Crítica contemporânea da telenovela brasileira

Autores

DOI:

https://doi.org/10.11606/issn.1982-677X.rum.2020.174425

Palavras-chave:

Telenovela, Crítica, Circulação de sentidos, Críticos

Resumo

O presente artigo analisa a crítica de telenovela realizada e veiculada no ambiente digital dos anos de 2012 a 2018, a partir do estudo dos críticos Maurício Stycer e Cristina Padiglione. Nosso objetivo principal é apreender a função dessa crítica de telenovela contemporânea, compreendendo suas características no cenário brasileiro e sua circulação de sentidos. Para isso, analisamos as críticas e entrevistas desses profissionais, entrevendo seus processos de escrita, repertórios e tipos de avaliações. Os resultados mostram que essa crítica atual privilegia análises de caráter estético, reflexões sobre as características da telenovela brasileira e o próprio lugar da crítica; bem como uma pauta de valores, em que emergem os elementos políticos e uma demanda para questões sociais apresentadas nas ficções, evidenciando uma crítica que incide e dialoga com as questões da sociedade.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Mariana Marques de Lima, Universidade de São Paulo

Doutora em Ciências da Comunicação pela Escola de Comunicação e Artes da Universidade de São Paulo. Pesquisadora do Centro de Estudos de Telenovela (CETVN/USP) e da rede de pesquisadores do Observatório Ibero-americano de Ficção Televisiva (Obitel).

Maria Immacolata Vassallo de Lopes, Universidade de São Paulo

Professora Titular sênior da Escola de Comunicações e Artes da Universidade de São Paulo.

Referências

BACCEGA, M. A. Crítica de televisão: aproximações. In: MARTINS, M. H. (org.). Outras leituras: literatura, televisão, jornalismo de arte e cultura, linguagens interagentes. São Paulo: Instituto Cultural Itaú, 2000.

BENJAMIN, W. Linguagem, tradução, literatura (filosofia, teoria e crítica). Belo Horizonte: Autêntica, 2018.

BOURDIEU, P. Gostos de classe e estilos de vida. In: ORTIZ, R. (org.). Pierre Bourdieu: sociologia. São Paulo: Ática, 1993.

BARDIN, L. Análise de conteúdo. São Paulo: Edições 70, 2011.

CANDIDO, A. Literatura e sociedade: estudos de teoria e história literária. 3ª. ed. São Paulo: Editora Nacional, 1973.

CASTRO, É. G. A aprendizagem da crítica: literatura e história em Walter Benjamin e Antonio Candido. São Paulo: Fapesp/Intermeios, 2014.

CHARAUDEAU, P. Discurso das mídias. São Paulo: Contexto, 2006.

ECO, U. Lector in fabula. São Paulo: Perspectiva, 2002.

GOMES, M. Ao abrigo dos discursos circulantes. Revista Rumores, ano 6, n. 2, jul.-dez. 2012. Disponível em: https://doi.org/10.11606/issn.1982-677X.rum.2012.55290.

JOST, F. Seis lições sobre a televisão. Porto Alegre: Sulina, 2004.

LOPES, M. I. V. “Telenovela como recurso comunicativo”. Matrizes v. 3, n. 1, p. 21–47, 2009.

LOPES, M. I. V. A teoria barberiana da comunicação. Revista Matrizes, v. 13, n. 1, 2018.

LOPES, M. I. V. Pesquisa em comunicação. 8ª. ed. São Paulo, Loyola, 2005.

MARTÍN-BARBERO, J. 7ª. ed. Dos meios às mediações: comunicação, cultura e hegemonia. Rio de Janeiro: UFRJ, 2015.

MARTÍN-BARBERO, J. Dos meios às mediações: três introduções. Revista Matrizes, v. 13, n. 1, 2018.

PALLOTTINI, R. Dramaturgia de televisão. São Paulo: Moderna, 1998.

RYAN, M. L. Story/Worlds/media: turning the instruments of a mediaconscious narratology. In: RYAN, M. L.; THON, J. Storyworlds across media. Lincoln/London: University Nebraska Press, 2014.

SARTRE, J.-P. O que é a subjetividade? Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 2015.

STYCER, M. Adeus, controle remoto: uma crônica do fim da TV como a conhecemos. São Paulo: Arquipélago, 2016.

VERÓN, E. La semiosis social: fragmentos de uma teoria de la discursividad. Argentina: Gedisa, 1987.

Downloads

Publicado

2020-12-21

Como Citar

LIMA, M. M. de .; LOPES, M. I. V. de. Crítica contemporânea da telenovela brasileira. RuMoRes, [S. l.], v. 14, n. 28, p. 21-45, 2020. DOI: 10.11606/issn.1982-677X.rum.2020.174425. Disponível em: https://www.revistas.usp.br/Rumores/article/view/174425. Acesso em: 20 abr. 2021.

Edição

Seção

Dossiê