Estar no lugar de alguém: um processo de negociação entre espectador e personagem a partir da “experiencialidade”

Autores

  • Regiane Regina Ribeiro Universidade Federal do Paraná
  • Valquiria Michela John Universidade Federal do Paraná

DOI:

https://doi.org/10.11606/issn.1982-677X.rum.2020.174430

Palavras-chave:

Ficção seriada, Experiencialidade, Experiência estética, Personagem, Consumo midiático

Resumo

O artigo em questão discute o processo de produção de sentido em que se desloca a atenção para os personagens na ficção seriada. O argumento defendido é de que as séries tendem a elaborar um jogo para o receptor que, mesmo imerso em um enredo, é supervalorizado. Assim, o que se pretende apresentar como hipótese é que, na narrativa das séries, a centralidade do enredo é enfraquecida em função do processo de negociação pela audiência que, a partir da “experiencialidade”, coloca-se no jogo de repetir a trajetória de alguém. Tais argumentações pretendem responder a seguinte questão: o consumo das séries é uma tentativa de experiência estética relacionada mais a um convite de vivenciar no presente o lugar do personagem do que o de ser conduzido pela narrativa na qual já se prevê os acontecimentos? Parte-se de uma discussão teórica sobre o crescimento do consumo de ficção seriada, a estrutura desse texto narrativo e a relação entre esse tipo de consumo e a experiência estética, ou seja, um modo específico de temporalidade e de fruição, nas quais o receptor está implicado.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Regiane Regina Ribeiro, Universidade Federal do Paraná

Doutora e mestra em Comunicação e Semiótica (PUC-SP). Docente do Programa de Pós-Graduação em Comunicação da Universidade Federal do Paraná e dos cursos de graduação do Decom/UFPR. Líder do Grupo de Pesquisa NEFICS – Núcleo de Estudos em Ficção Seriada (PPGCOM/UFPR).

Valquiria Michela John, Universidade Federal do Paraná

Doutora em Comunicação e Informação pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS). Docente do Programa de Pós-Graduação em Comunicação da Universidade Federal do Paraná e dos cursos de graduação do Decom/UFPR. Pesquisadora do grupo Nefics e da Rede Obitel Brasil de Pesquisadores de Ficção Televisiva.

Referências

Referências

ARISTÓTELES. Poética. São Paulo: Nova Cultural, 2000 (Coleção Os pensadores).

BALOGH, A. M. O discurso ficcional na TV: sedução e sonho em doses homeopáticas. São Paulo: Edusp, 2002

BENJAMIN, W. A obra de arte na época de sua reprodutibilidade técnica. In: Benjamin, W. Obras escolhidas: Magia e Técnica, arte e política. São Paulo: Brasiliense, 1986.

BENJAMIN, W. Magia e técnica, arte e política: ensaio sobre literatura e história da cultura. In: Benjamin, W. Obras escolhidas. Vol. I). São Paulo: Brasiliense, 2012.

CÂNDIDO, A. A personagem do romance. In: CÂNDIDO, A. et al. A personagem de ficção. 12ª. ed. São Paulo: Perspectiva, 2007.

CARR, N. The Shalow. What the Internet is Doing to Our Brains. New York: W. W. Norton & Company, 2010.

ESQUENAZI, J.-P. As séries televisivas. Lisboa: Texto & Grafia, 2011.

FEUER, J. Genre study and television. In: ALLEN, R. (ed.), Channels of discourse, reassembled: television and contemporary criticism. London: Routledge. 1992.

FISKE, J. Television culture. London: Routledge, 1987.

FOSTER, E. M. Aspectos do romance. 2ª. ed. Porto Alegre: Globo, 1974.

GARCÍA RIVERA, Gloria. Diccionario Digital de Nuevas Formas de Lectura y Escritura. Disponível em: http://dinle.usal.es/searchword.php?valor=Sensorium%20audiovisual%20y%20j%C3%B3venes.

HAMBURGER, K. A lógica da criação literária. São Paulo: Perspectiva, 1986.

JOST, F. Do que as séries americanas são sintoma? Porto Alegre: Sulina, 2012.

MARTÍN BARBERO, J.; REY, G. Os exercícios do ver: hegemonia audiovisual e ficção televisiva. São Paulo: Senac, 2001.

MARTÍN-BARBERO, J. Dos meios às mediações: comunicação, cultura e hegemonia. 2ª. ed. Rio de Janeiro: UFRJ, 1999.

MITTEL, J. Genre and television. Londres; Nova Iorque: Routledge, 2004.

MUNGIOLI, M. C. P. Gêneros televisuais e discurso: enunciação, ficcionalidade e interação na série Norma. Comunicação, mídia e consumo, vol. 9 n. 24, maio de 2012. Disponível em: http://revistacmc.espm.br/index.php/revistacmc/article/view/238.

OLIVEIRA, B. B. O personagem de ficção no mundo digital. Revista Viso, n. 17, jul.-dez. 2015.

OLIVEIRA, B. B. As narrativas seriadas e a experiência contemporânea. Revista O que nos faz pensar, n. 36, 2015.

OLIVEIRA, M. K. Vygotsky aprendizado e desenvolvimento: um processo sócio-histórico. São Paulo: Scipione, 1999.

SILVA, M. V. B. Cultura das séries: forma, contexto e consumo de ficção seriada na contemporaneidade. Galáxia, n. 56, 2014.

Filmografia

The passages of Walter Benjamin. A documentary film. 55min. 2014. WECHSLER, Judith (escritora, diretora e produtora); O’CONOR, Erika Volchan (editora). Publicado na plataforma on-line de vídeos YouTube em 24 fev. 2014. Disponível em: https://www.youtube.com/watch?v=rsbzzMRdIBg. Acesso em: 3 set. 2015.

Downloads

Publicado

2020-12-21

Como Citar

RIBEIRO, R. R.; JOHN, V. M. Estar no lugar de alguém: um processo de negociação entre espectador e personagem a partir da “experiencialidade”. RuMoRes, [S. l.], v. 14, n. 28, p. 223-244, 2020. DOI: 10.11606/issn.1982-677X.rum.2020.174430. Disponível em: https://www.revistas.usp.br/Rumores/article/view/174430. Acesso em: 20 abr. 2021.

Edição

Seção

Dossiê