As faces do trabalho: representações sociais nas telas Trabalhadoras e Operários e no filme Nomadland

Autores

  • Lucas Gamonal Barra de Almeida Instituto Federal de São Paulo
  • Valmir Moratelli Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro
  • Tatiana Siciliano Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro

DOI:

https://doi.org/10.11606/issn.1982-677X.rum.2022.200391

Palavras-chave:

Trabalho, Precarização, Representação, Pintura, Narrativas audiovisuais

Resumo

Da homogeneização do operário no começo do século XX à individualização exacerbada no século XXI, este trabalho investiga as possíveis interpretações sobre a representação do trabalhador em três obras: Trabalhadoras (1900), do pintor alemão Hans Baluschek (1870-1935), Operários (1933), da pintora brasileira Tarsila do Amaral (1886-1973), e o filme estadunidense Nomadland (2020), da chinesa Chloé Zhao. Usando como metodologia a descrição interpretativa desses objetos, possibilita-se uma discussão sobre as alterações nas formas de trabalho nas grandes cidades a partir de leituras sobre o tema. Como conclusão, traz-se uma visão crítica das práticas capitalistas, diante da precarização do trabalho e da supressão da sensação de pertencimento de classe entre os indivíduos. Assim, o olhar melancólico representado nessas diferentes telas traduz a percepção sobre o modo de vida a que essas pessoas são submetidas.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Lucas Gamonal Barra de Almeida, Instituto Federal de São Paulo

Doutor em Comunicação pela Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro. Professor Substituto do Instituto Federal de São Paulo – Campus Campos do Jordão.

Valmir Moratelli, Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro

Doutorando pelo Programa de Pós-Graduação em Comunicação da PUC-Rio. Integrante do grupo de pesquisa “Narrativas da vida moderna na cultura midiática – dos folhetins às séries audiovisuais”

Tatiana Siciliano, Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro

Doutora em Antropologia Social pelo Museu Nacional da UFRJ. Diretora do Departamento de Comunicação e Professora do Programa de Pós-Graduação em Comunicação da PUC-Rio.

Referências

ALVARENGA, D.; SILVEIRA, D. Desemprego recua para 14,1% no 2º trimestre, mas ainda atinge 14,4 milhões, aponta IBGE. G1, Rio de Janeiro, 31 ago. 2021. Economia. Disponível em: http://glo.bo/3zrDIzA. Acesso em: 13 set. 2021.

AMARAL, T. Operários. 1933. Pintura, óleo sobre tela, 230 cm x 150 cm. Disponível em: https://bit.ly/3zlKKpv. Acesso em: 15 set. 2021.

ANTUNES, R. Século XXI: nova era da precarização estrutural do trabalho? In: ANTUNES, R.; BRAGA, R. (org.). Infoproletários: degradação real do trabalho virtual. São Paulo: Boitempo, 2009.p. 16-55.

ARIMATHEA, B. Jeff Bezos é criticado após viagem espacial por condições trabalhistas da Amazon. CNN Brasil, São Paulo, 21 jul. 2021. Business. Disponível em: https://bit.ly/3xgU63a. Acesso em: 16 set. 2021.

BALUSCHEK, H. Trabalhadoras. 1900. Pintura, óleo sobre tela. Disponível em: https://bit.ly/3P18R1s. Acesso em: 30 jun. 2022.

BOLTANSKI, L.; CHIAPELLO, È. O novo espírito do capitalismo. São Paulo: WMF Martins Fontes, 2009.

CRARY, J. 24/7: Capitalismo tardio e os fins do sono. São Paulo: Cosac & Naify, 2014.

DIDI-HUBERMAN, G. Povos expostos, povos figurantes. Vista, Braga, n. 1, p. 16-31, 2017.

DURKHEIM, É. Da divisão do trabalho social. São Paulo: Martins Fontes, 1995.

ELIAS, N. Os alemães: a luta pelo poder e a evolução do habitus nos séculos XIX e XX. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 1997.

FREIRE-MEDEIROS, B.; TELLES, V. S.; ALLIS, T. Por uma teoria social on the move. Tempo Social, São Paulo, v. 30, n. 2, p. 1-16, 2018.

HALL, S. Quem precisa da identidade? In: SILVA, T. T. (org.). Identidade e diferença: a perspectiva dos estudos culturais. Petrópolis: Vozes, 2000. p. 109-115.

JAMES, J. The real Nomadland is about gig labour, not van culture. Medium, [s. l.], 20 abr. 2020. Disponível em: https://bit.ly/3O1SL7h. Acesso em: 15 set. 2021.

LEAL, V. N. Conceituação e consequência do “coronelismo”. In: MENEZES, Djacir (org.). O Brasil no pensamento brasileiro. Brasília, DF: Editora do Senado Federal, 1998. (Coleção Brasil 500 Anos). p. 276-277.

LIPOVETSKY, G. Os tempos hipermodernos. São Paulo: Barcarolla, 2004.

MARX, K. The capital. Londres: Lawrence and Wishart, 1974.

MORATELLI, V. Representações do trabalho na velhice: o que nos dizem os idosos de A Dona do Pedaço? Revista Albuquerque, Aquidaunana, v. 12, n. 24, p. 183-197, 2020.

MUANIS, F. O caminho do olhar: entre as pinturas e as vinhetas de televisão. Significação: Revista de Cultura Audiovisual, São Paulo, v. 38, n. 35, p. 109-128, 2011.

NOMADLAND. Direção: Chloé Zhao. Produção: Frances McDormand, Peter Spears, Mollye Asher, Dan Janvey e Chloé Zhao. Roteiro: Chloé Zhao. Los Angeles: Searchlight Pictures, 2020. 1 disco blu ray (ca. 108 min).

O ESTRANGEIRO. Intérprete: Caetano Veloso. Compositor: Caetano Veloso. In: Estrangeiro. Intérprete: Caetano Veloso. [S. l.]: Elektra Musician, 1989. 1 CD. Faixa 1.

ORTIZ, R. Mundialização e cultura. São Paulo: Brasiliense, 1994.

RODRIGUES, A. Resenha: 24/7 — capitalismo tardio e os fins do sono. São Paulo: Ubu, [2016]. Disponível em: https://bit.ly/3xthcVL. Acesso em: 13 set. 2021.

SÁNCHEZ-VALLEJO, M. A. A luta sindical que a Amazon quer sufocar. El País, Nova York, 28 fev. 2021. Disponível em: https://bit.ly/3O0KCji. Acesso em: 16 set. 2021.

SILVA, L. A. M. Sociabilidade violenta: por uma interpretação da criminalidade contemporânea no Brasil urbano. Sociedade e Estado, Brasília, DF, v. 19, n. 1, 2011.

SLEE, T. Uberização: a nova onda do trabalho precarizado. São Paulo: Elefante, 2017.

Downloads

Publicado

2022-07-26

Como Citar

ALMEIDA, L. G. B. de; MORATELLI, V.; SICILIANO, T. As faces do trabalho: representações sociais nas telas Trabalhadoras e Operários e no filme Nomadland. RuMoRes, [S. l.], v. 16, n. 31, p. 311-334, 2022. DOI: 10.11606/issn.1982-677X.rum.2022.200391. Disponível em: https://www.revistas.usp.br/Rumores/article/view/200391. Acesso em: 6 fev. 2023.

Edição

Seção

Artigos