Oferta de produção audiovisual durante a pandemia de Covid-19: estratégias e adaptações da Rede Globo e Netflix

Autores

DOI:

https://doi.org/10.11606/issn.1982-677X.rum.2021.185187

Palavras-chave:

Programação televisiva, Rede Globo, Streaming, Netflix, Pandemia

Resumo

Este artigo busca compreender os reflexos das restrições da pandemia de Covid-19 na oferta de produtos audiovisuais de duas importantes janelas de conteúdo no Brasil em 2020 – a Rede Globo, emissora generalista de maior audiência, e a Netflix, plataforma de streaming com maior base de assinantes. A partir de pesquisa exploratória e qualitativa, e do estudo da grade de programação e do catálogo dos respectivos objetos em análise, verificou-se que os impactos provocados pelo isolamento social fizeram-se mais evidentes na Rede Globo do que na Netflix. Na televisão, a pandemia gerou a necessidade de descentralização da produção, alterações na grade e adaptações nos formatos para seguir oferecendo uma programação inédita. Já na Netflix, percebeu-se o aumento da oferta, apesar de atrasos em dublagens e em algumas produções.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Mônica de Fátima Rodrigues Nunes Vieira, Universidade de São Paulo

Professora doutora da Escola de Comunicações e Artes da Universidade de São Paulo.

Ana Paula Silva Ladeira Costa, Universidade Estadual de Goiás

Professora efetiva da Universidade Estadual de Goiás e pós-doutoranda no PPGCOM-Uerj.

Referências

ANDERSON, C. A cauda longa: a nova dinâmica de marketing e vendas: como lucrar com a fragmentação dos mercados. Rio de Janeiro: Elsevier, 2006.

BARDIN, L. Análise de conteúdo. Lisboa: Edições 70, 2011.

CARLÓN, M. Repensando os debates anglo-saxões e latino-americanos sobre o fim da televisão. In: CARLÓN, M.; FECHINE, Y. (org.). O fim da televisão. Rio de Janeiro: Confraria do Vento, 2014. p. 11-33.

CASTRO, Eneide Maia de. O gerenciamento de projetos em uma obra aberta: o caso de telenovelas brasileiras. 2013. Dissertação (Mestrado em Engenharia de Produção) – Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2013.

CONVIVA. Streaming in the time of coronavírus. Conviva, [s. l.], 2020. Disponível em: https://bit.ly/3qRk3mu. Acesso em: 5 jul. 2021.

COSTA, A. P. S. L. Produção televisiva independente: internacionalização sob a égide das políticas públicas. Eptic, São Cristóvão, v. 23, n. 1, p. 7-26, 2021. Disponível em: https://bit.ly/2Ub2Bgs. Acesso em: 20 mar. 2021.

FECHINE, Y. Elogio à programação: repensando a televisão que não desapareceu. In: CARLÓN, M.; FECHINE, Y. (org.). O fim da televisão. Rio de Janeiro: Confraria do Vento, 2014. p. 114-131.

JORDÃO, G.; ALLUCCI, R. R. Panorama setorial da cultura brasileira 2013-2014. São Paulo: Alucci & Associados Comunicações, 2014.

JOST, F. Compreender a televisão. Porto Alegre: Sulina, 2007.

KANTAR IBOPE. Inside TV: experiência, influência e as novas dimensões do vídeo. Kantar Ibope, 2020. Disponível em: https://bit.ly/36dUL8s. Acesso em: 6 jul. 2021.

LADEIRA, J. M. Imitação do excesso: televisão, streaming e o Brasil. Rio de Janeiro: Folio Digital, 2016.

LOPES, M. I. V.; LEMOS, L. P. Brasil: streaming, tudo junto e misturado. In: LOPES, M. I. V.; GÓMEZ, G. O. (coord.). Modelos de distribuição da televisão por internet: atores, tecnologias, estratégias. Porto Alegre: Sulina, 2019. p. 73-108.

LOTZ, A. D. Portals: a treatise on internet-distributed television. Ann Arbor: Michigan Publishing, 2017.

LOTZ, A. D. The television will be revolutionized. Nova Iorque: New York University Press, 2007.

LOTZ, A. D.; LOBATO, R.; THOMAS, J. Internet-distributed television research: a provocation. Media Industries, Ann Arbor, v. 5, n. 2, p. 35-47, 2018.

MACHADO, A. A televisão levada a sério. São Paulo: Editora Senac, 2014.

MARQUES, J. TVs e jornais lideram índice de confiança em informações sobre coronavírus, diz Datafolha. Folha de S.Paulo, São Paulo, 23 mar. 2020. Disponível em: https://bit.ly/3h9q22x. 24 mar. 2020.

MARTÍN-BARBERO, J. Dos meios às mediações: comunicação, cultura e hegemonia. Rio de Janeiro: Editora UFRJ, 2015.

MASSAROLO, J. C.; MESQUITA, D. Vídeo sob demanda: uma nova plataforma televisiva. In: ENCONTRO ANUAL DA ASSOCIAÇÃO NACIONAL DOS PROGRAMAS DE PÓS-GRADUAÇÃO EM COMUNICAÇÃO, 25., 2016, Goiânia. Anais […]. Belo Horizonte: Compós, 2016. p. 1-24.

MÍDIA dados Brasil 2020. Grupo de Mídia São Paulo, São Paulo, 2020. Disponível em: https://midiadados2020.com.br/. Acesso em: 6 jul. 2021.

OROZCO, G. Televisão: causa e efeito de si mesma. In: CARLÓN, M.; FECHINE, Y. (org.). O fim da televisão. Rio de Janeiro: Confraria do Vento, 2014. p. 96-113.

PARROT ANALYTICS. Navigating Covid-19: special report: practical solutions for thriving in an altered attention economy. Parrot Analytics, Los Angeles, 2020. Disponível em: https://bit.ly/3gYyiT8. Acesso em: 11 fev. 2021.

PENNER, T. A.; STRAUBHAAR, J. D. Títulos originais e licenciados com exclusividade no catálogo brasileiro da Netflix: um mapeamento dos países produtores. MATRIZes, São Paulo, v. 14, n. 1, p. 125-149, 2020.

SECOM. Pesquisa brasileira de mídia 2016: hábitos de consumo de mídia pela população brasileira. Brasília, DF: Secom, 2017.

STRAUBHAAR, J. D. et al. Class, pay TV access and Netflix in Latin America: transformation within a digital divide. Critical Studies in Television, Thousand Oaks, v. 14, n. 2, p. 233-254, 2019.

STYCER, M. Globo cresce no Ibope em 2020 e ganha público entre crianças e adolescentes. Uol, [s. l.], 11 ago. 2020. Disponível em: https://bit.ly/3hgZong. Acesso em: 28 jun. 2021.

TIC DOMICÍLIOS. Pesquisa sobre o uso das tecnologias de informação e comunicação nos domicílios brasileiros. São Paulo: Cetic.br, 2019.

VALIATI, V. A. D. “Are you still watching?”: audiovisual consumption on digital plataforms and practices related to the routines of Netflix users. In: BUCK, A. M.; PLOTHE, T. (ed.). Netflix at the nexus. Nova Iorque: Peter Lang, 2019. p. 223-237.

Downloads

Publicado

2021-08-02

Como Citar

VIEIRA, M. de F. R. N.; COSTA, A. P. S. L. . Oferta de produção audiovisual durante a pandemia de Covid-19: estratégias e adaptações da Rede Globo e Netflix. RuMoRes, [S. l.], v. 15, n. 29, p. 300-328, 2021. DOI: 10.11606/issn.1982-677X.rum.2021.185187. Disponível em: https://www.revistas.usp.br/Rumores/article/view/185187. Acesso em: 23 out. 2021.

Edição

Seção

Artigos