Três ideias sobre a política da morte e uma figura pública

Autores

  • Pedro P. de Oliveira Universidade Federal de Mato Grosso
  • Rodrigo D. L. Portari Universidade do Estado de Minas Gerais. Unidade Frutal

DOI:

https://doi.org/10.11606/issn.1982-677X.rum.2022.200395

Palavras-chave:

Comunicação, necropolítica, acontecimento, figura pública, performance

Resumo

O estudo parte da realização de uma live acadêmica, na qual se debateu a performance do presidente brasileiro Jair Bolsonaro durante o primeiro semestre do acontecimento da pandemia de covid-19 no país, em 2020. O evento digital, promovido em agosto daquele ano pelo Programa de Pós-Graduação em Comunicação e Poder da Universidade Federal de Mato Grosso, reuniu três intelectuais: a pesquisadora e professora Vera Regina Veiga França, da Universidade Federal de Minas Gerais e os pesquisadores e professores portugueses João Carlos Correia, da Universidade da Beira Interior, e Vítor de Sousa, da Universidade do Minho. À luz de uma ótica humanista, os debatedores analisaram a performance de Bolsonaro, em suas ações e omissões, seu desprezo pela vida do outro e a responsabilidade que lhe cabe pelos brasileiros mortos na pandemia.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Pedro P. de Oliveira, Universidade Federal de Mato Grosso

Jornalista, doutor em Comunicação pela UFMG e pós-doutorado em Comunicação e Artes na UBI/Portugal. Docente e pesquisador associado dos programas de Pós-Graduação em Comunicação (PPGCOM) e em Estudos de Cultura Contemporânea (ECCO), ambos da UFMT.

Rodrigo D. L. Portari, Universidade do Estado de Minas Gerais. Unidade Frutal

Jornalista, doutor em Comunicação pela UFMG. Professor da UEMG-Frutal. Coordenador do curso de Jornalismo e Coordenador do Centro de Pesquisa da UEMG-Frutal.

Referências

BERNSTEIN, R. Filosofía y democracia: John Dewey. Barcelona: Herder, 2010.

CICLO de debates PPGCOM: Acontecimentos e Figuras Públicas: Bolsonaro e os mortos. [S. l.: s. n.], 2020. 1 vídeo (154 min). Publicado pelo canal PPGCOM UFMT. Disponível em: https://bit.ly/3Rr06Ql. Acesso em: 13 jul. 2022.

CHOMSKY, N. Os caminhos do poder: reflexões sobre a natureza humana e a ordem social. Porto Alegre: Artmed, 1998.

DEBROCK, G. Process pragmatism: essays on a quiet philosophical revolution. Leiden: Brill Rodopi, 2003.

DEL MOLINO, S. Lo que Unamuno nunca le dijo a Millán Astray. El País, Madrid, 9 maio 2018. Disponível em: https://bit.ly/3c1LIh1. Acesso em: 11 jul. 2022.

JUDT, T. O peso da responsabilidade. Rio de Janeiro: Objetiva, 2014.

MBEMBE, A. Necropolítica. São Paulo: N-1Edicões, 2018.

OLIVEIRA, P. P. A “ideia plana” e a repulsa ao Outro: o caso Bolsonaro(s). Mediapolis, Coimbra, n. 12, p. 67-82, 2021

OLIVEIRA, P. P. From Schutz to Dewey: communication and everyday life. Estudos em Comunicação, v. 1, n. 25, p. 163-175, 2017.

POGREBINSCHI, T. Pragmatismo: teoria social e política. Rio de Janeiro: Relume Dumará, 2005.

SOUSA, V. Tempo, espaço e COVID-19: unidade, fragmentação, dissincronia, velocidade, Einstein, Kafka, nova-normalidade e incerteza no futuro. In: SALES, C.; ARAÚJO, E.; COSTA, R. Tempo e sociedade em suspenso. Lisboa: Editora Instituto Universitário de Lisboa: Centro de Investigação e Estudos de Sociologia (CIES-IUL), 2020. p. 203-216.

Downloads

Publicado

2022-07-26 — Atualizado em 2022-08-17

Versões

Como Citar

OLIVEIRA, P. P. de; PORTARI, R. D. L. Três ideias sobre a política da morte e uma figura pública. RuMoRes, [S. l.], v. 16, n. 31, p. 112-132, 2022. DOI: 10.11606/issn.1982-677X.rum.2022.200395. Disponível em: https://www.revistas.usp.br/Rumores/article/view/200395. Acesso em: 6 fev. 2023.

Edição

Seção

Dossiê