Memória, poder e verdades: disputas de sentidos no acionamento do memorável no caso do Fundão

Autores

DOI:

https://doi.org/10.11606/issn.1982-677X.rum.2021.181076

Palavras-chave:

Memória, Poder, Verdade

Resumo

Este artigo busca estudar narrativas do jornal A Sirene e dos vídeos de storytelling, da Fundação Renova, no contexto de discursos que circularam após o rompimento da Barragem do Fundão, Minas Gerais, em 2015. Polarizados e antagônicos, tais movimentos discursivos oportunizam a reflexão sobre a memória como disputa de sentidos, ou seja, exemplificam o jogo da memória como um jogo de poder e de luta pela afirmação de verdades. O embasamento teórico convocou noções como poder e verdade; a revisão crítica da noção de memória coletiva; os tensionamentos entre lembrar e esquecer e testemunho. Nossa abordagem empírica se valeu da análise de conteúdo, por meio da qual se perscrutou as textualidades mencionadas, buscando entender como tais dispositivos mobilizam suas forças, táticas e competências discursivas e linguageiras para, na atualidade, acionar fatos passados – o memorável – mas nele também construir a memória por vir.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Mozahir Salomão Bruck, Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais

Mozahir Salomão Bruck, PUC Minas,

Herom Vargas, Universidade Metodista de São Paulo

Herom Vargas, Doutor em Comunicação e Semiótica pela PUC-SP. Docente pesquisador do Programa de Pós-graduação em Comunicação Social da UMESP. 

Jeane Moreira, Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais

Jeane Moreira, Mestre em Comunicação Social pelo PPGCOM da PUC Minas (MG). 

Referências

A SIRENE. Mariana: Atingidos pela Barragem de Fundão: Arquidiocese de Mariana, jun. 2016a. Disponível em: https://issuu.com/jornalasirene/docs/a_sirene_ed3_junho_issuu Acesso em: 28 dez. 2020.

A SIRENE. Mariana: Atingidos pela Barragem de Fundão: Arquidiocese de Mariana, out. 2016b. Disponível em: https://issuu.com/jornalasirene/docs/sireneoutubro_issu Acesso em: 14 jan. 2019.

A SIRENE. Mariana: Atingidos pela Barragem de Fundão: Arquidiocese de Mariana, nov. 2017. Disponível em: https://issuu.com/jornalasirene/docs/a_sirene_-_ed.20 Acesso em: 14 jan. 2019.

A SIRENE. Mariana: Atingidos pela Barragem de Fundão: Arquidiocese de Mariana, fev. 2018. Disponível em: https://issuu.com/jornalasirene/docs/jornal_a_sirene_-_ed.23_-_2_anos Acesso em: 28 dez. 2019.

A SIRENE. Mariana: Atingidos pela Barragem de Fundão: Arquidiocese de Mariana, jan. 2019a. Disponível em: https://issuu.com/jornalasirene/docs/janeiro_2019_issuuAcesso em: 14 jan. 2019.

A SIRENE. Mariana: Atingidos pela Barragem de Fundão: Arquidiocese de Mariana, nov. 2019b. Disponível em: https://issuu.com/jornalasirene/docs/edi__o_43_novembro_issuu Acesso em: 28 dez 2019.

BARDIN, L. Análise de conteúdo. Lisboa: Edições 70, 2009.

BAUER, M. W.; GASKELL, G. Pesquisa qualitativa com texto, imagem e som. Petrópolis, Vozes, 2013.

BOSI, E. Memória: enraizar-se é um direito fundamental do ser humano. [Entrevista concedida a] Mozahir Salomão Bruck. Dispositiva. Belo Horizonte, n. 2, p. 196-199, 2012.

BRUCK, M. S.; VARGAS, H. Narrativas da memória como dispositivo: A Sirene e a luta contra o esquecimento da tragédia do Fundão. In: ENCONTRO ANUAL DA COMPÓS, 28., 2019, Porto Alegre. Anais […]. Brasília: Associação Nacional dos Programas de Pós-Graduação em Comunicação, 2019. Disponível em: http://www.compos.org.br/biblioteca/trabalhos_arquivo_YZ7MREBGAH4G9X81HM5F_28_7291_12_02_2019_01_12_06.pdf Acesso em: 30 jan. 2020.

DELEUZE, G. O que é o dispositivo?. In: DELEUZE, G. O mistério de Ariana. Lisboa: Vega, 2005, p. 81-96.

FERRARA, L. D’A. A estratégia empírica na comunicação. In: BRAGA, J. L. et al. Pesquisa empírica em comunicação. São Paulo, Paulus, 2010. p. 51-69.

FONSECA JÚNIOR, W. C. Análise de conteúdo. In: DUARTE, J.; BARROS, A. Métodos e técnicas de pesquisa em Comunicação. São Paulo: Atlas, 2014. p. 280-304.

FOUCAULT, M. Microfísica do poder. 23. ed. São Paulo: Graal, 2007.

FOUCAULT, M. Dits et écrits II 1976-1988. Paris: Gallimard, 2001.

FUNDAÇÃO RENOVA. Histórias no caminho da reparação. Belo Horizonte: Fundação Renova, 2019. Disponível em: www.caminhodareparacao.org/categoria/historias/ Acesso em: 14 jan. 2019.

HALBWACHS, M. A memória coletiva. São Paulo: Vértice,1990.

HUYSSEN, A. Culturas do passado-presente: modernismos, artes visuais, políticas da memória. Rio de Janeiro: Contraponto, 2014.

LOTMAN, I. M. La semiosfera II: semiótica de la cultura, del texto, de la conducta y del espacio. Madrid: Ediciones Cátedra, 1998.

MOREIRA, J. Narrativas testemunhais nas organizações: um estudo sobre os discursos de reparação da Fundação Renova no caso do rompimento da barragem de Mariana (MG). In: BRUCK, M. S; OLIVEIRA, M. E.; MORAIS, J. M. (org.). Testemunhas e testemunhos do contemporâneo. Belo Horizonte: PUC-MG, 2019. p. 24-37.

NAMER, G. Affectivité et temporalité de la mémoire. L’Homme et la société, Paris, n. 90, p. 9-14, 1988.

NAMER, G. Mémoire et Société. Paris: Méridiens Klincksieck, 1987.

NATALI, M. P. A política da nostalgia. São Paulo: Nakim, 2006.

PERALTA, E. Abordagens teóricas ao estudo da memória social: uma resenha crítica. Arquivos da Memória, Lisboa, n. 2, p. 21-37, 2007.

PIERRON, J.-P. Transmissão: uma filosofia do testemunho. São Paulo: Loyola, 2010.

POLLAK, M. Memória e identidade social. Estudos Históricos, Rio de Janeiro, v. 5, n. 10, p. 200-212, 1992.

Downloads

Publicado

2021-08-02

Como Citar

BRUCK, M. S.; VARGAS, H.; MOREIRA, J. Memória, poder e verdades: disputas de sentidos no acionamento do memorável no caso do Fundão. RuMoRes, [S. l.], v. 15, n. 29, p. 59-87, 2021. DOI: 10.11606/issn.1982-677X.rum.2021.181076. Disponível em: https://www.revistas.usp.br/Rumores/article/view/181076. Acesso em: 23 out. 2021.

Edição

Seção

Dossiê