Os nomes da violência contra as mulheres: das narrativas no jornalismo

Autores

  • Mayra Rodrigues Gomes Universidade de São Paulo

DOI:

https://doi.org/10.11606/issn.1982-677X.rum.2021.185233

Palavras-chave:

Jornalismo, Violência, Mulheres, Narrativa, Discurso

Resumo

O presente artigo está inserido num conjunto de estudos e averiguações sobre o jornalismo informativo que temos desenvolvido com o intuito de apreender seu estatuto e a natureza dos discursos que ele mobiliza. A proposta de pesquisa foi motivada, no ano de sua apresentação em 2018, pelos altos índices de violência no Brasil. A pesquisa procura captar o espírito das narrativas jornalísticas nos relatos de casos de violência contra as mulheres, entender como o jornalismo está descrevendo esses casos de violência (se de forma a reforçar ou neutralizar estereótipos de natureza negativa) e apreender, em visão panorâmica, a situação da violência contra as mulheres, enquanto apresentada pela produção jornalística.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Mayra Rodrigues Gomes, Universidade de São Paulo

Professora titular sênior no Departamento de Jornalismo e Editoração da Escola de Comunicações e Artes da USP.

Referências

BOURDIEU, P. Sobre a televisão: a influência do jornalismo e os Jogos Olímpicos. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 1997.

CALLIGARIS, C. Najila, Neymar e os comentários: muitos nem cogitam a possibilidade de que as mulheres tenham desejos sexuais. Folha de S.Paulo, São Paulo, 20 jun. 2019. Disponível em: https://www1.folha.uol.com.br/colunas/contardocalligaris/2019/06/najila-neymar-e-os-comentarios.shtml. Acesso em: 28 jun. 2021.

CARAZZAI, E. H. et al. 71% dos feminicídios e das tentativas têm parceiro como suspeito. Folha de S.Paulo, São Paulo, 8 mar. 2019. Disponível em: https://www1.folha.uol.com.br/cotidiano/2019/03/71-dos-feminicidios-e-das-tentativas-tem-parceiro-como-suspeito.shtml. Acesso em: 28. jun. 2021.

CHARAUDEAU, P. Discurso das mídias. São Paulo: Contexto, 2006.

CHARAUDEAU, P. Discurso político. São Paulo: Contexto, 2008.

DUCROT, O. Princípios de linguística semântica: dizer e não dizer. São Paulo: Cultrix, 1977.

FOUCAULT, M. A ordem do discurso. São Paulo: Loyola, 1996.

FOUCAULT, M. As palavras e as coisas. São Paulo: Martins Fontes, 1995.

GAZALÉ, O. Le mythe de la virilité. Un piège pour les deux sexes. Paris: Éditions Robert Laffont, 2017.

HALL, S. A identidade cultural na pós-modernidade. Rio de Janeiro: DP&A, 2000.

INSTITUTO DE PESQUISA ECONÔMICA APLICADA; FÓRUM BRASILEIRO DE SEGURANÇA PÚBLICA. Atlas da violência 2017. Brasília, DF: Ipea; Fórum Brasileiro de Segurança Pública, 2017. Disponível em: http://www.ipea.gov.br/portal/images/170609_atlas_da_violencia_2017.pdf. Acesso em: 20 maio 2018.

MAINGUENEAU, D. Novas tendências em análise do discurso. Campinas: Pontes, 1993.

MAINGUENEAU, D. Gênese dos discursos. São Paulo: Parábola Editorial, 2008.

ORLANDI, E. As formas do silêncio: no movimento dos sentidos. Campinas: Editora da Unicamp, 2007.

SPERB, P. Tribunal absolve acusado de estupro com alegação que vítima estava bêbada. Folha de S.Paulo, Porto Alegre, 8 ago. 2019. Disponível em: https://www1.folha.uol.com.br/cotidiano/2019/08/condenado-a-dez-anos-de-prisao-por-estupro-motorista-e-absolvido-apos-recorrer.shtml. Acesso em: 28 jun. 2021.

Downloads

Publicado

2021-08-02

Como Citar

GOMES, M. R. Os nomes da violência contra as mulheres: das narrativas no jornalismo. RuMoRes, [S. l.], v. 15, n. 29, p. 205-234, 2021. DOI: 10.11606/issn.1982-677X.rum.2021.185233. Disponível em: https://www.revistas.usp.br/Rumores/article/view/185233. Acesso em: 23 out. 2021.

Edição

Seção

Artigos