVAS, F. Os poetas malditos e sua influência no século XX. Esquerda Diário, [s. l.], 24 mar. 2015. Disponível em: https://www.esquerdadiario.com.br/Os-poetas-malditos-e-sua-influencia-no-seculo-XX. Acesso em: 27 jun. 2019.

WILLIAMS, R. Marxismo e literatura. Tradução de Waltensir Dutra. Rio de Janeiro: Zahar, 1979.

Downloads

Publicado

2021-08-02

Como Citar

CALDEIRA, L.; CARDOSO FILHO, J. Maldito bem dito, Bendito mal dito: construções discursivas a partir da trajetória de Itamar Assumpção. RuMoRes, [S. l.], v. 15, n. 29, p. 373-400, 2021. DOI: 10.11606/issn.1982-677X.rum.2021.173055. Disponível em: https://www.revistas.usp.br/Rumores/article/view/173055. Acesso em: 23 out. 2021.

Edição

Seção

Artigos