Mídia e memória da ditadura brasileira: a história e os usos políticos do passado

Autores

  • Ana Paula Goulart Ribeiro Universidade Federal do Rio de Janeiro
  • Rachel Bertol Universidade Federal Fluminense

DOI:

https://doi.org/10.11606/issn.1982-677X.rum.2021.181756

Palavras-chave:

Memória, Mídia, Ditadura militar

Resumo

O objetivo do artigo é discutir até que ponto a sociedade brasileira se encontra em um novo momento de debates e controvérsias sobre a ditadura militar, levando-se em conta aportes dos estudos de memória e sua relação com as mídias. Esse processo teria começado a se tornar mais evidente desde o impeachment de Dilma Rousseff em 2016, e os primeiros meses da pandemia de Covid-19 seriam um momento de inflexão e intensificação desse curso. Sugerimos que há configurações midiáticas específicas que teriam contribuído para o silenciamento dessa questão na sociedade ao longo de muitos anos e, agora, sua retomada. Destaca-se o fato de que o processo recente foi iniciado em grande parte nos segmentos de extrema-direita.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Ana Paula Goulart Ribeiro, Universidade Federal do Rio de Janeiro

Professora da Escola de Comunicação e do Programa de Pós-Graduação em Comunicação e Cultura da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ).

Rachel Bertol, Universidade Federal Fluminense

Professora adjunta do Departamento de Comunicação da Universidade Federal Fluminense (UFF) e do Programa de Pós-Graduação em Mídia e Cotidiano (PPGMC-UFF). Doutora em Comunicação e Cultura pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ).

Referências

APOIO editorial ao golpe de 64 foi um erro. O Globo, Rio de Janeiro, 31 ago. 2013. Disponível em: https://glo.bo/3eIPivB. Acesso em: 6 set. 2020.

BRASIL. Lei nº 9.140, de 4 de dezembro de 1995. Reconhece como mortas pessoas desaparecidas em razão de participação, ou acusação de participação, em atividades políticas, no período de 02/09/1961 a 15/08/1979, e dá outras providências. Diário Oficial da União, Brasília, DF, 5 dez. 1995. Disponível em: https://bit.ly/3wAzh0r. Acesso em: 12 jul. 2021.

CAMPOS, J. P. Doze vezes em que Bolsonaro e seus filhos exaltaram e acenaram à ditadura. Veja, São Paulo, 4 nov. 2019. Disponível em: https://bit.ly/3ybnass. Acesso em: 4 jun. 2020.

DIAS, A. B. O presente da memória: usos do passado e as (re)construções de identidade identidade da Folha de S.Paulo, entre o “golpe de 1964” e a “ditabranda”. São Paulo: Paco, 2014.

DILMA instala Comissão da Verdade e nega revanchismo. Veja, São Paulo, 16 maio 2021. Disponível em: https://bit.ly/3wCtiIl. Acesso em: 12 jul. 2021.

EVELIN, G. A tal consolidação da democracia é história da carochinha. Entrevistado: Daniel Aarão Reis. Época, Rio de Janeiro, 30 mar. 2014. Disponível em: https://glo.bo/3w7yrZf. Acesso em: 7 set. 2020.

FIGUEIREDO, J.; FREITAS, G. Juan Gelman. Voz da memória. O Globo, Rio de Janeiro, 16 jan. 2014.

FRANCO, B. M. Bolsonaro virou refém da gripezinha. O Globo, Rio de Janeiro, 9 jun. 2020. Disponível em: https://glo.bo/3w4NLp8. Acesso em: 7 set. 2020.

KEIGHTLEY, E.; PICKERING, M. The mnemonic imagination: remembering as creative practice. Londres: Palgrave Macmillan, 2012.

KUSHNIR, B. Cães de guarda: jornalistas e censores, do AI-5 à Constituição de 1988. São Paulo: Boitempo, 2004.

MARQUES, A. Bolsonaro fez apologia de crime na votação do impeachment, diz OAB. Folha de S.Paulo, São Paulo, 17 abr. 2016. Disponível em: https://bit.ly/2UI7KwN. Acesso em: 12 jul. 2021.

LEDOUX, S. Le devoir de mémoire : une formule et son histoire. Paris: CNRS Editions, 2016.

LE GOFF, J. História e memória.3ª ed. Campinas: Editora Unicamp, 2003.

REIS, D. A. A ditadura faz cinquenta anos: história e cultura política nacional-estatista. In: REIS, D. A.; RIDENTI, M.; MOTTA, R. P. S. (org.). A ditadura que mudou o Brasil: 50 anos do golpe de 1964. Rio de Janeiro: Zahar, 2014. p. 13-53.

RIBEIRO, A. P. G. Imprensa e história no Rio de Janeiro dos anos 1950. Rio de Janeiro: E-papers, 2007.

RIBEIRO, A. P. G. et al. Mundos ficcionais e representação da política: a ditadura militar nas séries da Globo. In: LOPES, M. I. V. (org.). A construção de mundos na ficção televisiva brasileira. Porto Alegre: Sulina, 2019. p. 3-223.

SANTOS JUNIOR, M. A. #VaipraCuba!: a gênese das redes de direita no Facebook. Curitiba: Appris, 2019.

SARLO, B. Tempo presente: notas sobre a mudança de uma cultura. Rio de Janeiro: José Olympio, 2005.

SOARES, J. “E você acredita em Comissão da Verdade?”, questiona Bolsonaro sobre crimes da ditadura. O Globo, Rio de Janeiro, 30 jul. 2019. Disponível em: https://glo.bo/3i4ACak. Acesso em: 12 jul. 2021.

TODOROV, T. Les abus de la mémoire. Paris: Arléa, 1995.

Downloads

Publicado

2021-08-02

Como Citar

RIBEIRO, A. P. G.; BERTOL, R. Mídia e memória da ditadura brasileira: a história e os usos políticos do passado. RuMoRes, [S. l.], v. 15, n. 29, p. 16-37, 2021. DOI: 10.11606/issn.1982-677X.rum.2021.181756. Disponível em: https://www.revistas.usp.br/Rumores/article/view/181756. Acesso em: 23 out. 2021.

Edição

Seção

Dossiê