Os filmes-diários de Jonas Mekas: as memórias de um homem que se filma

Autores

  • Marcelo Ikeda Universidade Federal do Ceará (UFC).

DOI:

https://doi.org/10.11606/issn.1982-677X.rum.2012.51298

Palavras-chave:

Filmes-diários, memória, narrativa, estética, Jonas Mekas.

Resumo

O objetivo deste texto é examinar as relações entre memória, narrativa e estética no cinema de Jonas Mekas, especialmente em Walden: diaries, Notes and sketches (1969). A singularidade dos filmes-diários de Mekas se afasta do modelo de encenação da narrativa clássica, investindo numa relação orgânica entre o ato de viver e de filmar, como um processo tipicamente inacabado que revela suas “rasuras”, como cânticos ambíguos de celebração ao ato de viver.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Marcelo Ikeda, Universidade Federal do Ceará (UFC).

Professor do Curso de Cinema e Audiovisual da Universidade Federal do Ceará. Mestre em Comunicação pela Universidade Federal Fluminense. Autor do livro “Cinema de Garagem: um inventário afetivo do jovem cinema brasileiro do século XXI”, com Dellani Lima. marceloikeda@ymail.com

Downloads

Publicado

2012-08-06

Como Citar

IKEDA, M. Os filmes-diários de Jonas Mekas: as memórias de um homem que se filma. RuMoRes, [S. l.], v. 6, n. 11, p. 220-232, 2012. DOI: 10.11606/issn.1982-677X.rum.2012.51298. Disponível em: https://www.revistas.usp.br/Rumores/article/view/51298. Acesso em: 16 abr. 2021.

Edição

Seção

Artigos